Convivendo Maternidade Consciente

Como preparar o pet para a chegada do bebê

Overhead view of a German Shepherd Dog Kissing a 6 month old baby as she holds his face and pets him.
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Você que sempre se considerou uma verdadeira mãe de cachorro (ou gato) pois mimava o bichinho dia e noite e tem uma relação inseparável com ele? Agora você vai se tornar mãe de um bebê e não sabe o que fazer? É normal que dúvidas e inseguranças brotem na sua cabeça, afinal você já viu tantos casos por aí de problemas e leu tanto sobre o assunto que ficou assustada. Mas calma, fique tranquila, a chegada de um bebê nessa relação pode ser completamente feliz e sem grandes transtornos.

Siga as dicas que relacionamos abaixo e aproveite o amor das duas criaturinhas que mais lhe trarão felicidade na vida, seu pet e seu bebê:

  •  O bicho sente que as mudanças começaram acontecer, então alguns comportamentos dele podem mudar. Não estranhe, é só a natureza se adaptando à nova condição.
  • Não se afaste ou se torne negligente com o bichinho por conta da gravidez. É comprovado que nenhum animal sadio pode passar qualquer tipo de doença para uma gestante, não há porque mudar sua relação com ele.
  • Se possível, faça com que alguém da casa se aproxime do pet. Depois que o neném nascer você se ausentará por um período da convivência contínua com ele, então ele precisará de um novo companheiro.
  • Se o animal costuma ter comportamentos agressivos ou arredios é necessário levá-lo o quanto antes a um adestrador, caso contrário, transtornos serão inevitáveis.
  • Mudanças de atitude esperadas após a chegada do bebê devem ser feitas gradativamente assim que a notícia da gravidez for recebida. Fazer com que o pet pare de dormir na cama do casal, por exemplo, leva tempo e diversas estratégias.
  • Quando o bebê nascer, mas ainda estiver na maternidade, o ideal é deixar uma roupinha com o cheiro dele para casa e de preferência deixá-la próximo ao pet. Dessa forma ele pode se acostumar com o odor do bebê antecipadamente.
  • Nos primeiros dias do bebê em casa não o “apresente” para o bichinho. Deixe que ele se acostume com o cheiro e os sons feitos pela criança. Só depois de uma semana faça o encontro dos dois e sempre fique atento ao comportamento.

Se estes cuidados forem tomados, a relação entre bebê e seu bichinho de estimação tende a ser extremamente positiva e benéfica. É provado cientificamente que uma criança que cresce com um animal tende a ser mais feliz e a desenvolver noções mais fortes de amor, cuidado e respeito.


Texto escrito por Roberta Lopes da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]