Autoconhecimento Comportamento

O que é transexual? Compreenda e dissemine o respeito

Imagem de vários corações feitos de papel e todos coloridos com as cores do conceito LGBT. Eles estão pendurados em um varal de corda.
Lightfieldstudios / 123RF
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Antes de nós nascermos, é comum que nossos familiares queiram descobrir qual é o sexo do bebê. A partir disso, definem as roupas que teremos, a decoração dos nossos quartos, os brinquedos que irão nos divertir e até as histórias que ouviremos antes de dormir. Os papéis de meninas e meninos, mulheres e homens, são definidos desde a gestação.

Conforme uma criança cresce, porém, ela pode não se identificar com o universo que lhe foi imposto quando ela veio ao mundo. Ela pode se enxergar como uma pessoa diferente do que dizem que é, como alguém que tem outros interesses e outras vontades. Ela pode demorar anos para se sentir assim, passando por esse processo apenas na fase adulta.

O fato é que, em algum momento da vida desse ser em formação, ele pode acabar se dando conta de que pertence ao gênero oposto ao que lhe foi imposto quando nasceu. Essa pessoa pode perceber que é uma mulher em vez de um homem, ou que é um homem em vez de uma mulher. E o que isso significa? A seguir, aprenda mais sobre transexualidade!

Transgênero, transexual ou travesti?

Para entender a transexualidade, é preciso, em primeiro lugar, entender qual é a diferença entre termos que são muito utilizados para se referir a pessoas que pertencem a esse grupo social. Veja quais são eles!

Transgênero: é uma pessoa que não se identifica com o gênero que foi imposto a ela no momento do nascimento, como uma pessoa que, embora seja lida pela sociedade como mulher, identifique-se como homem e vice-versa. Se a pessoa se identifica com o gênero que lhe foi imposto, ela é cisgênero.

Imagem de um travesti se maquiando em frente ao espelho.
Rawpixel / 123RF

Transexual: uma pessoa transexual é aquela que passa por uma transição hormonal e/ou cirúrgica para que a sociedade a enxergue da mesma maneira que ela se enxerga. Então, se ela tem um corpo associado ao gênero masculino, ela fará alterações para tornar o próprio corpo feminino e vice-versa.

Travesti: uma pessoa travesti é necessariamente um homem que utiliza roupas associadas ao gênero feminino e realiza uma performance de comportamentos associados às mulheres, ainda que não tenha a intenção de alterar suas características físicas.

A partir disso, entende-se que uma pessoa trans (transexual ou transgênero) é alguém que gostaria de ter um corpo que correspondesse a quem realmente é. As pessoas trans existem e são quem elas dizem ser. Elas fazem parte da comunidade LGBT+ e lutam constantemente contra o preconceito das pessoas que desejam impor uma forma de existência para alguém.

A importância de combater a transfobia

Em 13 de junho de 2019, o Supremo Tribunal Federal definiu que a transfobia é um crime passível de pena. Segundo a lei, é proibido discriminar uma pessoa em virtude do gênero ou da orientação sexual. Essa discriminação, chamada de transfobia, pode se manifestar de inúmeras formas.

Recusar emprego para uma pessoa trans, ofendê-la verbalmente, agredi-la física ou emocionalmente, pedir que ela se retire de um espaço público ou usar de qualquer tipo de violência contra essa pessoa, recusando a existência dela, são atitudes que se enquadram como transfobia e que podem ser punidas com detenção de um a três anos e multa.

Se você acredita que esse tipo de discriminação não tem a ver com você, atente-se para os dados a seguir. De acordo com a ONG Transgender Europe, em um levantamento de 2016, 868 travestis e transexuais faleceram no Brasil de 2008 ao ano da pesquisa, sendo o país que mais mata pessoas trans em todo o mundo. A sociedade brasileira está negando a existência de uma parcela da população que a compõe.

E qual é o papel de cada pessoa nisso? Talvez você nunca tenha agredido fisicamente uma pessoa trans, mas o preconceito pode se manifestar de outras maneiras. Existe uma série de frases que você já pode ter dito e que contribuem para a marginalização e para a estereotipação das pessoas trans, que culminam no assassinato delas. Confira algumas delas e as tire do seu vocabulário:

Imagem de um belo travesti, usando uma linda maquiagem e um arrnajo azul sobre a peruca de cabelos loiros. Suas unhas estão pintadas de dourado e usa  um lindo colar de pérolas.
Pablo Hidalgo / 123RF

“É traveco”, “Não é uma mulher de verdade”, “Se você não falasse, eu ainda acharia que você é homem”, “Nem parece que você é homem”, “Pena que é trans”, “Você não me engana”, “Você é transexual ou travesti?” e “Para mim isso não é normal” são algumas das frases que você nunca deve dizer, em nenhum contexto.

Uma vez que nos dedicamos a combater a naturalização do preconceito contra pessoas trans e nos posicionamos contra essa forma de opressão, podemos construir uma sociedade mais justa e mais respeitosa, que reconhece a existência de todas as pessoas, não só daquelas que seguem os padrões de comportamento e de aparência.

Você pode acreditar que depois que uma pessoa já é adulta é mais difícil de fazê-la mudar de ideia, ou de aprender a se comportar da maneira correta. Embora isso seja verdade, não é impossível para uma pessoa que já passou da fase de formar uma opinião sobre o mundo se atualizar. De qualquer maneira, é sempre melhor começar pela infância.

Ensine as crianças que você conhece que elas devem respeitar todas as formas de existir. Ao se referir a uma pessoa trans, por exemplo, fale o gênero com o qual ela se identifica. Você sequer precisa dizer que ela é uma pessoa trans. Aborde o tema da transexualidade dizendo que é uma maneira de viver e que merece respeito e reconhecimento.

Se, por outro lado, você se referir a pessoas trans de maneira pejorativa na presença de uma criança, ela vai aprender que tem o direito de fazer isso também. Ela passará a enxergar essas pessoas como alvo de piada e de violência e dificilmente se tornará uma adulta que promove o respeito a igualdade. Seja o exemplo para quem ainda está aprendendo e ensine aqueles que ainda não aprenderam a maneira correta de se comportar!

Aprofunde-se no universo da transexualidade

1) “A Morte e a Vida de Marsha P. Johnson”, documentário de 2017

Marsha P. Johnson foi uma mulher trans ativista que impulsionou a luta pelos direitos da comunidade LGBT+, nos anos 70. Ela foi assassinada e o caso foi levado como um suicídio, como forma de invisibilizar tudo a que uma pessoa trans pode ser submetida. O documentário “A Morte e a Vida de Marsha P. Johnson” é essencial para conhecer mais sobre ela.

2) “A garota dinamarquesa”, filme de 2015

Um dos filmes apontados como referência quando se fala em transexualidade é “A garota dinamarquesa”. O longa-metragem retrata como um homem casado enfrenta a experiência de se entender uma mulher, e tudo que enfrenta para alterar a forma como a sociedade o enxerga. É baseado em uma história real!

3) “Laerte-se”, documentário de 2017

Laerte é o nome de uma cartunista conhecido em todo o mundo, brasileira, que se entendeu como uma pessoa transgênero já na fase adulta da vida. “Laerte-se” é um documentário que apresenta reflexões da cartunista sobre a própria vida e sobre como ela se enxerga no mundo.

Imagem de um homem transexual. Ele usa cabelos curtos com reflexos dourados e veste uma camiseta nas cores preto e amarelo.
Sam Wordley / 123RF

4) “Pose”, série de 2018

“Pose” é uma série que aborda o universo LGBT+ nos anos 80, mostrando o preconceito que esse grupo social enfrenta e o que ele faz para ter uma vida feliz, apesar de tudo. O elenco da série traz a maior quantidade de atores trans de todas as produções da história!

5) “Crescendo como Coy”, documentário de 2016

“Crescendo como Coy” é um documentário que mostra a vida de uma menina trans que está batalhando por seus direitos nos Estados Unidos da América, mais precisamente no Colorado. É uma maneira de entender os desafios que as pessoas transexuais enfrentam perante a lei.

Você também pode gostar

As pessoas transexuais são pessoas. Elas devem ter direitos como todos nós, devem ser quem são e ser lidas pela sociedade como tal. Se você quer construir um mundo mais harmônico e mais feliz para todos que nele habitam, posicione-se a favor das pessoas transexuais e mostre por que elas devem ser ouvidas, representadas e acolhidas pela população.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br