Energia em Equilíbrio Quiropraxia

A origem da Quiropraxia

Imagem de uma mulher deitada de bruço em uma maca. Ela está sem blusa e com uma toalha branca sobre as suas nádegas. Ela está com umas pedras sobre as suas costas, recebendo um tratamento de quiropraxia. Ao lado do corpo dela, alguns ramos de flores amarelas completam a imagem.
Engin Akyurt / Pixabay
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Cada vez mais as pessoas buscam alternativas para ter mais qualidade de vida e viver mais saudável, de forma a recorrer menos à medicina alopática. Além disso, há um movimento mundial de tomada de consciência corporal, com alternativas que tratam da integralidade do ser humano, abrangendo o corpo, a mente, o espírito e as relações sociais que acontecem por influência dele e do ambiente em que vive. Dessa forma, ele é mais próximo das expectativas de quem busca se distanciar da ideia de que para curar doenças é necessária a química dos medicamentos.

A quiropraxia, por exemplo, é uma das terapias alternativas que compõem a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares do Ministério da Saúde, com o objetivo de garantir a integralidade na atenção à saúde. Além de algumas práticas serem menos onerosas ao Estado, elas foram incluídas porque são reconhecidas mundialmente em seus resultados e porque têm credibilidade nas comunidades.

De um modo simples, por meio das mãos, o quiropraxista (terapeuta que aplica a quiropraxia) aplica movimentos rápidos ou lentos e até com estalos para ajustar nervos, músculos e ossos do indivíduo e gerar o equilíbrio e a retomada das funções normais do organismo. Contudo, apesar da simplicidade, a terapia requer conhecimentos específicos e uma boa prática para garantir os resultados esperados.

Nesse sentido, contribui muito, na hora de recorrer a esse tipo de terapia, conhecer sua origem e sua história para entender os avanços e as principais contribuições que ela vêm gerando ao longo do tempo, bem como refletir sobre porque é tão aceita mundialmente. Então continue a leitura a seguir e perceba que essa técnica relativamente nova tem uma raiz milenar!

De onde vem a quiropraxia

A quiropraxia manipula, entre outras regiões, principalmente a coluna vertebral. Analogamente, na Grécia antiga, Hipócrates e outros médicos faziam o mesmo, cerca de 400 anos antes de Cristo. Além disso, há manuscritos chineses de até 1.500 anos antes de Cristo que também mencionam a manipulação e manobras articulares nos membros inferiores do corpo humano para promover o alívio de dores lombares e outras.

No século XIX, a quiropraxia — inclusive com essa denominação — começou a ser desenvolvida pelo pesquisador canadense e residente nos Estados Unidos Daniel David Palmer, considerado o “pai da quiropraxia”, que, de fato, contribui muito para que ela tivesse as bases que tem hoje.

Atualmente, é a técnica que se dedica a diagnosticar, tratar e prevenir problemas que envolvem articulações, músculos, tendões, ossos, nervos e outras estruturas que influenciam o movimento do corpo, bem como a saúde em geral, valorizando e ampliando o entendimento ancestral, amplamente estudado e modernizado por Palmer.

Um início quase acidental

Em 1895, David Palmer estava em Davenport, no Estado de Iowa, nos Estados Unidos, quando atendeu o funcionário do edifício em que trabalhava, Harvey Lillard, de quase 40 anos, que apresentava uma deficiência auditiva desde os 17 anos de idade. Enquanto examinava Lillard, o pesquisador identificou uma saliência na coluna dele e exerceu uma manobra com estalo numa vértebra, a partir de um empurrão. Assim, teve início a técnica da quiropraxia, como atualmente é conhecida.

Imagem de um senhor de cabelos grisalhos deitado de costas sobre uma maca. Ele está sem camisa e recebe de  uma terapeuta uma sessão de quiropraxia em seu ombro.
Heike Frohnhoff / Pixabay

Contudo, num primeiro momento, quando Lillard comentou que estava percebendo sons e, portanto, havia conseguido uma redução na sua surdez, Palmer, entusiasmado, acreditou ter conseguido a cura para a deficiência. Como era um autodidata, depois de muito estudar e pesquisar, percebeu o equívoco e entendeu a influência que a coluna vertebral exercia sobre outras funções do organismo.

Uma denominação diferente…

O nome quiropraxia foi atribuído por Palmer à técnica somente em 1898, com base no significado dos termos gregos “khiros” e “praktikos”, que respectivamente significam “mão” e “prático”, e que, juntos, dão a ideia do que é basicamente a técnica — “praticada com as mãos” ou “feita manualmente”. Posteriormente foram atribuídos os termos quiroprática e quiropatia, este último já obsoleto.

A partir dessa primeira denominação, também surgiu o termo quiropraxista, atribuído a quem aplica a quiropraxia. Foi adotado ainda, durante algum tempo, o termo quiropata, porém este está totalmente em desuso. Atualmente, o termo específico que define o terapeuta que aplica a técnica é quiropraxista.

A primeira escola de quiropraxia

Daniel David Palmer foi leitor dos principais jornais científicos de sua época, principalmente daqueles que tratavam de fisiologia e anatomia humana. Com excelente conhecimento sobre medicina e saúde, ele fundou a primeira escola de quiropraxia do mundo, a Palmer School of Chiropractic, em 1897, atualmente conhecida como“Palmer Chiropractic College”, em Davenport (Iowa), nos Estados Unidos.

Contudo foi seu filho, Bartlett Joshua Palmer, quem a desenvolveu, criando as bases do que ela é atualmente, minimizando as muitas controvérsias que a quiropraxia gerou no início, quando David Palmer dizia tê-la recebido de outro mundo. Esse comportamento acabou contribuindo para que a prática fosse mal compreendida.

Como a quiropraxia é vista no mundo

Depois de muito estudada e já conhecida sua prática, a quiropraxia foi definida, em 1948, como um “sistema de ajuste dos segmentos da coluna vertebral utilizando somente as mãos para correção das causas das doenças”, classificando-a como filosofia, ciência e arte natural.

Em 1963 foi criado o Conselho Nacional de Examinadores de Quiropraxia (sigla em inglês: NBCE) no intuito de garantir a excelência da profissão. Ele avalia os profissionais, as instituições educacionais de formação dos quiropraxistas e as associações reguladoras da prática nos Estados Unidos até os dias atuais.

Foi em 1966, quando a Associação Médica Americana classificou a quiropraxia como “culto não científico”, dado o posicionamento contrário à prevenção de doenças por meio de vacina adotado por muitos quiropraxistas. Assim sendo, pela falta de adesão às práticas e aos recursos científicos da época, a quiropraxia ficou qualificada dessa forma e permanece até os dias atuais.

Apesar disso, ela tem avançado muito em relação à aceitação pública e, principalmente, vem sendo apoiada pela medicina convencional, que a entende como uma técnica aliada de grande valor para o diagnóstico e o tratamento de problemas do sistema em que atua, contribuindo efetivamente para apoiar os muitos pacientes que conseguem verdadeiros benefícios com ela.

Imagem de uma mulher com os cabelos presos, deitada de costas sobre uma maca forrada com uma toalha na cor branca. Ela está recebendo um tratamento de quiropraxia em suas costas.
Mariolh / Pixabay

Nesse sentido, em países como Estados Unidos, Canadá e alguns das comunidades europeia e asiática, onde a quiropraxia é regulamentada, ela está integrada aos sistemas nacionais de saúde, o que marca um passo importante para que ela seja confirmada como prática científica e deixe de ser caracterizada como “culto não científico”. Outro fator que colabora para essa redefinição é o avanço nos estudos sobre os efeitos da prática, conduzidos por grandes entidades.

Com o objetivo de representar a técnica internacionalmente, em 1988 foi fundada a Federação Mundial de Quiropraxia (sigla em inglês: WFC, de World Foundation Chiropractic), filiada à Organização Mundial da Saúde (OMS). Em 1977, cerca de 70 associações pelo mundo e mais de 100 mil profissionais foram listados pela Federação, a maior parte atuante nos Estados Unidos.

Em 2005, um encontro promovido pela OMS na Lombardia (Itália) criou o documento WHO Guidelines on Basic Training and Safety in Chiropractic (Diretrizes sobre Treinamento Básico e Segurança em Quiropraxia), para a regulamentação da profissão nos países membros, como é o caso do Brasil. Cerca de 150 mil profissionais quiropraxistas atuam no mundo todo, conforme estimativas feitas no ano de 2010.

A quiropraxia no Brasil

No país, a quiropraxia começou em 1924, na cidade de São Paulo, com o estadunidense William F. Fipps, que aqui atuou durante 24 anos. Em 1945, Henry Wilson Young também atuava como quiropraxista, outro estadunidense, que tinha como cliente o fundador do Banco Bamerindus, o Sr. Avelino Vieira. Entusiasmado com os resultados do tratamento a que foi submetido, o banqueiro possibilitou a vinda de um grupo de praticantes e iniciou, em Curitiba, o primeiro curso da técnica no Brasil. Um dos alunos desse curso foi Manuel Matheus de Souza, o primeiro brasileiro a atuar profissionalmente em quiropraxia, em 1980.

Em 1992 foi criada a ABQ (Associação Brasileira de Quiropraxia), reconhecida e filiada à Federação Mundial de Quiropraxia (em inglês, WFC), que conta atualmente com cerca de 1.000 associados de vários estados no país e com cerca de 800 alunos matriculados nas escolas credenciadas que oferecem o curso de formação.

Embora a profissão esteja em vias de regulamentação no Brasil, a ABQ defende que a formação deve seguir os padrões de educação e prática similares àqueles dos demais países no mundo. De nível superior, portanto, com duração entre quatro e seis anos (aproximadamente 5.000 horas de aula) e incluindo no currículo ciências biomédicas, métodos diagnósticos e prática.

Em síntese, a quiropraxia não é uma técnica recente e vem conquistando a simpatia e a credibilidade de um número crescente de pessoas no mundo todo, por adotar uma terapêutica não-invasiva, relativamente barata, com muitos benefícios à saúde e que complementa os tratamentos médicos tradicionais.

Agora que você conhece a história dessa prática, que tal refletir sobre incorporá-la à sua rotina, mesmo sem sentir dor ou algum outro distúrbio? Ela é preventiva e pode contribuir muito para oferecer mais qualidade de vida. Pense sobre isso e cuide do seu bem-estar!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]