Nutrição

Até que ponto comer pode ser um problema?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Éincalculável o número de pessoas que não se sentem bem com o seu peso e com a sua forma física. É também incalculável o número de pessoas que fazem dietas e depois engordam mais ainda. É sobre dietas que engordam e sobre não ter culpa de comer, que a nutricionista Sophie Deram compartilha experiências e estudos em suas consultas.

Essa “francesa e brasileira”, doutora em Endocrinologia pela Faculdade de Medicina da USP, afirma que as dietas aumentam o estresse do corpo e ainda fazem o cérebro alterar o metabolismo e o apetite, consequentemente a longo prazo, engordamos ainda mais.

O terrorismo nutricional

A nutricionista Sophie Deram atenta que as pessoas acabam se preocupando em classificar e separar os alimentos que são bons ou ruins. E para ela, isso não existe. Não se pode ficar apenas focando nas calorias dos alimentos, diz ela. Hoje as pessoas não sabem o que é comer com prazer. Quando elas comem, comem com culpa e medo. E isso sim, pode ocasionar sérios problemas, como a obesidade.

Então nem sempre uma pessoa que está fora do peso não se alimenta bem. Pode haver outros resquícios que a fazem engordar, até a própria genética. Com tanto acúmulo de informação e diversidade das dietas, as pessoas acabam ficando confusas sem saber definir o que comer e o que de fato o seu corpo precisa.

C shutterstock_83194942-2 omer sem culpa

E é isso que a nutricionista trabalha em seu consultório, comer sem culpa, recuperar a saciedade de comer um alimento e não se culpar por isso. Outro ponto que Sophie esclarece é sobre as dietas sem glúten e sem lactose, que se tornaram um verdadeiro fenômeno. Muitas pessoas estão cortando o glúten ou a lactose, sem necessitarem, apenas pelo fato de que emagrece.

Dessa forma, grande parte da população está confusa e não sabe o que de fato precisa comer. Há um excesso de informação e um mercado que cresce e se aproveita desta situação.

Alimentos menos industrializados e faça a sua própria comida

Sophie Deram defende também que devemos comer alimentos menos industrializados. A sociedade está comendo cada vez mais comida pronta. É claro que esse comportamento é um reflexo de uma população que come mais fora de casa, compra comida pronta e frequenta restaurantes.

Ela alerta que devemos nos conscientizar sobre o que estamos comendo e o que o nosso organismo necessita e lhe faz bem. Respeitar o organismo, perceber quando se está com fome e comer algo de forma consciente. Talvez essa atitude possa ajudar a emagrecer, mas não proibir alimentos. A saciedade por dietas malucas que apenas dão certo em prazo curto, traz muita frustração.

Um novo comportamento alimentar

Grande parte da população não sabe o que é comer com prazer, sentir o gosto do alimento, seu cheiro ou a sua importância para o organismo. Isso porque se come com culpa.

Essa é a grande diferença. Comer sem estresse, ou gula e adotar um novo comportamento alimentar, conhecendo o seu corpo e distinguindo de fato o excesso de informações  que uma indústria de dietas quer vender a cada ano.

Respeite o seu corpo, conheça-o melhor e só assim saberá se alimentar da melhor forma. 

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]