Saúde Integral

Depressão pós-parto não é frescura

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Adepressão pós-parto ocorre após o nascimento do bebê e afeta principalmente mães entre 19 a 60 anos, sendo extremamente comum – são contabilizados mais de dois milhões de casos por ano. A depressão pós-parto tem tratamento e muitas vezes é possível identificar a mãe que tem possibilidade de desenvolver esse tipo de depressão, durante ou antes da gravidez.

Acontece na maior parte das vezes devido a alterações hormonais após o término da gravidez.
Muitas mães acabam sentindo sintomas da depressão com maior intensidade podendo o quadro de depressão se tornar um quadro de psicose pós-parto. Estudos indicam que a depressão pós-parto pode afetar não só as mães advindas da maternidade como também os pais.

Diversos fatores influenciam na depressão pós-parto, o estresse emocional, o cansaço físico e as mudanças hormonais. Mulheres que já tiveram caso de depressão ou síndrome do pânico devem ser observadas e acompanhadas por médicos pois tendem a ter mais facilmente depressão pós-parto.

vector illustration of Mother and baby in tears

Alguns sintomas são bem visíveis, como irritabilidade, mudança constante de humor, ansiedade, ataque cardíaco, pânico, sentimento de culpa, insônia, choro, irritabilidade,  medo, ganho ou perda de peso, entre outros.

Lembrando que esse tipo de depressão é muito comum e pode durar dias, meses ou até mais caso não seja tratado. O tratamento é feito através de terapia hormonal ou aconselhamentos com o acompanhamento de um psiquiatra.


Texto escrito por Giulia Maquiaveli da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]