Autoconhecimento

Ela/dela, ele/dele: por que as pessoas colocam esses pronomes nas redes sociais?

Mulher mostrando uma caderneta com símbolos que representam gêneros
nito50 / 123RF
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Navegando pelas redes sociais, você já viu a bio do perfil de alguém com os pronomes ela/dela ou ele/dele destacados? Ficou pensando no que isso significa e por que as pessoas estão colocando essa informação em seus perfis? Preparamos um artigo para contextualizar esse movimento e explicar qual é a intenção das pessoas que fazem isso.

Ah! Como esse artigo vai usar alguns termos como “pessoas trans” ou “não binárias”, caso você não conheça o significado de algumas dessas expressões do tema LGBTQIA+, deixamos um pequeno glossário no fim do artigo, porque assim você pode se atualizar e entender tudinho!

O que significa ela/dela e ele/dele?

Nós, seres humanos, somos habituados desde muito cedo, quando começamos a explorar o mundo e as relações com as pessoas, a definir o gênero de alguém com base em seu nome ou em sua aparência física. Com a popularização dos temas LGBTQIA+ nos tempos atuais, as pessoas trans e não binárias estão ganhando mais espaço, descobrindo mais sobre o assunto e manifestando sua identidade de gênero e sua sexualidade e, portanto, questionando alguns preconceitos em relação a esses temas, inclusive esse de definirmos o gênero de alguém com base no nome ou na aparência da pessoa.

Mas, e o que os pronomes têm a ver com isso? Ao utilizar os pronomes ela/dela e ele/dele nos perfis de suas redes sociais, as pessoas estão identificando os pronomes que preferem quando se referem a elas. Ou seja, se um perfil apresenta os pronomes “ela/dela”, ainda que você observe a foto e o nome e fique com a impressão de que se trata de um homem, use os pronomes escolhidos pela pessoa para se referir a ela.

Tipos de pronomes

Ainda que existam algumas variações, os principais usos de pronomes nesta técnica são os seguintes:

• Ela/dela para se referir a alguém que prefere o uso dos pronomes femininos.

• Ele/dele para se referir a alguém que prefere o uso dos pronomes masculinos.

• Elu/delu para se referir a alguém que prefere o uso de pronomes neutros ou que é adepto da linguagem neutra.

E isso muda alguma coisa?

Avanços com benefícios a minorias e a pessoas menos favorecidas pelos meios tradicionais de comunicação só acontecem quando essas pessoas se posicionam, resistem e fazem suas vozes serem ouvidas. O fato de este artigo existir e de você estar aqui, lendo e tentando entender o uso desses pronomes, já demonstra que o progresso na questão da transgeneridade está sendo conquistado, porque a temática trans está sendo debatida, entendida e apresentada.

Bandeira trans pintada na palma de uma mão
nito500 / 123RF

Portanto, além de identificar o gênero preferencial da pessoa que usa essa técnica, ela tem o objetivo de normalizar a transgeneridade aos olhos de quem não está acostumado com o tema.

Sou cisgênero, mas posso usar os pronomes?

Sim, desde que você cuide do seu discurso. A resposta é sim porque, ao fazer isso, você ajuda a dar visibilidade ao movimento e faz com que mais pessoas entrem em contato com os pronomes e com essa técnica. Então vai contribuir com a normalização desse processo.

Há, é claro, pessoas trans que serão contra o uso dos pronomes por pessoas cis, afirmando que se trata de apropriação e de ocupação de um lugar de fala que não pertence a eles, então cabe a você avaliar se considera que vai contribuir ou ocupar um lugar de fala que não é o seu.

Três pessoas diferentes de camisa branca uma atrás da outra em um estúdio branco
Ron Lach / Pexels

E a resposta inclui “Desde que você cuide do seu discurso” justamente porque, por ser cisgênero, você não pode ser protagonista nesse movimento, já que esse papel, naturalmente, cabe a pessoas trans. Mas, assim como não basta não ser racista, e sim ser antirracista, avalie se pode contribuir com essa causa ao identificar o seu gênero em seus perfis e ajudar a dar visibilidade para essa ideia.

Glossário

Ao ler este artigo, você pode ter dado de cara com alguns termos que não conhece ou com os quais não está acostumado. Está tudo bem, porque esses temas têm sido amplamente discutidos recentemente, e novas definições, técnicas e conceitos surgem o tempo todo. Então preparamos este guia para ajudar você:

• Cisgênero: pessoa que se identifica com o mesmo gênero que foi atribuído no momento de seu nascimento. Ou seja, é considerada mulher desde criança e segue se considerando mulher.

• Gênero: gênero se difere de sexo, que é algo biológico, ou seja, somos homens se temos pênis e aparelho reprodutivo masculino, e mulheres se temos vagina e aparelho reprodutor feminino. O gênero, porém, é uma construção social e bastante individual. Uma pessoa, por exemplo, pode ter sexo biológico feminino, mas se identificar como sendo do gênero masculino, por motivos que podem incluir seu comportamento, seu vocabulário, sua sexualidade, o modo como se veste e se porta… enfim, é uma definição individual.

Um livro aberto em frente de um plano de fundo amarelo
Ron Lach / Pexels

• LGBTQIA+: sigla que se refere a um grupo que inclui (na ordem das palavras da abreviação) lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, queer, intersexuais, assexuais e o sinal de adição (+) para se referir a outros tipos de identidade de gênero e sexualidade.

• Linguagem neutra: alguns idiomas, como a língua portuguesa, impõem gênero em quase todos os substantivos, adjetivos e pronomes. Por exemplo, “ele” é masculino, e “mesa” é feminino. A proposta da linguagem neutra é que sejam extintas as palavras com terminações femininas ou masculinas, para que não haja confusão com pessoas não binárias. Exemplificando, a frase “todos os garotos juntos”, se aplicada à técnica da linguagem neutra, ficaria “todes es garotes juntes”, ou seja, não há especificação de gênero em nenhuma das palavras.

Você também pode gostar

• Não binário: é um termo-guarda-chuva, que inclui uma série de gêneros que não são feminino ou masculino, como agênero (ausência completa de gênero), neutro (que prefere não identificar seu gênero), bigênero (identifica-se com os gêneros masculino e feminino), pangênero (identifica-se com todos os gêneros acessíveis em sua vivência), entre outros. Às vezes, é usado como sinônimo de transgeneridade.

• Transgeneridade: é o processo de não se identificar com o mesmo gênero que é atribuído no momento do nascimento. Ou seja, pessoas trans são aquelas que nascem consideradas mulheres, mas se identificam como homens, nascem homens mas se identificam como bigênero etc.

Com o avanço das pautas e dos temas ligados ao universo LGBTQIA+, é normal que fiquemos um pouco perdidos nas discussões frequentes que acontecem nas redes sociais. Mas agora você sabe para que serve a identificação de gênero usada nas descrições e nas bios dos perfis das redes sociais. O que você acha dessa novidade?

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br