Autoconhecimento Comportamento

Sintomas de depressão pós parto

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Você sabia que no Brasil, em cada quatro mulheres, mais de uma delas apresenta sintomas de depressão no período de 6 a 18 meses após o nascimento do filho? Essa constatação foi feita a partir de um estudo de 2012 chamado “Factors Associated with Postpartum Depressive Symptomatology in Brazil: The Birth in Brazil National Research Study”, conduzido pela pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, da Fiocruz (RJ), Mariza Theme.

Mas, quando falamos em depressão pós-parto, o que vem à sua cabeça? Esse, que é um assunto cada vez mais comentado, reúne características específicas que devem ser observadas e tratadas com a devida atenção. Afinal não só as mulheres que passam por esse distúrbio precisam estar atentas como também aqueles que estão ao redor delas.

Pensando nisso, o EuSemFronteiras resolveu reunir os principais sintomas da depressão pós-parto a fim de conscientizar a todos!

Imagem do rosto de uma mulher. Ela está depressiva e segura o rosto com as duas mãos.
Imagem de Ulrike Mai por Pixabay

O que é depressão pós-parto?

A depressão pós-parto (DDP) é uma condição de desespero, profunda tristeza e até falta de esperança que acontece logo após o parto. Em muitos casos a mãe pode não reconhecer a criança que gerou como filho(a), a falta de liberdade que ela perde por causa da maternidade é repensada, além da restrição de se fazer o que gosta e até de perder o sono que aparece de forma recorrente em seus pensamentos.

Esse tipo de depressão pode estar associado a fatores emocionais, qualidade e estilo de vida, fatores físicos como sedentarismo, além de ter ligação, também, com o histórico de outros problemas e transtornos mentais, incluindo quadros de depressão prévia. A principal causa, no entanto, é o desequilíbrio hormonal, que acontece por causa do fim da gestação.

Outros fatores que podem causar ou ajudar a provocar a depressão pós-parto:

– Alimentação inadequada;
– Privação de sono;
– Isolamento;
– Falta de suporte e apoio familiar;
– Histórico de transtorno pré-menstrual;
– Infertilidade;
– Estresse e ansiedade intensa;
– Hipertensão;
– Diabetes;
– Aborto ou perda gestacional;
– Falta de planejamento da gravidez;
– Transtorno bipolar;
– Vício em álcool ou em outras drogas.

Ainda segundo a pesquisa sobre fatores associados à depressão pós-parto no Brasil, citada no início do texto, qualquer mulher pode desenvolver a depressão pós-parto, porém a prevalência maior é nas mulheres que tiveram antecedentes de transtorno mental (inclusive depressão), naquelas com maior vulnerabilidade socioeconômica, histórico de traumas e violência doméstica ou gravidez indesejada.

Imagem de uma mulher de cabelos castanhos. Ela está triste e segura entre as duas mãos uma xícara branca de porcelana cheia de chá.
Imagem de Alberto Adán por Pixabay

Sintomas de depressão pós-parto

Os sintomas mais comuns da depressão pós-parto são: desmotivação profunda, melancolia intensa, tristeza acompanhada de desespero constante e ausência de forças e prazer ao realizar atividades de rotina. Além desses fatores, existem outros sinais que também podem indicar a DDP.

Veja a seguir:

– Ansiedade;
– Insônia;
– Cansaço extremo;
– Sentimento de culpa ou indignação;
– Indisposição constante ou inquietação;
– Perda de vontade em realizar atividades de que antes gostava;
– Perda de interesse em pessoas de que sempre gostou;
– Dormir muito ou pouco;
– Ganho ou perda excessiva de peso;
– Vontade de comer mais ou menos que o habitual;
– Pensamento de morte ou suicídio.

O quadro de depressão-pós parto pode trazer várias consequências para o vínculo entre mãe e bebê, principalmente no que se refere ao aspecto afetivo. Futuramente pode trazer efeitos no desenvolvimento cognitivo da criança, sequelas que se prolongam na infância e adolescência, problemas de comportamento, crises de hiperatividade e até dificuldades para comer e dormir.

Vale ressaltar que além da mãe já foi comprovado que o pai também pode sofrer com a DDP. Para ele, a depressão pode ser causada pela preocupação com a capacidade de educar a criança que veio ao mundo, pelo aumento das responsabilidades, pela ansiedade em ter que oferecer uma boa vida para o(a) filho(a), além do suporte que tem que dar ao parceiro(a). É bom ficar de olho.

Imagem de uma mulher de cabelos pretos e longos. Ela está com os olhos fechados e deprimida.
Imagem de Natálie Šteyerová por Pixabay

O que fazer depois de identificar os sintomas?

O tratamento direcionado à depressão pós-parto é feito de maneira individual, dependendo de cada caso. Normalmente são usados medicamentos antidepressivos aliados à psicoterapia, com a ajuda de psicólogos e psiquiatras especializados nesse tipo de depressão.

Todo esse tratamento é oferecido gratuitamente e de forma integral pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Você também pode gostar

Outro fator importante nesse processo é o apoio da família, do parceiro(a) e dos amigos. Conforme cada situação, também são recomendados pelo Portal do Ministério da Saúde a presença de uma babá durante meio período ou até por tempo integral, a terapia hormonal e os exercícios para fortalecer os laços entre o paciente e o bebê.

Não se esqueça de que um caso é diferente do outro e o acompanhamento profissional é imprescindível.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]