Nutrição

Suco de frutas: oferecer ou não a criança?

Carla Trevisan
Escrito por Carla Trevisan
Existe muita dúvida se é necessário ou se faz mal à criança tomar sucos de frutas. Abaixo listei alguns órgãos respeitados e suas orientações quanto ao tema.

Sociedade Brasileira de Pediatria – Brasil 

Os sucos naturais devem ser evitados, mas se forem administrados que sejam dados no copo, de preferência após as refeições principais, e não em substituição a estas, em dose máxima de 100 mL/dia, com a finalidade de melhorar a absorção do ferro não heme presente nos alimentos como feijão e folhas verde-escuras.

Academia Americana de Pediatria – EUA 

Sucos não oferecem benefícios nutricionais para as crianças menores de 6 meses e não devem ser oferecidos para as mesmas. A fruta in natura deve ser oferecida em preferência ao suco. Sucos não oferecem nenhum benefício maior do que a fruta in natura. Suco de fruta 100% natural pode ser parte de uma dieta saudável quando consumido como parte de uma dieta balanceada. Sucos de frutas artificiais ou de “caixinha” não são equivalentes ao suco de fruta natural e não são recomendados.

Sucos não devem ser dados em mamadeiras ou em recipientes de fácil transporte, de forma a estimular a sua ingesta ao longo do dia todo. Não oferecer sucos na hora de dormir.

Sucos não são apropriados para o tratamento de desidratação e diarreia.

Consumo excessivo de sucos pode estar associado com diarreia, flatulência, distensão abdominal e cárie dentária, além de subnutrição.

A ingesta de suco deve ser limitada de 120 a 180ml por dia em crianças de 1 a 6 anos, e para crianças de 7 a 18 anos, de 200 a 350 ml, ou 2 copos por dia.

Em crianças consideradas malnutridas, com diarreia crônica, flatulência excessiva, dor abdominal e má digestão, o pediatra deve avaliar a criança e determinar a quantidade consumida de suco.

A cárie dentária pode estar diretamente relacionada com a quantidade de suco ingerida, sem os cuidados necessários.

National Health Service (NHS) – Reino Unido

Bebês abaixo de 6 meses não devem receber sucos de frutas.

Sucos de frutas diluídos (uma parte de suco para 10 partes de água) podem ser oferecidos à criança com as refeições após os 6 meses. Isso seria uma água saborizada.

National Health and Medical Research Council – Austrália

Sucos são desnecessários e não se recomenda para as crianças menores de 1 ano de idade.

Bebidas adoçadas estão associadas com cáries dentárias.

Chás e outras bebidas não têm benefícios conhecidos para a criança e podem ser potencialmente perigosos.

Health Canada – Canadá 

Não recomenda sucos no primeiro ano. Depois de 1 ano, orientam dar suco de forma limitada e não oferecer bebidas adoçadas. Se a criança estiver com sede, ofereça água a ela.

O problema do excesso de suco 

Sempre que possível, ofereça a fruta in natura, pois ela mantém as fibras que são ótimas para o intestino e para manter o índice glicêmico baixo.

A criança precisa aprender a mastigar, a oferta de suco acaba deixando a criança preguiçosa para mastigar e acaba rejeitando os alimentos sólidos.

O excesso de suco pode danificar o esmalte do dente, levando à cárie dentária.

Excesso de suco pode provocar gases e diarreia.

O consumo de mais de 350ml de suco por dia está associado com a baixa estatura e obesidade.

Sucos de frutas podem conter sorbitol e uma grande quantidade de frutose, que podem causar cólicas no bebê, pois aumentam a produção de gases.

Os açúcares podem causar problemas futuros, pois mais tardiamente as crianças têm dificuldade de reduzir o carboidrato da dieta.

RESUMINDO: 

Crianças (e até mesmo adultos) não precisam de sucos de frutas. Para hidratar, o ideal é tomar água e para garantir nutrientes, o ideal é consumir as frutas in natura.


Referências bibliográficas:

The Use and Misuse of Fruit Juice in Pediatrics. Pediatrics 2001;107;1210. Committee on Nutrition. Disponível on-line em: http://pediatrics.aappublications.org/content/107/5/1210.full.html;

http://www.nhmrc.gov.au/guidelines-publications/n56;

http://www.healthycanadians.gc.ca/healthy-living-vie-saine/infant-care-soins-bebe/nutrition-alimentation-eng.php#a2;

http://www.nhs.uk/conditions/pregnancy-and-baby/pages/drinks-and-cups-children.aspx#close.

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Carla Trevisan

Carla Trevisan

Nutricionista formada em 2010 pela Universidade de Ribeirao Preto (UNAERP)
Pós graduada em Nutrição clinica e Fundamentos Metabólicos pela Gama Filho
Pós graduada em Fitoterapia Funcional pela VP
Pós graduada em Nutrição clinica Funcional pela VP

A nutrição funcional consegue tratar diversas patologias ajustando as deficiências de vitaminas e minerais, otimizando os processos metabólicos e tendo assim melhores resultados.

A fitoterapia me dá suporte para minhas prescrições sendo uma ferramenta importante nos diversos tratamentos.

Condições que podemos tratar:

- Obesidade
- Gastrite/refluxo
- Síndrome do intestino irritável
- Câncer
- Depressão/ansiedade
- Colesterol alto
- Hipotireoidismo
- Menopausa
- TPM
- Enxaqueca
- Prisão de ventre
- Gestante, nutriz
- Artrite/artrose
- Diabetes
- Alzheimer
- Ganho de massa muscular
- Osteopenia/osteoporose
- Intoxicações por metais pesados
- Alergia alimentar
- Rinite/sinusite
- Celulite, edema, queda de cabelo
- Acne, foliculite
- Hipertensão
- Distúrbios alimentares (anorexia, bulimia, compulsão alimentar)
- Introdução alimentar no bebê
- Insônia
- Anemia
- Infertilidade
- Fadiga crônica
- Psoríase
- Aumento de imunidade
- Fibromialgia