Autoconhecimento

A luz no lado sombra

Mulher de olhos fechados em um campo aberto
1231RF/iakovenko
Malu Brandão Moura

Triste realidade? A escuridão é ruim? Depende! Depende… Às vezes precisamos nos perder para que possamos nos achar. Parece meio louco ou no mínimo ilógico – compreensível essa perspectiva –, mas deixemos a racionalidade um pouco de lado para dar espaço a outras possibilidades, consegue? Então venha comigo, prometo não estender excessivamente esta leitura.

Todos nós temos momentos, digamos, meio sombrios, no mínimo tristes; daqueles momentos em que algo deu errado e a rejeição falou um pouco mais alto, o senso de incapacidade veio à tona, o projeto desenhado não se concretizou, o relacionamento findou, um ente querido desencarnou. São diversas possibilidades, uma diversidade de causas das mais simples às mais complexas, que nos deslocam da superfície ao fundo do poço; e, por mais incrível que pareça, isso ocorre na velocidade da luz e é muito mais comum do que a grande maioria das pessoas possa imaginar.

Mulher sentada no chão em frente ao sofá com a mão no rosto segurando seus joelhos
123RF/ TORWAI Suebsri

Isso tudo foi apenas uma introdução para lhe dizer que você é normal, que passar por isso é comum e que você não está nem precisa ficar sozinho. Isolar-se quase nunca é a melhor opção; a conexão com você mesmo para promover o autoconhecimento, sim. Sabemos que essa é a maior das desculpas, pode acontecer em meio a uma multidão. A meditação pode ocorrer tanto no barulho quanto no silêncio, enfim, esse relacionamento com você mesmo não depende de afastar-se das pessoas, inclusive, peço licença para lhe dizer que essa atitude, além de ser muito egoísta com você mesmo, também é bastante egoísta com as pessoas que nos amam e nos querem bem. Isso é duro, eu sei, mas é importante assumirmos e reconhecermos. Isso nos faz evoluir.

Tenho escrito muito sobre o amor, não apenas por ser o sentimento mais sublime do universo, mas também por ser algo que ultrapassa nossa racionalidade limitada. Costumo dizer que o amor nos salva de nós mesmos, que ele nutre nossa alma e nos conecta com algo maior que nós mesmos, um “negócio” que eu denominei “profundezas da eternidade”, um termo para algo completamente abstrato, mas que traz essa ideia de ir além de tudo e qualquer coisa que nossa racionalidade possa alcançar.

Homem olhando para montanhas em sua frente
Tim Marshall/Unsplash

Nós homens, sapiens, buscamos encontrar explicações para tudo, colocamos lógica em qualquer coisa e nos protegemos daquilo que nos traz desconforto. Importante ressaltar que essa última afirmação é para aqueles que dizem que não planejam e não se preocupam com o futuro, blá-blá-blá. Isso também é racionalizar e, inclusive, planejar. Muitas vezes essas pessoas gastam mais energia focando na desorganização da vida do que as outras que organizam demais. Pensem comigo: esse discurso de deixar fluir consegue ser 100%? Se você trabalha, mesmo que com uma rotina mais flexível ou sendo seu próprio chefe, há contas a pagar, que exigem disciplina. É duro, amigos. A realidade é dura. Todos nós possuímos traços de controle, muitos não gostariam, outros quase não os possuem. O fato é que nossa sociedade nos impôs uma lógica de vida que nos exige atenção para determinados pontos, a fim de conseguirmos sobreviver. Sendo assim, precisamos desconstruir certas verdades para interagirmos com o nosso propósito. E então, faz sentido?

Nós temos uma tendência a matar coisas dentro de nós por julgarmos que o certo é o errado. Acabamos não nos enxergando, deixando de lado nossa essência por repugnar certas características observadas no outro ou em nós mesmos. Perdemos tempo, muito tempo, insistindo em desistir de nós por causa de coisas, pessoas, dinheiro. Ao desistir de nós, entramos em um círculo vicioso e passamos a desacreditar dos nossos potenciais, tornando-nos então meros coadjuvantes da nossa própria existência. Para quê? Para ser do contra; rebelar-se, sim, muitas vezes; ou para ser certinho, exemplo, padrão. Ditamos coisas abomináveis, nos maltratamos e vamos deixando de lado princípios e valores, sem perceber o quanto aquilo representa o nosso caráter e tudo que realmente importa. Chegamos a enxergar apenas a nossa verdade e assim passamos a não olhar o outro que nos ama e que nós amamos. Vamos perdendo tempo julgando e buscando a perfeição, cada um do seu jeito. Quando olhamos para a frente, perdemos contato, perdemos a conexão, o tempo passou e aí não dá para rebobinar a fita.

Mulher olhando para janela
Diego San/ Unsplash

O que fazer agora? Com a ausência da essência e/ou com a ausência da presença?

Precisamos parar um pouco, respirar. Na dúvida, sempre respire, respire profundamente, perceba seu corpo, o quanto você é capaz de fazer o que quiser. Aí respire mais um pouco, perdoe-se. Errar é natural. Preencha esse sentimento pela vontade de melhorar. Então respire mais um pouco e deixe essa parte desnecessária morrer para que renasça e viva plenamente.

Você também pode gostar

O seu lado sombra sempre vai existir, esse lado que te puxa para baixo, sabota, afasta de quem ama, te leva ao autojulgamento. Aceite-o, abrace-o, visualize um jeito saudável de lidar com ele. Deixe-o te proteger, quando assim for necessário. Acolha-o, mas não o deixe no comando. Perceba, você pode comandar, é você quem está à frente de tudo. Levante a cabeça e siga firme no propósito. Essa força aí dentro precisa ser utilizada. Sinta-a e aproveite-a!

Toda experiência tem um lado bom, absorva e agregue. Seu lado sombra pode ser seu melhor amigo, só depende de você.

Sobre o autor

Malu Brandão Moura

Malu Brandão Moura

Administradora (UFBA) e contadora (Uneb) como formação, sempre atuei na área financeira/controladoria (desde 2006), perpassando por empresas de portes diversos, em sua maioria multinacionais, atingindo então o atual cargo como gestora. Durante todo esse tempo, como espírita praticante, palestrante e estudiosa das questões imateriais, apaixonei-me pelo universo espiritualista e busquei o autoconhecimento como aprimoramento pessoal e ferramenta para melhorar minhas relações interpessoais, exercendo a empatia e, consequentemente, a vontade de ajudar o próximo a desvendar seus processos existenciais. Debrucei-me, então, na transpessoalidade desde a vertente holística até a prática terapêutica, buscando compartilhar ferramentas aprendidas na formação em terapia transpessoal sistêmica (Núcleo Jordan Campos/Unibahia) e, assim, desbravar o universo transpessoal do indivíduo. Hoje, especialista em constelações familiares, sistêmicas e organizacionais e habilitada para atuar com terapia regressiva, energética (reikiana nível III nas linhas usui e tibetano), floralterapia e iridologia comportamental e clínica, busco o desenvolvimento como profissional, objetivando transformar a vida de outras pessoas, direcionando-a a uma existência mais leve e feliz.

Contatos

Email: [email protected]
Instagram: @terapeutaemacao