Autoconhecimento

Solitude: a beleza da sua própria companhia

Mulher de olhos fechados, parada em um campo aberto
Probuxtor / Getty Images Pro / Canva
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Desde que chegamos ao mundo, nós aprendemos muitas habilidades e instruções para saber lidar com tudo na vida. Aprendemos a nos relacionar, a sermos bons amigos, a adquirirmos competências para um emprego. Você, porém, lembra-se de ter aprendido a ficar sozinho? Alguém o ensinou a lidar consigo mesmo ou a se ajudar em um momento difícil?

Geralmente, ouvimos alguns conselhos clichês, mas não somos fortemente instruídos a iniciar uma verdadeira jornada para o autoconhecimento, uma viagem para dentro de si e, devido a isso, alguns buracos são formados dentro de nós e muitas vezes passamos anos ou até mesmo a vida toda tentando preencher esses buracos com algumas atitudes autodestrutivas ou autossabotadoras. Exemplo disso é o fato de como nos relacionamos com alguém por carência, exageramos no consumo de substâncias que nos deixam mais alegres ou relaxados ou apenas vivemos perdidos sem saber ao certo para aonde estamos indo. Você domina a arte da solitude e é capaz de se guiar sozinho pela vida? Confira algumas informações sobre esse tema!

O que é solitude?

A solitude é a capacidade de ficar sozinho sem que isso seja um incômodo – e, sim, até mesmo uma preferência. Ela não tem a ver com o fato de não ter amigos ou de ser alguém solitário ou infeliz. Ela é apenas a habilidade de ser autossuficiente e sentir-se completo mesmo estando inteiramente sozinho. É o proveito que você tira dos seus momentos sozinhos para se autoconhecer, escutar-se e dialogar consigo mesmo sem que isso seja algo ruim. É uma prática terapêutica.

Quando enfrentamos o incômodo do primeiro momento ao ficarmos sozinhos e continuamos investigando o que existe dentro de nós, podemos alcançar um conforto e uma sensação incrivelmente satisfatória e gratificante. Sentimos liberdade, por percebermos que temos conosco tudo o que precisamos: nós mesmos. Ademais, sentimos segurança e acolhimento, ou seja, algumas das coisas que vivemos buscando desesperadamente lá fora (em situações ou pessoas) eram, na verdade, muito possíveis de serem proporcionadas por nós mesmos.

Quais as diferenças entre solidão e solitude?

Solidão e solitude são dois termos que não devem ser confundidos, porque são coisas opostas: a solidão é uma sensação, é uma dor, um sentimento. A solitude, por sua vez, é como um estado de espírito. Ou seja, pode-se dizer que a solidão é uma sensação ilusória do nosso ego, você sente e sofre com ela, mas ela não é uma verdade absoluta: você pode sentir a solidão e ela dói muito, mas é possível parar de senti-la, pois ela não é absoluta.

Mulher branca deitada na grama com flores brancas.
Ekaterina Krusanova / Unsplash

A solitude, por sua vez, é o seu encontro consigo mesmo, é a conexão do seu corpo, de sua mente, de seu espírito sentindo a plenitude de serem um só! É quando você é capaz de acolher suas dores, agradecer por suas alegrias e perceber que tudo faz parte de você e que não há nada de errado em ter defeitos e qualidades, sombras e luz. Nesse momento, você se torna seu melhor amigo e aceita-se por completo, então não há mais sofrimento por um instante, porque você está em união consigo mesmo. Por isso é essencial que você tenha esse momento algumas vezes por semana, pois ele recomporá suas energias.

O que a Bíblia diz sobre a solitude?

Na Bíblia, podemos encontrar algumas referências a respeito da solitude. Os versículos que tratam desse assunto seguem sempre a ideia de que, na realidade, você nunca estará de fato sozinho, pois você sempre terá a companhia de Deus com você, basta sentir Sua presença.

Em Deuteronômio 31:6, há: “Sejam fortes e corajosos. Não tenham medo nem fiquem apavorados por causa delas, pois o Senhor, o seu Deus, vai com vocês; nunca os deixará, nunca os abandonará”. Em Mateus 28:20, também é dito: “ensinando-os a obedecer a tudo o que eu ordenei a vocês. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”. Finalmente, em Salmos 23:4: “Mesmo quando eu andar por um vale de trevas e morte, não temerei perigo algum, pois tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me protegem.”

Por que a solitude revoluciona a nossa vida?

Uma vez que alcançamos a capacidade de sentirmos a solitude, toda a nossa vida muda, porque o nosso ponto de vista muda. Quando não podemos mudar as coisas ao nosso redor, devemos mudar a nós mesmos e é isso que a solitude nos proporciona. A vida se torna menos intimidadora quando você tem a certeza de que tem a si mesmo, porque você se sente pronto para o que der e vier, já que, haja o que houver, você estará do seu lado, você será seu melhor amigo.

Não confunda a solitude com egoísmo, porque ela é justamente o contrário disso. Egoísmo seria tentar cuidar de alguém sem ao menos cuidar de si mesmo, pois, assim, você poderia acabar piorando a situação, visto que energias podem ser contagiosas. A solitude, por sua vez, é contagiante, pois uma vez que você se conhece por completo e sabe lidar com seus próprios monstros, você também é capaz de transmitir essa paz para o próximo e ajudá-lo com mais propriedade também.

Homem sentado em banco de madeira, observando um campo com árvores
Franciscodiazpagador / Getty Images Signature / Canva

Conexões e relacionamentos interpessoais são essenciais em nossas vidas e é extremamente saudável e recomendado que estabeleçamos sempre esses momentos de divisão com outrem. E esses momentos tornam-se melhores ainda uma vez que nós temos nosso autoconhecimento estabelecido, pois ele reflete em todas as áreas das nossas vidas e faz com que sejamos pessoas muito mais leves e agradáveis para nós mesmos e para os outros também.

Como a solitude nos ajuda a desenvolver inteligência emocional?

Como dito anteriormente, a solitude é algo que ninguém pode tirar de nós, então ela é uma fonte de segurança muito forte para termos com nós mesmos. Ela é um alicerce. Sendo assim, com ela seremos um pouco mais capazes de lidar com as adversidades da vida, mas veja bem, as adversidades continuarão existindo. Ou seja, continuará havendo sofrimento, dificuldades e dores, porém se souber acessar sua solitude e tiver autoconhecimento, você se tornará muito mais hábil para enfrentar tais desafios.

Uma pessoa que não conhece a si mesmo pode vir a tomar atitudes até mesmo imprevisíveis. Ela mesma pode estar um pouco perdida e isso não é saudável nem para ela, nem para quem está ao seu redor. Por isso a solitude aumenta muito consideravelmente a nossa inteligência emocional, pois ela nos torna aptos para lidar com situações que podem ser desafiadoras. Com a solitude, passamos a ter jogo de cintura.

Mulher caminhando na beira de uma praia. No centro da foto, uma cadeira vazia na areia
Polina Sirotina / Pexels / Canva

A este ponto, você já deve ter entendido a importância de ter a habilidade de conhecer a si mesmo e de sentir-se completo sozinho, então não espere para dar o primeiro passo em direção a esse mecanismo da inteligência emocional. Não é fácil começar, mas o caminho vai se clareando conforme você vai dando os passos. Pode ser um processo demorado, mas vale muito a pena, pois trará a você resultados sólidos os quais serão levados por você pela vida inteira!

Onde aprender mais sobre a solitude?

Como a solitude não é um assunto muito falado, existem vários meios de aprender mais sobre ela. Confira nossas dicas a seguir:

  • O livro “Amor, Liberdade e Solitude – uma Nova Visão Sobre os Relacionamentos”, de Osho, lançado em 2006, fala sobre a complexidade da vida moderna e das relações, ressaltando por que tantas pessoas se preocupam em ficar sozinhas.
  • O livro “A Virtude da Raivs”, de Arun Gandhi, o neto de Mahatma Gandhi, apresenta algumas lições que seu avô deixou sobre variados âmbitos da vida; e entre eles muitas aprendizagens sobre aprender a ficar sozinho e a lidar consigo mesmo.
  • Se você gosta de música, duas músicas de mesmo nome (“Solitude”), mas com letras diferentes e cantadas por Djavan e Priscilla Alcântara, falam profundamente sobre o que a solitude pode nos proporcionar. A canção de Djavan, especificamente, retrata os pesos de uma sociedade que evolui na contramão.
  • O vídeo “A importância de estar só”, de Maria Homem, no Canal Saber (do YouTube), que fala sobre a possibilidade de o isolamento ser uma forma de liberdade nos dias de hoje. Clique aqui para ver o vídeo!

Você também pode gostar:

Como aproveitar melhor os momentos estando sozinho?

Mulher negra com expressão sorridente rodeada de borboletas.
Jessica Felicio / Unsplash

Primeiramente, certifique-se de que você está realmente sozinho, ou seja, sem nem mesmo mexer em celular ou distrações como redes sociais. Aproveite seus momentos sozinho para estar realmente imerso dentro de si mesmo, seja no ônibus, em uma fila ou tirando realmente alguns minutos do dia em um lugar tranquilo, como um parque ou seu próprio quintal.

Então, crie um diálogo interno consigo mesmo, prestando atenção em seus pensamentos, e não apenas deixando eles rodarem de modo automático. Relembre suas vontades, seus sonhos e questione o porquê, afinal, você não se sente capaz de alcançá-los. Investigue o que o impede de estar vivendo exatamente a vida de que você gostaria e de ser exatamente quem você gostaria. Faça tudo isso com leveza, sem cobranças e julgamentos contra você mesmo, e lembre-se de que você está a seu favor!

Provavelmente, num primeiro momento, seus pontos fracos podem vir à tona e você pode sentir medo do que encontrará dentro de si, mas siga firme. Se começar a ficar muito difícil encarar alguns pensamentos negativos que existem dentro de você, busque uma ajuda profissional, mas lembre-se de que tudo isso é normal, t9odos nós temos coisas boas e ruins dentro de nós. Algumas dicas podem ajudá-lo a tornar esse momento mais leve:

  1. Vá para algum lugar da cidade que é muito especial para você e que lhe proporcione somente sensações boas e tranquilas. Passe esse momento com você.
  2. Cuide do seu próprio corpo, pois é o seu lar. Tome um banho relaxante, use seus produtos e roupas preferidas e sinta profundamente esse prazer que é ser você.
  3. Prepare uma comida e, quando estiver pronto, sinta-se orgulhoso por isso, em vez de ver como algo simples e rotineiro.
  4. Coloque aqueles filmes que são a sua cara, que você se sente muito feliz e conectado consigo mesmo quando assiste!
  5. Comece um hobby que você sempre quis, mas deixava para depois, algo que você precise praticar todos os dias e isso gerará resultados ao longo do tempo – aprender a tocar um instrumento, começar um esporte ou fazer academia.

Como você viu, a solitude é praticamente a coisa mais importante da sua vida e é imprescindível que você saiba priorizar a si mesmo! Torne disso o seu objetivo principal a partir de agora e não descanse até alcançar a capacidade de conhecer-se, de saber lidar consigo mesmo e, então, você se sentirá muito mais capaz de encarar os problemas que a vida nos traz. Quando você amar sua própria companhia, será muito mais gostoso viver!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br