Autoconhecimento Comportamento

Você vive na escassez?

Mulher sentada apoiando seu queixo em suas mãos olhando através da janela para o céu
Cristian Rojas / Pexels / Canva
Escrito por Andrea Pavlo

Estou fazendo mudanças no meu trabalho e na maneira de atender. Depois que me formei como psicóloga, acabei adotando o modelo de atendimento e me apeguei de tal forma que não conseguia mudar. Mas o mundo mudou, eu mudei, e então por que manter um tipo de atendimento que não está mais funcionando nem para mim nem para os outros? 

Fui conversar com uma amiga, e ela me disse “Ah! Mas toma cuidado, porque senão você não vai garantir o cliente”. Fiquei com essa frase reverberando na minha cabeça. Concordei com ela na hora, e confesso que essa frase poderia ter saído da minha boca a qualquer momento. Antes. Mas agora ela me incomodou. Me passou uma ideia de querer prender alguém ao meu atendimento, e eu não quero e nunca quis isso. Não sou mais uma psicóloga seguindo as regras, eu transformei o meu atendimento num emaranhado de técnicas que dão bons resultados. As pessoas realmente mudam as suas vidas, e por que eu não estou conseguindo mudar isso? 

Depois de muito pensar entendi: crença na escassez. A “maledeta” da crença que encontramos escondida nas nossas mentes pequeninhas ao longo de muitos e muitos anos. Uma crença negativa e destruidora de mudanças e, principalmente, do fluxo da prosperidade. 

Se eu preciso “garantir” o cliente, não estou confiando no meu trabalho. Se eu não acreditar que, quando aquele cliente melhorar, ele vai embora, e virão outros, eu não estou acreditando em mim e na minha capacidade. Eu estou presa à ideia de que existem poucas pessoas que vão querer os meus serviços e que, quando essa pessoa chegar, preciso me apegar a ela. Isso só falando no meu trabalho. 

Agora, imagine isso em todo o resto da vida. Eu me apego a um relacionamento ruim porque eu acho que não terá nada além daquilo, que ninguém mais vai me querer. Eu me apego a um salário e um emprego ruins porque “Ah! Trabalho tá difícil, né?”. Eu me apego a um lugar do qual eu não gosto porque… e se for pior lá fora? A crença na escassez e na falta está por trás de tudo isso. 

Eu brinco que, se todas as mulheres que eu atendo e que têm medo de terminar debaixo do viaduto realmente fossem para lá, não haveria mais viadutos no Brasil sem uma ex-cliente minha. E, graças às deusas, não tem nenhuminha nessa situação. A nossa crença é que os recursos são finitos e que precisamos ralar muito para ter o nosso quinhão. E infelizmente essa é uma crença cultural e social muito forte. 

Várias pessoas segurando com suas mãos terra com pequenas mudas de plantas simbolizando a prosperidade de um novo ciclo
Cecilie_Arcurs / Getty Images Signature / Canva

Como nos manter escravos? Contando mentiras. Conhece o porquê de o mito da manga com leite fazer mal? Para que os escravos do engenho não comessem a fruta com o leite e, assim, “gastassem” demais os recursos dos donos de escravos. Como essa crença, muitas foram colocadas. 

O dinheiro, por exemplo. Há muitos anos que os governos não têm lastro para a moeda. O lastro era, no começo, uma quantidade em ouro que um banco precisava ter para garantir as moedas em circulação. Quando se entendeu que o dinheiro não é uma coisa, e sim energia, isso caiu por terra. Hoje o dinheiro nem é físico mais, é um cartão, um QR code, está num número na sua conta, e só. Então ele é como uma semente que plantamos – investimento – e que dá frutos. Se eu investir dez reais numa caixa de balas e vender por 20 eu fiz um dinheiro novo, que não existia até aquele momento. Isso é a energia do dinheiro. 

Cliente são assim, em qualquer área. Quantas mulheres que você conhece que poderiam se beneficiar dos meus serviços? Que poderiam transformar a vida, melhorar tudo e ainda ser felizes independentemente de idade, casamento, profissão? Pois é, infinitas. Com certeza, mais do que eu poderia atender numa vida. Então por que ficar presa nisso? 

Você também pode gostar

Essa é uma ficha importante e que me fez mudar um monte de coisas com a minha clientela. E que está funcionando superbem e trazendo novas e felizes possibilidades. E prosperidade e abundância, que é o mais importante. Agora vou ao mercado, comprar delícias para lotar a minha geladeira de coisas gostosas e fresquinhas. E trazer flores de corte para o vaso lindo que tenho na sala. E ficar aqui, no fluxo da prosperidade. Sem escassez. 

Sobre o autor

Andrea Pavlo

Psicoterapeuta holística, taróloga e numeróloga, comecei minhas explorações sobre espiritualidade e autoconhecimento aos 11 anos. Estudei psicologia, publicidade, artes, coaching e outros assuntos de várias outras áreas que passam pelo desenvolvimento humano, usando várias técnicas para ajudar as mulheres a se amarem e alcançarem uma vida de deusa. Mãe da Nina, de quatro patas, gosto de viajar, ler e sempre continuar estudando.

E-mail: contato@andreapavlo.com