Espiritualidade

7 diferenças entre religião e espiritualidade

Muitas pessoas confundem religião com espiritualidade. Apesar de estarem conectadas, acabam trazendo significados distintos. É possível seguir um caminho espiritual sem se apoiar na religião, assim como é viável ser religioso e não se aprofundar no mundo espiritual. Entretanto, são vivências diferentes, assim como se juntar as duas coisas, torna-se uma experiência totalmente nova.

Muitos dizem que não é certo debater sobre religião e, dependendo do contexto, realmente não é algo favorável, mas é importante falar sobre essas diferenças. Às vezes, uma pessoa que se diz religiosa está mais para espiritual e o contrário também é verdadeiro. Para entender mais sobre o assunto, acompanhe-nos na leitura até o final.

O que é religião?

A palavra religião é de origem latina e existe desde o século XIII. Vem do termo relegere, que, traduzida para o nosso vocabulário, quer dizer: reler, revisitar ou retomar documentos religiosos. Todavia, há pessoas que acreditam que essa palavra, na verdade, vem do verbo religare, que quer dizer: religar, atar ou apertar. Nessa tradução, que para muitos é taxada como romântica, religião é uma maneira de o ser humano se conectar ao divino.

A religiosidade é baseada em tradições, culturas, rituais e crenças ligadas a algo poderoso ou sobrenatural. Geralmente é atrelada a um certo grupo ou instituição, que segue a linha de pensamento de uma divindade, sendo influenciado por suas ações e atitudes. Em sua maioria, adotam uma escritura sagrada, que dita leis, princípios morais e estilo de vida.

Menina fazendo um formato de coração com as mãos olhando para o pôr do sol
Hassanouajbir/ 123RF

Normalmente é definida por meio das nossas convivências familiares e sociais, pois o contato próximo e recorrente com alguns grupos nos faz adquirir traços das características de cada um, formando, assim, nossos gostos e costumes.

O que é espiritualidade?

Segundo a etimologia, a palavra espiritualidade vem do latim spiritus ou spirituali, que quer dizer: ar, coragem, respiração, sopro e vigor. Isso significa que é a conexão e vivência com algo maior que si mesmo, além da coragem de acreditar naquilo que não é visível aos olhos e busca incessante pela plenitude naquilo que se acredita.

Simplificando, está associada a propósito. Pessoas que têm a espiritualidade aflorada estão sempre em busca de entender qual é o seu propósito de vida e qual o sentido de estarem na Terra. Para auxiliar nessa busca, conectam-se a uma religião ou simplesmente tentam achar a resposta no cotidiano, nas coisas simples da vida.

Pessoas apegadas ao espiritual estão ligadas a palavras de ânimo, como amor, conexão, essência e fé. Isso porque são palavras-base para qualquer tipo de crença, além de ser a chave do caminho para conseguir se reconectar consigo mesmo.

As diferenças entre religião e espiritualidade

Mulher de olhos fechadas com suas mãos juntas
Brett Sayles/Pexels

A religião está associada a práticas de rituais e hábitos. Sua maior característica é a existência de uma autoridade ou escritura maior que auxilia o que deve ou não fazer. Um exemplo disso é a Bíblia utilizada pelos cristãos a fim de ouvirem a voz de Deus.

Já a espiritualidade é o encontro e busca consigo mesmo, com sua essência. Isso quer dizer que por trás do corpo físico, há uma pessoa que quer descobrir quem ela é e o que veio fazer no mundo.

Apesar de os caminhos estarem relacionados a uma busca, que tem como objetivo alcançar algo maior ou sanar frequentes dúvidas individuais, a religião acaba se pautando por uma busca tradicional, onde possui um método único de doutrina. Diferentemente acontece com a espiritualidade, que pode ser encontrada na natureza, em si mesmo ou em coisas inimagináveis.

Ateísmo x espiritualidade

Pessoas que adotam o ateísmo não acreditam que possa existir divindades ou um ser superior que rege tudo e todos. Para se embasar em suas argumentações, eles se utilizam da filosofia, sociologia e história como forma de defender o que não acreditam. Confiam na ciência e nos mistérios por trás da humanidade, além de preferir acreditar em comprovações em vez de um ser dividido.

Você também pode gostar

Já a espiritualidade não necessariamente obriga a acreditar em um ser divino para mantê-la aquecida e acesa. É a busca por razões, mas não precisam ser científicas. Cada indivíduo, com base em suas vivências, acaba definindo no que se agarrar. Pode ser na natureza, nos sentimentos, em energias… Enfim, naquilo que fizer mais sentido a ele.

Espiritualidade e saúde

A crença em uma força superior e no propósito de que há um motivo para permanecermos na Terra pode ser benéficos à saúde. Isso porque a espiritualidade ajuda a combater doenças emocionais, como amargura, estresse, raiva e depressão. Também colabora para o aumento da qualidade de vida, pois auxilia no combate de doenças cardíacas, melhora a alimentação e contribui para que o indivíduo tenha menos tendências a se viciar em algo, como no tabagismo e álcool. Além disso, pesquisas apontam que a espiritualidade pode amenizar doenças crônicas, como, por exemplo, a aids ou o câncer.

A principal vertente da fé em situações como essa é acender as esperanças do enfermo no tratamento, fazendo com que ele siga corretamente as recomendações médicas. Para pacientes que estão hospitalizados, a espiritualidade pode ajudar a diminuir o tempo de internação. Nesse quesito, a medicina atrelada à crença pode fazer toda a diferença.

Casal de mulheres de mãos dadas
Anna Shvets/Pexels

Para quem crê, a fé torna tudo mais fácil. Pessoas ligadas à espiritualidade acabam sendo mais felizes e esperançosas, pois acreditam que não estão sozinhas no mundo e que algo ou alguém zela por elas. São fortes, corajosas e destemidas, não se deixando levar facilmente pelas adversidades da vida.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br