Autoconhecimento

Ano Novo – Quando vejo os fogos de artifício sinto o Universo me honrando

Anna Maria Oliveira
Escrito por Anna Maria Oliveira

Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento sob os céus…” – Eclesiastes.

As festas de final de ano invocam sentimentos, reflexões, angústia, pânico, memórias lindas e outras nem tanto, para muitas pessoas há leves processos de depressão.

Atividades tradicionais da época, cardápios para a festa, crenças, férias… Tudo acontece em um ritmo, às vezes, frenético.

Nos últimos anos, eu tenho reverenciado o simples sentir!

Mulher loira, sorridente em meio de um campo, segurando uma vela que solta faíscas.

Gosto de fazer um balanço do ano, reconhecer as conquistas, os desafios vividos, a maturidade mais ampliada.

A cada ano me sinto melhor, mais cheia de vida, criando projetos, colocando os sonhos em ação, feliz por conhecer muitas pessoas, partilhar experiências e conhecimentos.
Há alguns anos, eu fui vítima de um sequestro relâmpago, na iminência de ser morta, vi a minha vida passar como um filme na mente. Foi a noite de domingo mais assustadora e terrível vivida.
Naquelas horas, eu só conseguia sentir que não era hora de deixar a vida física, que algo aconteceria e de alguma forma eu sairia daquela situação.

E tudo ficou bem, durante um mês deixei de sair à noite, não tive medo e passei a ficar mais atenta ao movimento de pessoas onde quer que eu esteja, a qualquer hora do dia.

Então, aquele domingo de abril… Foi o meu Ano Novo!

Eu renasci para mim mesma!

Sempre me pergunto: o que realmente significa o Ano Novo para mim?

Grupo de amigos, dois homens e uma mulher, sorridentes em uma festa, segurando velas que soltam faíscas acesas e segurando taças de champanhe.

Um momento de reflexão, de autoconhecimento, de celebrar as conquistas e os desafios da vida, de honrar tudo o que realizei e o que não realizei.

Quando vejo os fogos de artifício, à meia-noite, sinto que o universo está me honrando, me parabenizando pela minha determinação e coragem de ser quem eu sou, trazendo de presente mais doze meses para refinar, burilar e forjar a mim mesma.

Gosto de fazer meditações mais longas, ficar quieta, entrar dentro de mim e depois estar com a família e amigos.

Eu me lembro da minha avó paterna, Ana Cândida, cândida mesmo!

Ela meditava duas horas antes da meia-noite, no quarto, sozinha. A família gigantesca respeitava e a ceia só acontecia quando ela entrava serena na sala de estar, olhando para todos e pedindo que bebêssemos um pouquinho da água benzida, trazida em uma jarra simples.

Ano Novo é alegria, felicidade, gratidão, honra à vida! É todo dia, quando acordamos inspirados, mesmo com os desafios diários!

Ano novo não é um calendário novo!

Ano novo é uma energia que pulsa, vibra e motiva o ser espiritual que somos!

Mulher vestida de branco, sentada em uma pedra de frente para o mar, meditando.

Vivemos na fisicalidade, honrar a matéria, os bens materiais, a prosperidade e a abundância faz parte do processo espiritual, assim como as celebrações, os encontros, as trocas de sonhos, esperanças e desejos futuros.

Deixo a proposta de celebramos a Vida e o Ano Novo, com simplicidade, gratidão, paz e amor! Por nós, pelos outros e pelo mundo, em todos os dias do ano!

Dicas para celebrar o Ano Novo:

  • Limpe a casa, as gavetas e os armários;
  • Doe o que não usa mais;
  • Mantenha um vaso, com uma planta que goste, em um local especial;
  • Use a criatividade para decorar a casa;
  • Consuma frutas, legumes e verduras;
  • Ouça músicas que elevem a sua energia;
  • Crie um quadro ou cartaz simbolizando os seus desejos para 2019, algo claro e realizável;
  • Tome um banho de flores ou ervas para deixar o seu espírito mais leve e em paz;
  • Faça o seu mapa astral;
  • Pule as 7 ondas;
  • Coma as sementes de romã… E lentilhas.

E o mais importante: sinta verdadeiramente, pois você é a arquiteta da sua vida, está nas suas mãos fazer tudo o que deseja acontecer!

Um feliz Ano Novo, que seja cheio de autoconhecimento e autoconfiança!

Abraço carinhoso!


Você também pode gostar de outros artigos da autora: A Jornada Interior e a trilha do Guerreiro

Sobre o autor

Anna Maria Oliveira

Anna Maria Oliveira

Atuo como palestrante, consultora, professora formadora na abordagem meditação e yoga lúdico na educação, desenvolvida por mim. Graduada em cursos complementares, como arte contemporânea, xilogravura, educadora brincante, reiki tibetano, técnicas corporais ayurveda, instrutora de yoga na educação com crianças.

Vasta experiência em educação pública e no terceiro setor.

Realizo atendimento individualizado para profissionais da educação, utilizando a abordagem consultoria integrada experiencial.

Fundadora da Academia Confluência, escola de desenvolvimento humano para autogestão.

CONTATOS
E-mail: [email protected]
Site: academiaconfluencia.com.br
Facebook: academiaconfluencia
Instagram: @academiaconfluencia
Linkedin: Anna Maria de Oliveira