Comportamento Convivendo

A ilusão do poder

Homem com roupas sociais e expressão séria com braços musculosos desenhados atrás de sua figura.
Aleksandr Khakimullin / 123RF
Paulo Tavarez
Escrito por Paulo Tavarez

O que move o ser humano? Seria a libido, como postula Sigmund Freud? Quem sabe um sentido pra vida, como ensina Viktor Frankl? Talvez até o poder, como defende Alfred Adler?

Acredito que um pouco de tudo isso, principalmente o poder.

É da natureza humana disputar espaço, marcar território e lutar para estar no comando. Talvez sejam traços da sua natureza animal, quando estagiou em experiências que precedem a condição humana. O fato é que a busca por poder ainda é o principal combustível da dinâmica que envolve o ser.

O homem quer ter poder sobre os outros, quer possuir, mandar no outro, tratá-lo até, ser for permitido, como uma propriedade, isso é instintivo, talvez seja, de fato, um hábito gregário, alguma inclinação ancestral.

Ele não entendeu ainda (talvez demore milênios em alguns casos) que toda inflação de personalidade é acompanhada por uma deflação ou, como dizia o mestre Jesus: “Aquele que se eleva será rebaixado”.

Isso quer dizer que a própria natureza, por meio de suas leis cármicas, cria mecanismos de ajustes no desenvolvimento da Consciência. Com isso, percebem-se pessoas plantando arrogância, orgulho, vaidade e colhendo humilhações.

Dois homens apostando dinheiro em uma luta de quebra de braço, sobre uma mesa.
Foto de Gratisography no Pexels

Quem vive uma vida de sofrimento precisa entender que está diante de um processo educativo, em que toda ideia equivocada de poder e força, que criou uma personalidade inflada de importância, deverá ser desconstruída no mesmo terreno em que foi plantada: o terreno da experiência corpo-mente.

Portanto, meu caro amigo, entenda: quanto mais profundas forem as suas pegadas, mais você irá sofrer para apagá-las.

Não existe nada que atrapalhe mais o processo evolutivo do que o poder.

Você também pode gostar

A beleza empresta um poder gigantesco, a riqueza da mesma forma, o sucesso e a fama também, enfim todo aquele que estiver diante de uma experiência dessas precisa estar ciente dos riscos que corre.

Existe, sim, um mecanismo compensatório nessa Roda de Samsara: aqueles que hoje são ricos e poderosos e fizeram mau uso dessa oportunidade terão que passar pelo ajuste natural de consciência vivendo na miséria e mendicância.

Entendem agora o que Buda queria nos mostrar quando disse que devemos seguir o caminho do meio?

Estátua do busto de Buda vista ao pôr do sol.
Foto de Aleksandar Pasaric no Pexels

O homem precisa perder o interesse pelo mundo para conseguir transcendê-lo, pois de outra forma estará preso nesta Matrix.

Está na hora de todos entenderem que o verdadeiro poder vem com a humildade. Ninguém fere, atinge, afeta ou machuca uma pessoa humilde, não se pode humilhar uma pessoa humilde, isso é impossível, pois pessoas assim não se importam com avaliações externas, não se preocupam com aprovações, portanto não transferem o seu poder para o outro.

Pessoas humilháveis, afetáveis, assim por diante (estou ciente de que essas palavras não existem), são aquelas que são arrogantes, vaidosas, orgulhosas e apegadas à própria imagem.

Humildes são aqueles que se elevam em todos os sentidos, pois estão em sintonia com a própria Natureza (Deus).

Sobre o autor

Paulo Tavarez

Paulo Tavarez

Instrutor de yoga, pedagogo, escritor, palestrante, terapeuta holístico e compositor. Toda a minha vida tem sido dedicada à construção de um mundo melhor.

Celular: (11) 94074-1972
E-mail: [email protected]
Facebook: /paulo.hanuman
Instagram: @paulo.tavarez
Site: paulotavarez.com