Autoconhecimento Comportamento

Entenda o que é a transfobia?

Um jovem caucasiano, visto de trás, segurando uma bandeira do orgulho sobre a cabeça contra o céu azul
nito500 / 123RF
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Na sigla LGBTQIA+, há uma letra importante, mas sobre a qual muitas pessoas ainda têm dúvidas. É a letra T, que representa transexuais e travestis. Para compreender de forma aprofundada o que esses termos significam, precisamos explorar o conceito de gênero.

Existem inúmeras maneiras de definir o que é gênero. Para simplificar essa ideia, vamos considerar que ele é um conjunto de características e de comportamentos que pode ser associado a uma pessoa.

Dessa maneira, podemos identificar dois gêneros que se destacam na sociedade, o feminino e o masculino. Cada um deles apresenta uma série de estereótipos de atitudes e de aparência. Eles são associados, respectivamente, ao sexo feminino e ao sexo masculino.

Isso significa que uma pessoa que pertence ao sexo feminino também deveria se identificar com o gênero feminino e uma pessoa que pertence ao sexo masculino deveria se identificar com o gênero masculino.

Porém o que se observa é que muitos indivíduos não se encaixam nas determinações de um gênero ou de outro ou então se identificam mais com um gênero que não lhes foi atribuído quando nasceram. Esse é o caso das pessoas transexuais e travestis.

Símbolos de homem e mulher projetam sombras na forma de transgênero em fundo azul
adragan8 / 123RF

Diferentemente de uma pessoa cis, que se identifica com o gênero que lhe foi atribuído ao nascer, uma pessoa trans só se sente ela mesma quando performa o gênero oposto ao dela. Uma pessoa travesti, por outro lado, é necessariamente alguém a quem foi atribuído o gênero masculino ao nascer, mas que se identifica com o gênero feminino.

Portanto uma mulher transexual é uma pessoa que sempre foi uma mulher, mas teve a própria essência suprimida pela sociedade, que a categorizou como homem. Para um homem transexual, durante grande parte da própria vida ele foi categorizado como mulher, embora sempre tenha sido homem.

Agora que você entendeu o que é transexual e travesti, está na hora de entender como a sociedade patriarcal e heteronormativa interpreta essas formas de existir. Infelizmente você vai se deparar com uma realidade excludente, agressiva e preconceituosa. Continue lendo.

O que é a transfobia?

A Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) divulgou em 2020 um relatório alarmante. A partir dele, identificou-se que 175 travestis e mulheres transexuais foram assassinadas no Brasil, apenas naquele ano.

A ausência de assassinatos de homens transexuais evidencia uma das principais marcas de uma sociedade machista: a opressão do gênero feminino; mas isso não significa que esses indivíduos não são vítimas de transfobia.

Isso porque o conceito de transfobia não está apenas associado ao assassinato de pessoas trans. Na verdade, o termo “fobia” representa ódio, repulsa, medo e desconforto, logo “transfobia” é a materialização desses sentimentos contra pessoas transexuais. Em casos graves, todo esse ódio culmina em assassinato.

Duas pessoas deitadas uma ao lado da outra
SLAYTINA / Pexels

No entanto a transfobia também está presente no Brasil e no mundo de maneiras sutis. Comentários negativos e piadas pejorativas contra pessoas trans, por exemplo, enquadram-se nesse termo.

Ao assassinato e à violência das palavras, porém, também são somados a limitação das oportunidades de emprego e de estudo, solidão, exclusão de familiares e de amigos e escassez de políticas públicas e de representação midiática de pessoas transexuais e travestis. Ou seja, a transfobia é uma característica estrutural da sociedade.

Atitudes que são transfóbicas

O fato de a transfobia ser um problema que está presente em ambientes de trabalho, na mídia e no governo não significa que cada indivíduo esteja isento de perpetuá-la, afinal todos nós precisamos fazer a nossa parte para evitar que esse tipo de preconceito continue sendo disseminado. A seguir, veja quais atitudes são transfóbicas:

1) Desrespeito ao nome social

O nome social de uma pessoa trans ou travesti é o nome que ela escolheu, adequado ao gênero com o qual se identifica. Essa é a única maneira pela qual podemos nos referir a ela. Utilizar o nome que foi atribuído a ela no nascimento para isso é transfóbico.

2) Recusa do gênero da pessoa trans/travesti

Comentários como “essa pessoa não é homem/mulher de verdade” desrespeitam a existência de trans e travestis. Todos nós somos indivíduos de verdade, que podem se identificar ou não com determinados gêneros.

3) Questionar sobre o corpo da pessoa trans/travesti

Qualquer pergunta sobre o corpo de uma pessoa é indelicada, principalmente se essa pessoa for trans ou travesti. Reconheça que esse assunto é pessoal e faz parte da intimidade desse indivíduo.

close de uma jovem mulher caucasiana ao ar livre mostrando um bloco de notas na frente dela com um símbolo desenhado nele
nito500 / 123RF

4) Utilizar o termo “transexualismo”

O sufixo “ismo” em uma palavra faz com que o termo anterior seja associado a uma doença. Como a transexualidade não é um problema, assim como a homossexualidade, dizer “transexualismo” é uma atitude transfóbica.

5) Agredir fisicamente uma pessoa trans/travesti

Agredir uma pessoa fisicamente é errado em qualquer situação. Se ela for trans ou travesti e você a estiver agredindo apenas porque sente incômodo com a existência dela, você está disseminando transfobia.

6) Fazer piadas com o gênero de uma pessoa trans/travesti

Ainda existem pessoas que acreditam que é engraçado minimizar um indivíduo por ser quem ele é. Qualquer piada envolvendo o gênero de uma pessoa trans ou travesti se configura como transfobia.

7) Usar o termo “traveco”

Muito utilizado antigamente, o termo “traveco” se popularizou como uma maneira pejorativa de se referir a uma mulher com aparência masculinizada. Então, ao usar essa palavra, a transfobia está em acreditar que a existência de pessoas trans e travestis é um motivo de ridicularização.

Registro feito em uma parada LGBT
Matteus Bernardes / Pexels

8) Impedir que uma pessoa trans/travesti ocupe um local

As pessoas trans e travestis têm os mesmos direitos que quaisquer outras pessoas. Isso significa que elas podem ocupar todos os lugares públicos, tais como restaurantes, lojas, shoppings, museus, escolas e empresas. Ninguém pode impedi-las disso.

9) Menosprezar as capacidades de uma pessoa trans/travesti

Uma pessoa trans ou travesti, tal como todos os indivíduos, pode apresentar pontos fortes e pontos fracos entre as próprias habilidades, porém isso não confere a ninguém o direito de menosprezar essa pessoa por causa disso, como se ela fosse incapaz de tudo.

10) Fetichizar uma pessoa trans/travesti

É muito comum que pessoas trans e travestis sejam fetichizadas e vistas apenas como um objeto sexual. Ao fazer isso, um indivíduo nega a humanidade dessas pessoas, como se afirmasse que elas não merecem amor, respeito e dignidade.

Como contribuir para a luta contra a transfobia

Depois de entender o que é a transfobia e como ela pode se manifestar em diversas atitudes, reconheça a sua responsabilidade de combater esse mal. A seguir, confira como você pode contribuir para a disseminação desse tipo de discriminação.

1) Conscientize quem está ao seu redor

É essencial que você informe as pessoas ao seu redor sobre a necessidade de combater a transfobia. Caso façam algum comentário inadequado ou ajam de forma desrespeitosa, não tenha medo de corrigi-las.

2) Vote em pessoas comprometidas com a comunidade LGBTQIA+

Para mudar a estrutura da sociedade, precisamos transformar as leis. Isso só poderá acontecer se pessoas comprometidas com a comunidade LGBTQIA+ estiverem no poder. Portanto vote nelas!

3) Apoie financeiramente o trabalho de trans e travestis

Se você conhece pessoas trans ou travestis que são empreendedoras, apoie o trabalho delas. Caso não seja possível fazer isso financeiramente, auxilie no engajamento nas redes sociais ou divulgando esse serviço para amigos e familiares.

Você também pode gostar

4) Escute o que pessoas trans e travestis têm a dizer

Compreender as necessidades e os anseios das pessoas trans e travestis só é possível se você for capaz de ouvi-las. Então leia livros produzidos por elas, construa diálogos com essa parte da população e tenha uma escuta atenta.

5) Estude e problematize a sociedade

Infelizmente, a transfobia sempre está presente no nosso cotidiano. Para identificá-la e combatê-la cada vez mais, precisamos continuar estudando sobre o assunto, além de problematizar questões que podem ser ofensivas e discriminatórias.

A partir de cada informação apresentada no artigo, foi possível analisar como a transfobia se manifesta na sociedade. Também descobrimos maneiras de combater esse mal, para construir uma comunidade respeitosa, inclusiva e amorosa. Leve os seus novos conhecimentos para a vida real e continue aprendendo sobre transexualidade.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br