Convivendo

Você acha que é o centro do mundo? Deixe de viver numa bolha

Beauty luxury blonde woman with and mirror. Attractive young woman in beautiful dress sitting in front of a large mirror, to primp
Amanda Magliaro
Escrito por Amanda Magliaro

Talvez essa frase reflita bem sobre aquele seu conhecido que acha que o mundo gira ao redor dele. Mas, você já parou para pensar que de vez em quando também age da mesma forma? Ou melhor dizendo, já parou para perceber que você vive numa bolha?

A sua bolha é o seu pequeno mundinho, é aquele lugar em que o antropocentrismo se faz valer e onde você vive a maior parte do tempo. Ela é aquela parte dentro de você que se preocupa com seu bem-estar, aparência, carreira e prazer pessoal.

Teoricamente, essa bolha parece ser algo benéfico ao ser humano, como uma chance de se conectar consigo mesmo, mas ela também tem seus malefícios, desde o apreço excessivo por segurança até aquele estágio que tudo que acontece ao seu redor se torna algo pessoal. Por exemplo:

  • No seu mundo, quando alguém expressa uma opinião diferente da sua, você tende a levar isso como uma ofensa, como uma declaração de guerra à sua pessoa, sendo que, na verdade, o outro só está explicando uma ideia dele, nada a ver com você.
  • No seu mundo, você fica extremamente apegado ao conforto e a segurança, muitas vezes prejudicando a sua saúde, como quando não come direito ou não pratica atividade física.
  • Às vezes, até no seu mundo, a insegurança reina. O medo dos outros não gostarem do seu jeito ou aparência é algo que normalmente dificulta os seus relacionamentos.
  • No seu confortável mundo, você tem medo de arriscar e, consequentemente, fracassar. O que, apesar de te manter numa zona segura, te afasta de novos horizontes e, principalmente, dos seus sonhos.
  • No seu mundo, você quer que as pessoas ajam de uma determinada forma, e quando isso não acontece fica irritado ou decepcionado.
Como estourar essa bolha

Mentally sick woman with schizophrenia in hospital Uma vez que você tenha reconhecido os sinais, o ideal é que estoure essa bolha antes que ela se torne a sua mais nova prisão. O primeiro passo é perceber que existem outros mundos além do seu. Ouça as pessoas ao seu redor, compartilhe das suas dores e alegrias, tente melhorar o dia de alguém, seja ajudando uma senhora a atravessar a rua, contando uma boa piada para quem está triste, ou simplesmente dando um abraço num amigo desamparado, todos sabem que a intenção é o que importa.

Agora, num âmbito mais pessoal, invista em você: deixe a preguiça de lado e adote hábitos saudáveis; livre-se do seu medo e arrisque mais, não desista dos seus sonhos por ser um covarde ao achar que não tem força o suficiente para isso, porque, sinceramente, você é capaz.

O segredo para estourar a bolha se encontra na sua capacidade de atrelar a sua vida — e o seu mundo — a um propósito maior, como a sua própria saúde, seus objetivos de vida, e por que não ao mundo de outras pessoas?

Você pode até não expor, mas com certeza tem seus momentos em que se sente o centro do mundo. Porém, ao trabalhar isso, você descobre que nem tudo que as pessoas falam é para te atingir, e principalmente: que o mundo não gira ao seu redor, mas que você gira em torno do mundo.

Em geral, o importante é não deixar que esses momentos antropocêntricos virem rotina, já que ao aceitar que o mundo é um complexo infinito de bolhas você tem a incrível chance de observar a beleza de cada uma.

Sobre o autor

Amanda Magliaro

Amanda Magliaro

Redatora e tradutora, me apaixonei pela vida desde que aprendi a enxergar tudo o que ela tem para oferecer. Existem aquelas pessoas que nunca conseguiram encontrar seu caminho, até o próprio caminho decidir ir ao seu encontro, eu fui uma delas.

Num mundo cheio de possibilidades, escolhi acolher todas quando comecei a escrever. A busca por ser alguém melhor e mais feliz, e a chance de poder auxiliar uma pessoa que seja através da magia das palavras é o que significa para mim ter meu sonho se realizando todos os dias.