Autoconhecimento Jardinagem

Jardinagem como forma de terapia

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Talvez você ainda não saiba, mas a horticultura é uma terapia de resultados expressivos para pessoas com diferentes patologias ou, até mesmo, para as que somente buscam um momento de meditação e relaxamento.

A terapia horticultural, apesar do nome pouco divulgado, nada mais é que a jardinagem usada como meio terapêutico. A hortiterapia, horticultura ou terapia horticultural, é uma técnica utilizada como tratamento há séculos e tem benefícios reconhecidos, de acordo com a Associação Americana de Terapia Horticultural. Mas foi no século 19, com a primeira publicação sobre a técnica, produzida pelo psiquiatra norte-americano Dr. Benjamin Rush, que ela passou a ser mais divulgada.

Mexer na terra, plantar sementes, cultivar diferentes espécies de flores, podar arbustos, entre outras atividades relacionadas à jardinagem, vão muito além de deixar um ambiente mais bonito, pois fazem muito bem à saúde mental do ser humano. Os benefícios são diversos: desenvolver novas habilidades, estimular a memória, estimular a socialização (caso o momento seja dividido com outras pessoas), fortalecer músculos superiores etc.

A prática da jardinagem também traz outros aprendizados benéficos muito importantes, como ensinar a resolver problemas e tomar decisões. Além disso, cultivar um jardim reduz o estresse, faz com que a pessoa seja mais paciente e aumenta os momentos de reflexão. Sem falar na possibilidade de pacientes com determinadas patologias perceberem que o que colhemos é fruto do que plantamos, ou seja, nossas ações geram consequências.

Por estes e tantos outros motivos, a jardinagem pode ser uma forte aliada no tratamento de pessoas com depressão, esquizofrenia, autismo, entre outras patologias. Também pode ser uma terapia complementar para pacientes com doenças terminais e que precisem de momentos que os ajudem a se sentir melhores, mais calmos e felizes.

Esta terapia também é indicada para pessoas sem qualquer patologia, mas que desejem um momento de relaxamento, meditação e reflexão. Pessoas que morem em cidades grandes podem, particularmente, perceber grandes resultados, pois suas vidas são trilhadas ao redor de muito concreto, pouco verde, muita correria e vários momentos de tensão. Aliás, vale dizer que os momentos para relaxar, meditar e refletir surgem tanto da pratica da jardinagem quando ao apreciar um belo jardim.

Para as crianças, a horticultura também traz inúmeros benefícios. Pode ser uma ótima alternativa para crianças hiperativas ou com problema de atenção, ou para qualquer criança, pois é uma oportunidade de estar em contato com a natureza e de ensinar aos pequenos algumas noções de vida e responsabilidade ao deixá-los responsáveis por parte do jardim, ao ensiná-los sobre equilíbrio ambiental e ao utilizar recursos recicláveis (garrafa PET como vaso, por exemplo).

As sensações de prazer e orgulho sentidas ao obter resultados práticos também devem ser mencionadas. Imagine um pequeno animal fazer de uma das plantas que você cultivou seu lar, abelhas buscarem o pólen das suas flores, você buscar alimentos nas espécies que plantou no jardim e na horta. São sensações únicas e que, com certeza, contribuem para o bem-estar de uma pessoa.

Ao cuidar de um jardim ou horta, você não só estará trabalhando seu corpo e sua mente, como também estará tornando o mundo um local melhor, mais sustentável e saudável para todas as pessoas.


Texto escrito por Giovanna Frugis da Equipe Eu Sem Fronteiras


Você também pode gostar de outro artigo desta autora. Acesse: Regando a vida e a alma!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]