Nutrição

14 alimentos que prejudicam a pele

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

A pele é um cartão de visitas. A primeira preocupação são as espinhas. Elas surgem na puberdade, por volta dos 10 anos. Nesta fase, a produção de hormônios dispara. O primeiro sinal das famigeradas espinhas é o aumento da oleosidade. A impressão que dá é que elas aparecem do nada. Principalmente em ocasiões importantes. As danadas sempre dão o ar da “graça” no dia de uma festa. Ou então, quando se tem um encontro romântico. A origem é no folículo, local onde nascem os pêlos e glândulas. Quando os poros se fecham, devido ao excesso de óleo, a gordura fica armazenada nos folículos.

As manchas e cicatrizes, em alguns casos são irreversíveis. Os dermatologistas recomendam que os cuidados com a pele devem começar na adolescência. Os retinóides são um dos medicamentos utilizados. A exposição ao sol pode fragilizar ainda mais a pele. Por isso, o protetor solar entra nos rituais de cuidados com a pele. Vale ressaltar que seu uso é para vida toda.

Rugas: elas também preocupam. Comprometem o visual e mostram que não somos mais tão jovens. As rugas dinâmicas popularmente conhecidas como “pés de galinha” podem surgir aos 25 anos. Aos 28, as rugas estáticas já estão ao redor dos olhos. Estas são visíveis até mesmo quando não estamos sorrindo.

A redução de gordura na “maçã no rosto”, geralmente ocorre aos 28 anos. O “bigode chinês” (sulco naso-geniano) tem início aos 30 anos. Nesta idade também aparecem as rugas entre as sobrancelhas, intensificadas quando franzimos o cenho. Aos 35 aparecem as rugas ao redor dos lábios, chamadas de “código-de-barras”, entretanto, o tabagismo adianta em 10 anos. Nesta mesma idade, as primeiras rugas surgem na testa.  A flacidez nas bochechas, que culmina na perda do contorno do rosto, dando o aspecto de rosto cansado e a queda das pálpebras superiores começa aos 40. O vinco nos cantos da boca ou “boca-do-ventríloco” surge aos 40 anos. O estreitamento do lábio superior, linhas e flacidez no pescoço começam a partir dos 45.

Mas, alguns fatores adiantam ou retardam o início das rugas:

  • Pele mais clara
  • Pele seca
  • Grau de oleosidade
  • Exposição ao sol sem proteção
  • Pessoas com histórico de rugas e flacidez facial na família
  • Alimentação

O mercado de cosméticos faciais é vasto. Todos os dias surgem produtos milagrosos. E caros, muito caros. Os blogs e revistas especializadas em beleza são bíblias para quem deseja exibir uma pele de bebê. Contudo, nada adianta usar cremes caríssimos se a alimentação é deficiente. Os quatro alimentos que apresentaremos fazem imenso mal a pele. Será que eles estão em seu cardápio?

1. Doces

É difícil encontrar quem não adore doces. Após devorar um chocolate vem uma sensação de bem-estar. Mas, se você sempre leva um docinho na bolsa ou não deixa faltar guloseimas em casa, saiba que está fazendo mal a sua pele.

Consumir doces exageradamente estimula a glicação.

A glicação é uma reação entre uma proteína e um carboidrato, como a glicose, por exemplo. Neste processo não há ação controladora de uma enzima. A glicação ocorre devagar e afeta células nervosas e proteínas de longa duração como o colágeno. As fibras da proteína ficam inflexíveis e não conseguem ser renovadas. A exposição ao sol sem proteção potencializa os efeitos da glicação.

O colágeno é fundamental para a saúde da pele, cabelos e músculos. A maioria dos tecidos é formada por esta proteína. O colágeno deixa a pele uniforme e os músculos firmes. A glicação causa doenças vasculares em diabéticos. Aumenta o nível de proteínas no cristalino, o que pode causar catarata.

2. Bebidas alcoólicas

O álcool etílico está presente na maioria das bebidas. Quando consumido em excesso compromete o fígado. O órgão não consegue expelir as toxinas. Após beber demais a sede parece não ter fim. É o cérebro pedindo água para o restante do corpo se recuperar. A bebedeira faz muito mal a pele. Ela fica desidratada e perde o brilho. Isso acontece porque o organismo precisa trabalhar para metabolizar o que foi ingerido. Metabolizar é o processo no qual o corpo separa o que é bom do que não é. Para metabolizar cada molécula de álcool são necessárias nove moléculas de água.

Para facilitar as coisas, vamos analisar bebidas que muita gente gosta. O vinho, champanhe e o processo possuem 14% de álcool cada uma. O corpo precisa de uma taça e meia de água para metabolizar o álcool. Caipirinha possui 20% de álcool cada. São necessários dois copos de água. A popular cerveja possui entre 4,5 e 5,5% de álcool. Para metabolizá-la é preciso apenas meio copo de água.

As bebidas destiladas têm maior concentração de álcool. A vodka tem entre 35 e 50% de álcool. O uísque tem 40%. Entretanto, a forma de produção pode aumentar significativamente o nível de álcool. Para cada dose de vodka ou uísque são necessários quatro copos de água. O organismo não dá conta de metabolizar tudo isso. A água contida nos tecidos passa a fazer este trabalho de recuperação. Isso faz a pele perder hidratação, consequentemente, mais ressecada. Cabelos e unhas também sofrem com isso.

Moderação é a palavra-chave. Não há problemas em uma taça de vinho, ou em uma cervejinha. O problema é quando a ressaca torna-se um estado permanente. Especialistas relatam que 12 doses por semana (duas por dia) não trazem prejuízos. Uma latinha de cerveja ou uma taça de vinho tem aproximadamente 10 gramas de álcool. Após beber, reforce a ingestão de líquidos, principalmente água de coco, pois, hidrata a pele.

3. Cafeína

Assim como qualquer outro diurético, a cafeína diminui a umidade corporal. O consumo excessivo (mais de quatro xícaras por dia) causa perda de vitaminas e minerais. O exagero eleva o nível de cortisol. A endocrinologista Alessandra Rascovski explica que ele regula a pressão arterial e reduz a queima calórica em situações perigosas. O exagero está relacionado a doenças dermatológicas como a psoríase, cujas características são lesões avermelhadas e descamativas.

4. Alimentos congelados

shutterstock_138061871

Eles são muito práticos. Hambúrguer, nuggets e pizzas sempre salvam quando não falta tempo ou habilidade para cozinhar. Entretanto, a praticidade em um preço. Os alimentos congelados são ricos em sódio. A substância libera hormônios que provocam retenção de líquido e inchaço. O fosfato também presente nos congelados acelera o envelhecimento da pele. As comidas não precisam ser eliminadas do cardápio. O problema está no exagero. Prefira comidas caseiras, elas são mais saudáveis e baratas.

5. Refrigerantes

Um refrigerante geladinho é muito refrescante. Porém, nas 150 calorias da bebida estão presentes entre 30 e 55mg de cafeína, corantes e conservantes. As versões sem açúcar não se salvam. Elas contêm alta concentração de aspartame, substância que pode causar ataques de ansiedade, compulsão alimentar, hiperatividade, insônia e TPM. Os refrigerantes (com ou sem açúcar) possuem sódio o que leva à retenção de líquidos. A presença do fosfato deixa a pele sensível. O surgimento de espinhas, enfraquecimento geral da pele e músculos são os malefícios. Evite ao máximo os refrigerantes.

6. Frituras

É sempre bom evitá-las. O óleo quente transforma as propriedades do alimento. A gordura eleva os riscos de doenças cardiovasculares e deixam a pele muito oleosa, com maior tendência a ter acne. Quem possui pele oleosa tem mais um motivo para ficar longe delas. Prefira alimentos grelhados.

7. Sorvete

A gordura hidrogenada está relacionada à celulite, estrias e espinhas. Os sorvetes de massa e picolés cremosos com chocolate crocante possuem muito açúcar, gorduras trans, corantes e saborizantes artificiais. Se não conseguir abrir mão de um sorvetinho nos dias quentes, escolha um à base de frutas, principalmente de limão, maracujá e abacaxi. O iogurte frozen também é uma ótima escolha, ele tem menos gordura.

8. Chocolate

O chocolate branco não pode ser chamado dessa forma. Ele não tem a pasta do cacau. A maior concentração de açúcar e gordura faz deste “chocolate” mais calórico. O chocolate meio amargo é mais saudável, mas, ele também possui gordura. Por isso, prefira a versão amarga. Comer apenas no fim de semana não fará mal. A quantidade ideal é 20 gramas.

9. Carboidratos

Pesquisa australiana associa carboidratos refinados à acne. Alimentos como arroz e pão branco são digeridos rapidamente e vão para a corrente sanguínea. Os carboidratos complexos são digeridos lentamente. Maçã, pêra, banana, lentilhas grão de bico, arroz e pães integras e cereais como linhaça, aveia, quinoa (sempre nas versões integrais) são exemplos de alimentos carboidratos complexos.

10. Laticínios

Iogurtes, leite, queijo amarelo, doce de leite e leite condensado integrais são ricos em gordura. Estes alimentos aumentam a oleosidade da pele. Prefira as versões desnatadas e sem lactose. O cálcio contido nesses alimentos também pode ser encontrado no brócolis, couve flor, nozes, castanhas e pistache.

11. Comida apimentada

As mulheres na menopausa devem evitar. A pimenta dilata os vasos sanguíneos, isso mancha o rosto, consequentemente, deixa a pele menos jovem.

12. Carne processada

Salsicha, bacon, presunto, mortadela. As carnes processadas são ricas em sódio. A substância é responsável pela retenção de líquidos. Elas podem ser consumidas, mas, com muita moderação;

13. Carne vermelha

shutterstock_219734833

Cortes gordos como a picanha, costela e acém precisam ser evitados. Esses cortes geram radicais livres que buscam elétrons de células saudáveis. A pele para de produzir colágeno. Nutricionistas aconselham a escolher patinho, lagarto e maminha.

14. Carne Carbonizada

Muita gente adora a casquinha preta do churrasco. Mas, ela tem hidrocarbonetos pró-inflamatórios. Eles quebram o colágeno, sem a proteína, a pele fica flácida. Não precisa excluir o churrasco, só tenha o cuidado de tirar a parte queimada.

O ditado “você é o que você come” faz muito sentido. Pessoas que se alimentam de forma saudável, são mais dispostas e a pele é naturalmente bonita Em compensação, os adeptos do fast food, doces, refrigerantes e bebidas alcoólicas envelhecem mais rápido.  Portanto, antes de investir fortunas em cremes e até mesmo cirurgias plásticas, avalie seu cardápio. Um sanduíche e um chocolate de vez em quando não fazem mal.

A receita é encontrar equilíbrio.

Se você pensar bem, fazer escolhas saudáveis não é tão difícil quanto parece. Tudo o que precisamos para manter nossa pele saudável está perto de nós. O betacaroteno, substância que o organismo converte em vitamina A é encontrado no leite, nos ovos e na sardinha. O ômega 3 ajuda a recuperar peles ressecadas. Atum, salmão e bacalhau são fontes de ômega 3.

A vitamina C protege a pele dos raios ultravioleta, ajuda na cicatrização e aumenta produção de colágeno. Frutas cítricas, brócolis, tomates e pimentões são fontes de vitamina C. A vitamina E impede a deterioração das células, fator que determina o envelhecimento da pele. Nozes, castanha do Pará e vegetais de folhas verdes escuras são ricas nesta vitamina. O cobre, mineral que fortalece o colágeno é encontrado no grão-de-bico, nozes, lentilha e carne. Inserir o mineral na alimentação combate a flacidez.

Todos os alimentos apresentados são facilmente encontrados. Ou seja, quem alega falta de tempo, ou coloca qualquer outro obstáculo, na verdade está inventando uma desculpa. Muitas pessoas gastam tempo pesquisando novos cremes, tratamentos estéticos e cirurgias plásticas e dinheiro para ter tudo isso, mas, não encontram tempo para comprar verduras, legumes, cereais e demais alimentos saudáveis.

Reveja seus conceitos. Cremes e tratamento estéticos, isoladamente não fazem milagres. Uma pele bonita é consequência de hábitos saudáveis. Uma alimentação balanceada deve ter início ainda na infância. Os pais são importantes nesta tarefa, entretanto, nunca é tarde para mudar os hábitos alimentares.

Entretanto, os alimentos não são os únicos aliados da pele. Beber dois litros de água diariamente mantém a hidratação da pele e elimina toxinas. Tomar banho muito quente faz mal. Este hábito reduz o manto hidrolipídico, a proteção natural da pele. A escolha do sabonete também é importante. Escolha as versões sem sulfatos, que removem a gordura natural da pele.

Associar alimentação saudável e rotinas de cuidados faciais é a receita para uma pele bonita. Estes cuidados incluem: higienização, esfoliação, tonificação, hidratação e proteção/prevenção.

Se o seu cardápio tem apenas os alimentos que citamos, leia este artigo quantas vezes forem necessárias. Se você precisar disso para mudar sua rotina, que assim seja. O importante é mudar, sempre para melhor.


  • Escrito por Sumaia Santana da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]