Autoconhecimento Constelação Familiar

As constelações, a liberdade e a velhinha

Idosa andando sozinha com o auxílio de uma bengala em um caminho cimentado no meio de uma floresta. É outono, as folhas estão alaranjadas e muitas estão no chão.
Carlos Bruno Freire

Liberdade e autonomia são ideias humanas, não são uma realidade natural. Muitos de nós querem se dizer absolutamente livres e autônomos. Realmente é uma ideia gostosa de se ter. A boca até sorri de canto. Ainda assim, autonomia e liberdade são dogmas quando se trata de nós, homo sapiens. Sim, dogmas – ou seja, aquilo que veio das ideias dos próprios homens, não dá sua natureza propriamente dita.

Campo de flores amarelas com uma mulher de jaqueta de couro, de costas para a câmera. Ela está sozinha e as flores estão na altura de sua cintura.

Nossa espécie se deu bem evolutivamente porque se focou em ser grupo (sua melhor ferramenta). Quem não tem dentes caninos afiados e fortes, quem não corre agilmente na selva, quem não voa e quem precisa de nove longos meses para gestar suas crias e mais outros 6 a 10 anos para preparar serumaninhos resistentes à savana? Quem é tudo isso faz o quê? Faz como?

Já imaginou a trabalheira que daria repor serumaninhos, principalmente numa época em que o indivíduo era mão de obra relevante e significativa para a sobrevivência do grupo todo? Pois é, aquele que não conta com algumas benesses naturais desenvolve outras, não é isso? No nosso caso, entendemos desde há muito tempo que estar em grupo é uma habilidade importante para nos mantermos vivos. Coesão é preciso! É o nosso “órgão biossocial” mais precioso.

Você também pode gostar

Bom, mas se o grupo é tão extraordinário assim para a sobrevivência da espécie sapiens, o que dizer de conceitos como autonomia, não é verdade? Por isso eu disse lá no início que autonomia e liberdade são dogmas, “coisa antinatural”. E isso é mega desagradável de se admitir: não temos autonomia, nós a inventamos. Não temos liberdade, nós também a inventamos.

Em perspectiva, somos seres de grupo (o pessoal mais chique e culto diz: somos gregários, mas dá no mesmo). Aí sim, nos laços, há algo natural que vem de longe, muito longe. Isso de ser grupo nos é tão intrínseco como os pulmões que as baleias usam pra mergulhar há milhares e milhares de anos. Ser vinculado é nossa mais antiga característica, talvez. E esse instrumental segue nos fortalecendo e nos carregou até aqui enquanto espécie.

Há dentro de cada um de nós uma espécie de consciência-arcaica que nos exige reverência a esse povaréu todo que construiu o mundo em que hoje habitamos. Essa consciência-arcaica, contudo, é inconsciente e silenciosa. O que isso significa, na prática? Imagine uma senhorinha surda e muda. Pronto! É a imagem que me vem à mente quando penso em consciência-arcaica. Essa velhinha se comunica conosco não por palavras ou pensamentos. Nosso cérebro não é capaz de pensar ou decodificar o que ela diz. Não, ela não é tão clara assim. Essa velhinha se comunica por outras vias, como linguagem de sinais mesmo.

Ela, por exemplo, nos envia uma dor de cabeça por anos a fio. Ela nos envia uma artrose, um câncer, uma falência, um casamento desajustado e por aí vai. Esse é o jeito meigo de essa senhorinha nos dizer que não estamos sendo tão respeitosos com o passado quanto deveríamos ser.

Pessoas simples sentadas em cadeiras. Todos são bem diferentes, parecem felizes e estão assistindo a algo.

Aquele que respeita seu grupo fica em paz com essa consciência do clã. Quem não reconhece seu lastro sente alguns efeitos na sua vida (tipo o fracasso, a falência e a doença). Se você procura um novo jeito de enxergar a vida, eu indico: conheça a filosofia sistêmica.

Entenda de forma mais ampla que raios esse pensamento sistêmico nos revela. Constelação familiar não é uma terapia, é um estilo de vida, um jeito de ser e estar no mundo. Ela é ampla e não curte o olhar meramente curioso. Ela não quer nada de você nem de mim. Ela fala da vida – da vida como é e ponto.

Sobre o autor

Carlos Bruno Freire

Carlos Bruno Freire

Há 14 anos atrás um processo de transformação consciente tomou forma em minha vida. Atravessava um momento desafiador nessa época e muitos dos caminhos que eu percebia possíveis me levavam para lugares ainda piores.

Eis que me veio um pensamento: se eu partir do pressuposto de que sei exatamente o que fazer, não abro espaço dentro de mim para novas possibilidades.

Então, antes de dormir, em minhas conversas com uma inteligência superior, eu disse que não sabia de mais nada e pedi que um caminho me fosse mostrado. No dia seguinte, acordo e pego meu celular para verificar mensagens, como de costume.

Eis que surge um convite de uma prima com quem eu não falava fazia um tempo dizendo que participaria de uma vivência chamada O CAMINHO DO AMOR.

Oi? Como é mesmo o nome? Eu durmo pedindo uma direção e acordo com um caminho que aponta para o amor? Foi quando o recomeço se deu e o processo de ressignificação começa.

De lá pra cá, cursos, treinamentos, vivências, imersões. E neste movimento todo sigo recolhendo ferramentas e desenvolvendo habilidades que me levam para outros níveis.

Constelação, PNL, Coaching, Eneagrama, Thetahealing, Deeksha, Renascimento.

Hoje eu consigo integrar todas essas competências em processos mais completos, em que o único objetivo é auxiliar o maior número de pessoas em seu processo de desenvolvimento humano e evolução espiritual, de forma integral e sistêmica.

A missão é impactar a vida de toda e qualquer pessoa e possibilitar que cada uma delas consiga atingir o nível mais elevado em todos os setores da própria vida.

Contatos:
Email: [email protected]
Facebook:
Carlos Bruno Freire

Instagram: @carlosbrunofreire