Saúde Integral

Cuidado, nova geração: os fones de ouvido podem fazer muito mal!

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Hoje, é muito comum ver pessoas usando fones de ouvido no transporte público, enquanto andam nas ruas, no ambiente de trabalho, durante o estudo ou em qualquer outra situação que permita o uso desse objeto. Porém nem todos sabem os enormes riscos à saúde que esses simples fones podem causar.

Com o tempo, o uso contínuo dos fones de ouvido com músicas ou podcasts em volumes mais altos do que o permitido pode danificar sua audição; e o pior: os danos são permanentes.

Pois é. Por mais gostoso que seja mergulhar de cabeça nas sensações que uma música bem alta possa trazer, você pode ter consequências bem sérias no futuro graças a essa atitude; e não é um futuro tão distante assim.

Em média, os danos à saúde do ouvido causados pelos fones aparecem entre cinco e dez anos depois do início do uso. O indivíduo passa a perder a qualidade auditiva, deteriorando sua capacidade de ouvir. Os danos são permanentes e não há nenhum tratamento que possa reverter à situação – a não ser o uso de aparelhos auditivos.

De acordo com um artigo publicado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o limite seguro de som para o ouvido é de 80 decibéis. Segundo a especialista em saúde do ouvido Tanit Sanchez, os sons advindos dos fones de ouvido ultrapassam muito esse valor. Portanto, devem ser usados com o volume até a metade para que a audição não seja prejudicada.

Uma boa dica para conseguir perceber se está ou não ouvindo num volume adequado é reparar se você consegue ouvir os sons ao seu redor enquanto escuta música. Você nunca deve ouvir sons pelo fone de ouvido em volume tão alto a ponto de não conseguir escutar mais nada.

Além da deterioração da audição, ouvir músicas pelo fone em volumes extremos também pode causar zumbidos. É claro que não problemas auditivos não são somente culpa dos fones de ouvido. Afinal, a poluição sonora das cidades, a má alimentação, excesso de café, muito estresse e tantos outros fatores também contribuem.

Mas fato é que a incidência de zumbidos e outros problemas auditivos vêm aumentando, principalmente nos adolescentes e jovens, por conta dos aparelhos sonoros.

Para amenizar os problemas causados pelos fones, vale prestar atenção em algumas ações que podem ser feitas e que ajudam o corpo a se defender desse mau trato:

Descanse o ouvido: sempre que você ficar exposto muito tempo a sons altos, dedique algumas horas do dia seguinte (ou do mesmo dia) para repousar em um local silencioso.

Diminua o café: se você tem o costume de beber muito café durante o dia, vale diminuir um pouco a quantidade – isso fará bem não só para a saúde auditiva, mas para todo o seu corpo. O ideal é consumir apenas uma xícara por dia.

Higiene dos ouvidos: tome banho normalmente, mas evite as hastes flexíveis. O ideal é limpar os ouvidos com a ponta da toalha e sem aplicar muita força.

Compense: se você sabe que hoje irá para alguma balada, por exemplo, tente não usar os fones de ouvido – ou não use no dia seguinte à casa noturna. O mesmo vale para profissionais de obras e boates, para que os ouvidos possam descansar.

Também é importante prestar atenção no tempo de exposição ao som: se você está ouvindo sons até 80 dB (decibéis), não há qualquer risco; se o som estiver a mais de 85 dB, escute-o por até 8 horas. Se estiver a mais de 90 dB (barulho do ônibus e metrô, por exemplo), por até 4 horas; mais de 95 dB (secador de cabelo), por até 2 horas; 100 dB (liquidificador e batedeira, por exemplo), 1 hora; 105 dB (obras), 30 minutos; 110 dB, 15 minutos; 115 dB (rojão, casas noturnas, shows), até 7 minutos apenas.

Se você ultrapassar o tempo permitido dos decibéis, lembre-se de descansar bastante seus ouvidos (em torno de 4 a 8 horas) e de colocar em prática as dicas acima.


Escrito por Giovanna Frugis da equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]