Convivendo

Sorrir não machuca

Mulher sorrindo.
Carlos Pompeu
Escrito por Carlos Pompeu

Mesmo quando as coisas parecem difíceis, quando o impossível se manifesta, como a ordem do dia, isso não é um bom motivo para abaixarmos a cabeça, em sinal de que concordamos com a situação. Basta lembrar: pense no melhor. Todavia, não é apenas assim. Em todas as situações, sem exceção alguma, pense sempre em coisas boas, acredite que o melhor possível vai acontecer.

Busque pensar em algo que te deixe leve, sem preocupação, em alguma pequena lembrança, um rastro que seja. Enfim, uma coisa boa, que te agrade; creia no lema: “Escolha sempre o melhor”.

Mulher gargalhando.

Pense nisso, concentre-se, sempre pelo lado bom, mas traga a esse pensamento uma ideia convincente, com convicção íntima, com a força interior, a graça divina, que você tem dentro da sua alma.

Mesmo que essa situação, aparentemente, seja difícil, procure ajuda em seu sorriso, distraia sua mente, com um encantamento do bem, algo poético, como se fosse um passe de mágica; em um estalar de dedos, uma amenidade, pense em alguma coisa engraçada, algo que te faça rir.

É difícil, eu sei, você também sabe, às vezes, pode ser raiva ou qualquer outro infortúnio, um “trem” que te deixa com os nervos à flor da pele, que nem suco de maracujá resolve. A gente não precisa ser sério o tempo inteiro. Sabe por quê? Você envelhece 20 anos desse jeito, é extremamente terrível, sombrio, deixa isso de lado, deleta.

Você também pode gostar

Agora, após conseguir esse “insight”, parta para a ação, um movimento eficaz, tome, beba do poço da sabedoria, crie uma atitude mental saudável, sorria, mesmo que não esteja sendo filmado.

Porque, na verdade, na verdade, sorrir não machuca, sorrir não dói, faz bem, de forma física, mental, emocional e espiritual. Sorrir faz bem também para a saúde, pesquise no Google.

Sorrir, dar risada, rir de coisa à toa causa uma sensação agradável, aumenta a autoestima, coloca um realce, em alta escala, no amor-próprio, além de encher seu estado emocional com a perspectiva da satisfação.

Você sabia que uma boa gargalhada faz bem para o espírito? Na hora, o bom humor entra em cena. Não requer prática nem tampouco experiência, é tão simples, tão natural, faz parte da natureza humana.

Mulher sorrindo com os olhos fechados.

Por isso, é importante, além de necessário, estar de boa, de bem com a vida, numa “nice”, com o astral lá em cima, nas nuvens, pertinho dos anjos, no céu, com sol ou chuva, ou quem sabe com o tempo parcialmente nublado. Não importa, o importante é estar alegre, contente, irradiando boas energias para o mundo; o riso reverbera no Universo frequências vibratórias, que nos elevam, nos trazendo descontração, dando carona para o sossego, na infinita paz de Deus, pegando jacaré no mar da tranquilidade. Hilário, enfim, tomando banho de sol no céu azul, piscina da serenidade.

Ora bolas, isso é ser feliz, resumindo, é viver bem, é a sofisticação da sutileza, o suprassumo, a nata, o creme, os lírios do campo, as flores mais lindas do jardim, em todas as cores, em diversos aromas e bons odores, sorria, dê risada, caia na gargalhada, fique contente. Seja a própria felicidade, cuidado com o olho gordo, peça proteção divina, viva e deixe viver, seja feliz.

Além de tudo isso, é verdade, na verdade, sorrir não machuca, não dói, não esfola, não arranha, não precisa colocar “band-aid”. O riso, uma boa risada, que sempre vem acompanhada de um sorriso, revigora o ânimo, deixa as pessoas bem-humoradas.

Mais uma vez, para concluir, sorrir não machuca, é um santo remédio. Enfim, sorria.

Sobre o autor

Carlos Pompeu

Carlos Pompeu

Carlos Pompeu, 46 anos, bacharel em Direito e formação em Letras, tendo sido redator publicitário e colunista em jornais e revistas, escreve em blogues, sobre entretenimento e cultura, na internet, sendo autor de livros virtuais de ficção, no qual adota o pseudônimo Boris de Pedra. Começou, ainda nos anos 1990, com esse nome artístico,”Boris”, em uma banda de Rock, na qual tocava baixo e cantava, além de compor as músicas e letras.

Já no século XXI, migrou para a Literatura, não tendo ainda nenhuma publicação, mas com a esperança de ter sua obra editada. No entanto, sabe que essa possibilidade encontra-se na formatação de um público leitor, o que vem fazendo, escrevendo na internet.

Atualmente tem suas atenções voltadas para a Terapia Holística, sendo sua especialidade o Reiki, com a graduação Nível III, o que o inspirou a escrever textos com a temática esotérica, que abordam a espiritualidade, pensamentos positivos e a autossugestão mental.

E-mail: ccarlospompeu@gmail.com
Site: tecnocibernetico.wordpress.com/