Convivendo

Ser ou não ser, eis a reflexão

Zil Camargo
Escrito por Zil Camargo

Depois de viver um pouco mais de quatro décadas, a noção de tempo vai se modificando em nosso olhar. A pressa, a ânsia, o quase desespero de outrora vai dando lugar a pequenas pausas de suave observação.

Neste exercício, quase involuntário que vamos adquirindo, o antes e o depois começam a ser vistos sob outra perspectiva, mais atenta e sensível. É uma oportunidade de entender melhor o ambiente em que vivenciamos essa jornada e, de acordo com o que pudermos absorver, entender melhor a nós mesmos.

Na primeira vez que me dei conta disso, notei algumas novidades sobre a forma de ver o mundo e descobri que existe um tom de azul que eu sempre acho que é verde, mesmo não sendo daltônica.

Meu senso de orientação é um fiasco: sigo rumo ao oeste quando penso que estou indo para leste e muitas vezes, tenho que pensar antes de indicar com um gesto onde fica o lado esquerdo ou o direito.

Creative Business IdeaPelo menos uma vez por dia atravesso um momento de dúvida.

O que tenho percebido com isso é que hesitar é mais comum do que parece. Faz parte da condição humana, já que a vida é mesmo feita de escolhas.

Hesitar pode ser uma saudável pausa para refletir por mais um segundo e uma poderosa ferramenta de contenção de más decisões.

Um único segundo de dúvida representa a tênue linha que separa a emoção da razão, o impulso da coerência.

O perigo em hesitar não é o engano, já que o acerto também joga com probabilidades e pontos de vista e não só com a ciência e a experiência. Perigo é transformar a hesitação reflexiva em indecisão crônica.

Perder a capacidade de tomar uma decisão num vicioso vai e volta de ideias, isso sim é perigoso!

O equilíbrio entre a hesitação saudável e a indecisão nociva está no exercício constante da paz de espírito e na certeza de que temos a liberdade de escolha, cientes das responsabilidades ligadas a elas.

Somente incorporando essa filosofia ao nosso dia a dia, podemos exercer com tranquilidade as nossas constantes e eternas reflexões sobre o ser ou não ser.

Sem pressa, sem ansiedade, sem pensar tanto no que já passou nem projetar tanto nossas ações para o futuro, mas tendo a consciência de onde estamos e das decisões que tomamos. Dando a esse espaço de tempo atual a atenção que ele merece, com a sensibilidade de olhar e sobretudo…. ver!

É o que, no final das contas, define o que somos, nos dá condições de ser, ou de não ser. É a matéria-prima para tudo que quisermos fazer e  acontece nesse momento : o incrível agora.

Sobre o autor

Zil Camargo

Zil Camargo

Na diversidade de cada ser, é injusto com a vida, neste mar de experiência que ela concede, tentar nos definir assim, com meras palavras.

Mas dentro de mim mora alguém inspirada, sensível, às vezes curta ou grossa, ora dramática, ora objetiva.

Mãe, artesã, escritora amadora; consultora para ganhar a vida e interessada no comportamento humano.

Estudiosa de assuntos relacionados à psicanálise, filosofia e espiritualidade; uma aprendiz procurando desenvolver oportunidades em busca do bem viver.

Contato: [email protected]