Saúde Integral

O que você precisa saber sobre a Síndrome do Pânico

Portrait of sad woman in black sweater
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Medo inexplicável e repentino que paralisa e dá a sensação de morte imediata. Talvez isto seja a única coisa que muitas pessoas saibam sobre Síndrome do Pânico que foi reconhecida como transtorno psicológico em 1980.

Existem algumas discussões sobre o assunto, mas, os transtornos emocionais ainda não têm a atenção que merecem. O problema está tão perto de nós, que você já pode ter presenciado uma crise, ou então, ter tido uma…  Reunimos aqui coisas que você precisa saber sobre a Síndrome do Pânico, para você ajudar alguém, ou então, se ajudar…

Atinge 4% da população brasileira

Mulheres adolescentes e na faixa dos 35 aos 40 são a maioria. Entretanto, o transtorno também é observado em idosos e crianças.

Está relacionado à falha de comunicação entre neurônios

A ciência admite a possibilidade de hereditariedade. Alterações no cérebro também é outro fator que causa a Síndrome do Pânico. Nos indivíduos com a doença há uma falha de comunicação entre os neurônios. Esta falha leva a uma pane no cérebro e atividades como pensar, respirar, andar, entre outras, ficam comprometidas. Acidentes, assaltos, sequestros e até medicamentos podem prejudicar a comunicação entre os neurônios.

Existência de sintomas físicos

Sudorese, tremores, calafrios, dores no peito, na cabeça e batimentos cardíacos acelerados são alguns dos sintomas. Por conta disso, o transtorno é muito confundido com doenças cardíacas.

Pode desencadear agorafobia

No início do transtorno é comum o indivíduo associar a crise com a atividade que desempenhava no momento. Se a pessoa estava no cinema, por exemplo, ela deixa de ir ao cinema. Com a demora em procurar tratamento, as crises são associadas com outras tarefas e a pessoa se isola em casa, pois, assim, não estará em contato com o “perigo”.

As mulheres procuram ajuda mais cedo

Segundo a Academia Paulista de Psicologia, elas procuram orientação médica assim que identificam o problema. Os homens buscam tratamento tardiamente.

Terapias e medicamentos fazem parte do tratamento

Quem é diagnosticado com Síndrome do Pânico toma remédios tarja preta. O tratamento medicamentoso é usado por um curto periodo, para não causar dependência.

Cada caso é um caso e uma pessoa pode precisar mais de terapia, enquanto outra precisa mais de medicação, explica o psiquiatra Felipe Corchs do Programa de Ansiedade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Alimentação balanceada, exercícios e meditação ajudam

Para Corchs “tudo o que é saudável ajuda no tratamento psiquiátrico”. Portanto, invista em alimentação balanceada, exercícios e meditação. A vitamina B6 age na produção dos neurotransmissores serotonina (responsável pelo bom humor) e epinefrina (estimulante cardíaco). A vitamina B9 também age na produção da serotonina. Salmão, banana, ameixa são fontes de vitamina B6. Brócolis, amendoim e fígado bovino são ricos em vitamina B9. Já os exercícios físicos estimulam a produção de serotonina e a meditação colabora com o autoconhecimento.

Precisamos falar mais, saber mais sobre a Síndrome do Pânico e outros transtornos mentais. Se alguém próximo ou você ficou paralisado de medo, procure ajuda médica.


Texto escrito por Sumaia de Santana Salgado da Equipe Eu Sem Fronteiras 

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]