Convivendo Nutrição

Transtornos alimentares: uma visão ampla

Fita métrica em torno de garfo.
Sergiy Tryapitsyn / 123rf
Escrito por Flávia Rebouças

Os transtornos alimentares são transtornos mentais que incluem comportamentos inerentes e muita ansiedade. Podem acometer homens e mulheres e surgir na infância, adolescência e demais faixas etárias.

Numa visão mais ampla, têm direta relação com a autoestima, autoimagem, self e necessidade de pertencimento.

Essas partes psíquicas se organizam no decorrer da vida e se transferem para o comportamento, a partir dos reforços e percepções obtidas pela aprovação ou desaprovação nas relações familiares e sociais. Vêm do aprendizado.

As experiências vividas, as relações de contato com o outro, as percepções e sentimentos que transmitem a sensação de inadequação ao indivíduo levam à interpretação de não pertencimento.

O pertencimento é uma das necessidades básicas do ser humano, pois, ao pertencer, o sujeito se integra à sociedade, ao grupo a que pertence e se iguala aos seus semelhantes.

Do contrário, há a inadequação, muito promovida e empacotada pelas mídias para promoção de produtos pautados na intermediação entre o eu e o todo. Podem gerar exclusão, pouca autoestima, insatisfação e ansiedade.

Corpo perfeito, alimentação regrada, compra de produtos estéticos etc., que trazem mensagens de reforço contrárias à autoestima e ditam regras comportamentais, podendo gerar transtornos pela busca da perfeição e encaixe social.

O que deve ser considerado e tipos de transtornos alimentares

Mulher branca numa balança e fita métrica amarela no chão.
Sergiy Tryapitsyn / 123rf

É importante que, desde a infância, o reforço seja positivo, baseado nas qualidades e competências das crianças.

Palavras de julgamento em relação ao corpo precisam ser evitadas; auxílio, no entanto, é sempre válido, se houver a necessidade de ganho ou perda de peso, por exemplo.

Nutricionistas, nesse caso, poderão programar e adequar dietas individuais, assim como psicanalistas ou psicólogos e psiquiatras em conjunto, para o tratamento dos transtornos alimentares.

Crianças e adolescentes podem, assim como adultos, ter dificuldade em relação a críticas sobre o corpo, ou manter percepções equilibradas quanto ao corpo, podendo significar insatisfação. O grau dessa insatisfação merece observação. Conversas e reflexões.

Há ainda períodos da infância e pré-adolescência em que o ganho de peso é necessário. São os períodos de estirão, fazem parte do crescimento físico. Nessa fase, é comum que ganhem peso.

Quando adulto, observar que a distinção faz parte da individualidade e que a perfeição NÃO existe. Para quem sofre com transtornos alimentares, a ajuda profissional é necessária, pois o acompanhamento faz parte do processo que visa o reequilíbrio. O tratamento é multiprofissional.

Entrar e sair de ciclos de dietas também pode gerar transtornos alimentares; por isso, não é recomendado seguir nenhuma dieta sem orientação profissional.

Alguns tipos de transtornos alimentares:

  • anorexia nervosa;
  • bulimia nervosa;
  • transtornos alimentares periódicos;
  • vigorexia.

Reflexões sobre o corpo e as emoções

Muita cobrança gera desgaste emocional, ninguém precisa de um corpo perfeito para ser, evoluir e atingir objetivos.

Infelizmente não é o que consumimos como informação, muitas vezes.

Como exemplo, temos as campanhas de cervejas que mostram corpos dentro de um padrão e que não poderiam estar mais longe da realidade, visto que as cervejas não são um meio de alcançar a tal perfeição; pelo contrário!

Homem branco segurando colher com desânimo.
Anton Estrada / 123rf

O corpo dito “ideal” também é parâmetro para a moda e outros produtos e serviços, de tal modo que transmite à sociedade a sugestão de que devemos seguir um padrão preestabelecido para sermos felizes e plenos. Acaba envolvendo nossas emoções, escolhas, vontades e comportamento. Nos transtornos alimentares, pode haver sentimento de culpa, vergonha, baixa autoestima, por exemplo. As emoções e pensamentos atuam em conjunto com o comportamento no transtorno e são fontes de sofrimento.

Na realidade, somos todos diferentes, indivíduos com características próprias e, portanto, únicos. A beleza está nessa percepção, nessa consciência. Não obstante, as ideias preconcebidas continuarão a ser vendidas. E por falar em reforço, vamos espalhar mais palavras positivas e menos julgamentos, podemos fazer a diferença nos aceitando, bem como aceitando os outros.

Nunca é tarde para buscar auxílio, regular as percepções e emoções para equilíbrio físico e mental.

Sobre o autor

Flávia Rebouças

Minha paixão é compreender e pesquisar sobre nós, seres humanos. Acredito na visão holística, que considera o todo, nesta minha jornada. Na saúde, visão holística significa considerar todas as formas de tratamento para buscar a melhora ou cura.

Minha primeira formação, como publicitária, permitiu-me olhar as necessidades humanas como meios de vendas de produtos e serviços. Foi o início de descobertas que foram aumentadas pouco a pouco com especializações e cursos fora da publicidade.

Hoje sou psicanalista, psicopedagoga, instrutora de mindfulness, terapeuta integral e graduanda em nutrição. Anos de aprimoramento para alcançar um entendimento integral das relações entre comportamento e saúde mental e física.

Para resumir minhas atuações, utilizo uma frase minha: consciência e conhecimentos mudam histórias. E para melhor! Esse, creio ser o objetivo de todos nós, como seres em construção.

Nesse processo profissional das percepções do ser humano, foco em psique, comportamento, formas de aprendizagem e dificuldades, comunicação e expressão.

Resumindo minhas experiências, pelas capacitações, além da psicanálise, da psicopedagogia e da terapia integral:

— Mindfulness pelo IPq do HCFMUSP (Faculdade da Universidade de São Paulo);

— Reabilitação neuropsicológica em adulto e idoso — Albert Einstein;

— TAC em ambiente hospitalar, pelo IPq do HCFMUSP (Escola de Excelência);

— PENNSA – Programa especializado em neuroaprendizagem;

— Pós-graduação em nutrição neuropsiquiátrica, farmacologia aplicada à nutrição e outras.

Nossas experiências, quando acolhidas e bem interpretadas, são fontes de liberdade, em vez de obstáculos. Quando temos consciência das necessidades de mudança e rumamos em direção aos objetivos, refazemos e ressignificamos o passado, abrindo as portas para um futuro todo, que nos aguarda a qualquer tempo. Bem-vindos a este espaço!

Email: [email protected]
Site: conectarecorpoemente.com.br
Instagram: @nutricao_maisconsciente