Saúde Integral

Benefícios da Quiropraxia

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Algumas dores persistem em aparecer em nosso corpo e muitas vezes não sabemos a real causa pelas quais elas surgem. Ainda que pareça improvável, o problema pode estar relacionado à coluna vertebral, pois qualquer desajuste na região ataca o sistema neuro-músculo-esquelético, trazendo sérios problemas de saúde.

Com a coluna no lugar, é possível manter o equilíbrio do sistema nervoso e todas as funções do corpo estáveis, e com esse intuito foi desenvolvida a técnica chamada de Quiropraxia (do grego keirós: ‘mão’, praxis: ‘atividade’). Criada no século XIX por Daniel David Palmer, a técnica se resume em manobras feitas com as mãos na região da coluna com intuito de reduzir dores e tensões.

Técnica

Essa técnica ainda não é muito popular no Brasil, mas em países como Estados Unidos, Canadá e Austrália, a Quiropraxia já foi incorporada aos sistemas nacionais de saúde. Para realizá-la, é preciso passar por uma formação que dura cinco anos, em curso superior.

Para destravar a coluna são realizadas manobras com as mãos, por meio de puxões e estalos. Depois disso, os músculos são massageados com intuito de relaxar as áreas mais tensas, o alongamento depois desse processo é essencial. Por fim, são realizados movimentos de tração suave, para que a postura seja normalizada.

Consulta

Antes de iniciar o tratamento, o paciente deve passar por uma consulta clínica com algumas perguntas sobre seu histórico de saúde. Depois disso, é realizado um exame de toque na região para descobrir o foco da dor. Geralmente outros exames, como raio X e ressonância magnética, são solicitados para analisar a postura. Com base nos resultados, o especialista consegue passar um tratamento específico de acordo com deficiência do paciente.

Tratamento

A Quiropraxia é indicada para dores nas costas, dor no ombro, torcicolos, hérnia de disco, dor ciática, dor de cabeça e enxaquecas, desequilíbrios posturais, tendinite, bursite, etc.

O tratamento é dividido em três etapas: a primeira consiste em eliminar ou reduzir os sintomas do desalinhamento da coluna, a segunda visa a estabilização e a terceira se resume na manutenção para manter o bem-estar.

No início são necessárias sessões de uma a três vezes por semana. De acordo com a melhora do paciente, a frequência diminui. Mas, para garantir um bom resultado, o ideal são dez sessões, o que raramente acontece, já que o paciente sente melhoria a partir da quarta consulta.

Os especialistas afirmam que mesmo se sentindo melhor, o indicado é manter o tratamento para manutenção, mesmo que com um intervalo maior, como, por exemplo, a cada dois meses.

Mudança de hábitos

O aconselhável é adotar o método durante a fase de crescimento, pois os problemas são mais fáceis de serem tratados, além de poder reverter quadros de desvio de coluna.

As pessoas que sofrem de dores músculo-esqueléticas devem seguir algumas orientações fora do consultório médico, como praticar exercícios pontuais que garantem a flexibilidade e fortalecem as regiões onde surgem as dores, alongamentos diários, além de seguir alguns passos de como sentar, deitar e levantar.


Texto escrito por Natália Nocelli da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]