Autoconhecimento Espiritualidade Relacionamentos

Trono do Amor

Mãos em formato de coração em frente ao pôr do sol.
123RF/lzflzf
Claudia Regina Pinto

Dentro das Leis Divinas e Universais, dos Divinos Pai e Mãe Criadores, é o regente do sentido do Amor Divino, a da Concepção da Vida em todos os sentidos. Como todo trono é regido também por duas energias duais, opostas mas totalmente complementares, sendo uma masculina e uma feminina, uma positiva e outra negativa, diz muito de nós, que somos frutos de uma relação de um homem com uma mulher (Espiritual e Terrenos) Deus e Deusa, Pai e Mãe, tendo em nossa composição de EU SOU a energia dupla, recebida por DNA da nossa raiz. Sendo assim, o trono do Amor vem nos ensinar a aprendermos a amar as nossas dualidades e nossas partes e polaridades, que nos trazem também e inclusive nossa parte Amor e Ódio, Luz e Sombra, Bem e Mal, Feminino e Masculino, e isso é o perfeito equilíbrio de duas forças, para vivenciarmos o AMOR, aquele que transcende a dualidade e integra no TODO.

Nas filosofias e culturas antigas, mas que permanecem vivas até hoje, é concebido que todo ser vivo é feito de Energia, sendo o Amor uma fonte de energia de maior potência para a sobrevivência, e nós recebemos em VIDA a condição de experienciar o Amor, em sua forma mais ampla e divinal, do que a que concebemos em nossas relações, que na maioria das vezes estão permeadas por condições, trocas e barganhas emocionais. O verdadeiro amor, este enviado do(a) Divino(a) Criador(a) para sua própria arte, o humano, está muito além das condições impostas para amar, simplesmente é livre, por isso incondicional, este Amor Divinal coexiste sem pedir nada em troca, sem impor nenhum acordo, é livre, abundante e nos faz prosperar.

Nas culturas africanas, gregorianas, egípticas, romanas, assim como algumas vertentes religiosas, como no caso da umbanda, do candomblé e outras, existem referências e ritos sagrados às divindades correspondentes e regentes a esse trono do Amor Divinal, para manutenção e renovação constante desse Mistério do Criador, a quem reconhecemos por muitos nomes – GRANDE ESPÍRITO, DEUS, EL SHADDAY, JEOVÁ, JAVEH, etc. São muitos, mas por fim TODOS são um só. Todas as divindades que fazem parte desse TRONO têm manifestação pura das Ordens Divinas do Criador.

Pintura a óleo de deuses, anjos e outras divindades reunidas em um banquete.
“Banquete dos deuses”, Joachim Wtewael, óleo sobre tela.

Não é novidade nenhuma que o amor é um sentimento universal e existem vários deuses que o representam. Para saber mais, dê uma pesquisada neste link: Os deuses do amor pelo mundo.

Aqui quero destacar as 2 divindades, dentro das religiões umbandistas, que é também uma das minhas raízes ancestrais e espirituais, os regentes do Trono do Amor, representado pelas divindades feminina Oxum e masculina Oxumaré, em que Oxum atua na vida dos seres, estimulando os sentimentos de amor, fraternidade e união, enquanto Oxumaré simboliza a renovação desses sentimentos, quando entram em desequilíbrio.

Você também pode gostar

Oxum é a “Mãe da Concepção”, pois estimula a união matrimonial. Como Trono Mineral, favorece a conquista da riqueza espiritual e da abundância material. Está presente na linha do Conhecimento, pois sua energia cria a “atração” entre as células vegetais carregadas de elementos minerais. É a força dos rios. A Mãe da água doce e Rainha das cachoeiras. É o orixá da prosperidade e da riqueza interior. É a renovação contínua em todos os aspectos e em todos os sentidos da vida. Em seu Mistério Sagrado atua na Kundalini e no equilíbrio da energia sexual. Orixá do sucesso e prosperidade, sempre clamado em casos onde seja necessário diluir as uniões negativadas e renovar as uniões embasadas no verdadeiro amor. É a renovação do amor na vida dos seres. Divindade da alegria, é um grande curador e sempre se apresenta com a presença das cobras, serpentes.

Quando temos dificuldades em nossa vida nas relações afetivas da ordem do Amor, podemos ter algumas ações para harmonizar e equilibrar:

Mãos de uma pessoa com as palmas unidas para cima, em sinal de oração.
Foto de Ave Calvar Martinez no Pexels

1 – Pedir auxílio. Muitas vezes temos um problema, e nossa arrogância não nos permite sermos humildes.

2 –Conectar-se com DEUS, indo direto à fonte e aprendendo sobre Suas leis, ou dirigindo-se às divindades enviadas por Ele, para chegar à mesma fonte. Ou seja, a ORAÇÃO é o caminho do Amor.

3 – Olhar para sua relação com sua Mãe e seu Pai da Terra. Se tiver qualquer situação mal resolvida, de todo tipo de ordem, abundância, prosperidade e relações afetivas serão impactadas e trarão desequilíbrios para sua vida, em todos os sentidos.

Olhar para sua vida e observar como este tema anda reverberando em você, em suas escolhas e seus desafios é um passo importante para o desenvolvimento do amor-próprio, da autoestima, da afetividade e amorosidade, tudo começa por VOCÊ e já está dentro, simplesmente, por VOCÊ ser uma OBRA DE ARTE do(a) CRIADOR(A), do Deus (Pai) e Deusa (Mãe) Divina, do Pai e da Mãe concedidos pelos Divinos, para te acolher na Terra.

Sobre o autor

Claudia Regina Pinto

Claudia Regina Pinto

Formada em Psicologia, com Pós-Graduação em Psicodrama, MBA Gestão Pessoas. Formação como Terapeuta Holística com ênfase na Alquimia (florais Sistema Joel Aleixo), Cromoterapia, Reflexologia, Argila terapia, Mestre em Reiki, Taróloga. Atendimento Clínico, Educacional e Organizacional com desenvolvimento de Lideranças e Palestras.

Contato:

E-mail: [email protected] |

Facebook: Claudia Regina
Youtube: VozàVoz