Alimentação consciente Nutrição Sem glúten Sem lactose

Como aproveitar as festas de fim de ano com intolerâncias alimentares

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Quando planejamos uma festa, estamos cada vez mais acostumados em pensar nas pessoas vegetarianas e até mesmo nas veganas, visto que essas opções de dietas têm sido a escolha de uma considerável parcela da população. No entanto, ainda precisamos evoluir muito no quesito alimentação seletiva, principalmente se pensarmos nas pessoas que não adotaram uma dieta restritiva por vontade própria, ideologia ou emagrecimento. Existem muitas pessoas, e um número cada vez maior de descobertas, com restrições a alguns alimentos, seja por intolerância, alergia ou doenças.

O objetivo deste texto é exatamente desmistificar estas restrições e te ajudar a conseguir incluir socialmente pessoas que não podem comer de tudo, mas nem por isso devem ser rotuladas como frescas, chatas ou então deixarem de ser convidadas. As festas de fim de ano estão se aproximando e se queremos celebrar o amor, a generosidade e todas as coisas boas, é preciso ter cada vez mais empatia e pensar em todos.

A primeira grande questão para conseguir entender as intolerâncias alimentares é partir do princípio que existem as intolerâncias, as alergias e as doenças propriamente ditas.

Intolerâncias alimentares 

Acontecem quando a pessoa não consegue digerir determinado alimento e geralmente tem um desconforto em relação a isso. É o que acontece com a intolerância à lactose, por exemplo. Geralmente, após ingerir o açúcar dos lácteos, a pessoa sente um estufamento na barriga, gases e até mesmo pode ter episódios de diarreia. Neste caso, basta usar produtos sem lactose nas receitas em substituição aos normais, eles geralmente não alteram o sabor e a textura dos pratos e estão disponíveis em uma quantidade cada vez maior.

Alergias alimentares 

Aqui o caso fica um pouco mais delicado, pois as alergias, dependendo do nível que afetam a pessoa, podem até levá-la à morte. Por isso, é sempre importante consultar os seus convidados e se certificar de não usar o ingrediente ou de deixar bem claro qual prato tem o alimento com o qual ele não pode ter contato, por exemplo. Ainda usando o exemplo dos lácteos, neste caso o uso de produtos sem lactose não faz a menor diferença, pois não existe alergia à lactose e sim alergia à proteína do leite, devendo cortar qualquer consumo de todos os produtos à base de leite, inclusive os que contém traços (se forem produzidos no mesmo maquinário, por exemplo). E isso vale para diversos alimentos, sendo as alergias mais comuns: leite, camarão, amendoim, pimenta, soja e ovo.

Doenças restritivas 

A última possibilidade de pessoas que possuem restrições alimentares são as que possuem alguma doença que as impede de consumir determinados alimentos. É o caso dos celíacos, por exemplo. Eles não podem de maneira alguma consumir o glúten (a proteína encontrada no trigo, centeio, cevada, malte e aveia), caso contrário, o seu organismo responde com um ataque autoimune, ou seja, contra o seu próprio corpo. A pessoa pode até ser assintomática e não mostrar nenhuma reação no momento, mas a longo prazo ter problemas sérios como desenvolvimento de outras doenças associadas como o câncer e o lúpus, além de uma atrofia nas vilosidades do intestino.

Pois bem, agora que está claro como o assunto é sério, não precisa se desesperar. E, na verdade, essa é a principal dica para qualquer pessoa que vá receber uma pessoa com intolerância alimentar. A primeira dica é: converse, informe-se! Vale pesquisar na internet, mas o indicado principalmente é conversar com o seu convidado. Muitas vezes a solução pode ser muito simples e você nem imagina. Isso porque uma pessoa com intolerância alimentar sabe como ninguém o que ela pode e o que não pode comer, e provavelmente vai te orientar a isso ou então levará algum prato feito por ela ou comprado em local seguro. Em último caso, a pessoa irá para a festa já alimentada, e não se preocupe, pois intolerantes alimentares se acostumam a viver assim, mas obviamente se sentirão ainda mais especiais se você fizer algo que eles possam consumir.

Basicamente, comida de verdade como frutas, verduras e legumes costumam ser bem-aceitas pela maioria dos convidados, então aposte em uma mesa farta destes produtos. Até mesmo carnes não costumam ser alvo de grandes intolerâncias, com exceção do camarão e da carne de porco. Se a festa for grande, com um número alto de pessoas, uma boa sugestão é apostar em plaquinhas em frente aos pratos indicando o nome e se contém algum alergênico. Dessa forma, ninguém precisa ficar incomodando fazendo questionamentos ou avisando o que tem ou não tem glúten, por exemplo.

No caso de intolerâncias graves, como as alergias ou as doenças autoimunes, caso vá preparar algo em casa é necessário um cuidado redobrado, pois mesmo as formas ou a esponja que usa para lavar a louça pode conter resquícios invisíveis que ainda podem afetar seus convidados. Por isso, ressalto novamente: converse e questione! Precaução nunca é demais!

Já se você está do outro lado e é a pessoa que sofre de restrição alimentar, esteja aberto para informar as pessoas e sempre se previna. Levar um prato será muito bem-visto e ainda garante sua noite sem nenhum imprevisto. Se não tiver intimidade e não tiver muitas informações sobre os quitutes que serão servidos, vale muito a pena fazer uma boquinha antes de ir para a festa. De qualquer forma, o foco não deve ser a comida, e sim a diversão. Não é mesmo!?

Lembre-se sempre que o importante é festejar e praticar a empatia nestes dias tão especiais. Assim todos ficam felizes e podem comemorar ao lado das pessoas que amam sem grandes preocupações.

Para te ajudar no preparo dos quitutes para as festas, separamos duas receitas para lá de festivas e que atendem grande parte dos intolerantes alimentares:

Bolacha de Natal sem glúten e lactose

Ingredientes: 

– 1 xícara de farinha de arroz integral;

– 3 colheres de sopa cheias de farinha de amaranto ou amêndoas;

– 3 colheres de sopa rasas de fécula de batata;

– 3 colheres de sopa de açúcar mascavo;

– 1 colher de chá de noz-moscada;

– 2 colheres de chá de canela em pó;

– 1 colher de chá de gengibre em pó;

– 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio;

– 125 gramas de óleo de coco ou manteiga ghee gelados e cortados em cubos;

– 3 colheres de sopa de melado de cana.

Instruções: 

Misture todos os ingredientes secos.

Adicione o óleo de coco e vá misturando com a mão na mistura das farinhas e especiarias, até formar uma farofa grossa.

Misture o melado de cana até bem incorporado.

Não precisa mexer muito, só até formar uma massa lisa e homogênea.

Embale em papel filme e leve para a geladeira por no mínimo meia hora.

Abra a massa, se necessário polvilhe fécula de batata para não grudar quando abrir.

Recorte na forma desejada.

Asse em forno pré-aquecido a 180 graus por uns 10 minutos ou até dourar.

Deixe esfriar sobre uma grade e armazene em pote fechado ou na geladeira.

(Fonte: Lactose Não)

 

Empadão 

Ingredientes: 

– 1 ovo;

– 1 gema;

– ½ colher café sal;

– 2 ½ xícaras farinha sem glúten (3 xícaras de farinha de arroz, 1 xícara de fécula de batata, ½ xícara de polvilho doce);

– 100 g margarina (sem leite).

Instruções: 

Misture todos os ingredientes, exceto a gema, e vá amassando com os dedos a farofa até obter uma massa lisa e uniforme.

Unte uma assadeira e com aproximadamente 3/4 da massa, forre seu fundo e suas laterais.

Coloque o recheio de sua preferência e feche com o restante da massa aberta no rolo.

Pincele com a gema e leve ao forno pré-aquecido até dourar.

(Fonte: Sem Glúten, sem Lactose)

Escrito por Roberta Lopes da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]