Alimentação consciente Educação Nutrição Saúde Integral

Como a alimentação pode ajudar no combate ao transtorno do pânico

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras



Você já deve ter ouvido falar sobre dicas de alimentos que podem te ajudar a perder peso, reduzir inchaço, ajudar na TPM e até mesmo a dar mais ânimo e disposição. Se os alimentos têm o poder de fazer tudo isso, eles também podem te ajudar em questões um pouco mais sérias como combater ou amenizar problemas de saúde.

As vitaminas, nutrientes e minerais presentes nos alimentos são agentes ligados à forma como nosso corpo funciona e isso se estende também para a nossa mente. Problemas de ansiedade, depressão e transtorno do pânico podem ter grandes aliados através da sua alimentação. Nesse texto, vamos falar sobre dicas de como se alimentar para combater o transtorno do pânico.

Caso você sofra deste mal, ou conheça alguém que sofra, fique atento às dicas de alimentação a seguir. Nutrir seu corpo da forma correta pode te causar benefícios gigantescos.

Evite:

– Cafeína

Essa substância presente em chás e bebidas energéticas, além do café, pode ser um fator decisivo para desencadear uma crise de pânico. Isso porque ela é extremamente estimulante e pode acionar partes do cérebro que não são indicadas. Cabe a você avaliar a quantidade desta substância que não te prejudica. No geral, beber uma xícara de café diariamente é a dose máxima recomendada.

– Açúcar

Por mais que doces pareçam acalmar, eles te dão uma descarga de energia súbita e depois fazem este pico descer rapidamente e chegar até o limiar da depressão. Evite alimentos ricos em açúcares sempre que puder. Muitas comidas industrializadas, mesmo salgadas, ou sucos, contêm grandes doses deste grupo de alimentos. Assim como a cafeína, é preciso atenção, caso contrário você pode viver uma montanha russa de emoções sem fim e nem se dar conta da causa disso tudo.

– Álcool

Usado frequentemente como válvula de escape, o álcool também dá uma sensação de conforto quando ingerido, porém, em seguida, já sente-se necessidade de aumentar o consumo. O álcool mexe com níveis muito altos dos neurotransmissores de seu cérebro e uma pessoa com síndrome do pânico pode não saber como lidar com estas mudanças. Sempre que possível, fique longe deste velado vilão.

Consuma:

– Água

A hidratação é uma importante aliada para o bom funcionamento do organismo. Quando estamos hidratados, as chances de qualquer confusão mental diminuem. O ideal é ingerir ao menos dois litros de água diariamente. Adquira este hábito!

– Ovos

Apesar de já ter sido vendido como grande vilão, hoje em dia estudos mostram que os ovos são uma importante fonte de nutrientes para os mais diversos fins. A gema é rica em colina, uma substância primordial para a formação e manutenção de neurotransmissores.

– Alimentos ricos em Ômega, 3, 6 e 9

Estes nutrientes são responsáveis por grande parte da saúde dos impulsos cerebrais. Consuma, sempre que possível, peixes, azeite, oleaginosas, gergelim, linhaça e óleo de coco.

– Alimentos que contenham magnésio

Mineral importante para o coração e o cérebro. Consuma doses diárias de oleaginosas (um punhado), arroz integral, aveia, sementes de abóbora e girassol.


Escrito por Ricardo Sturk da equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]