Autoconhecimento Convivendo Toda forma de amor

Coisas que você precisa saber sobre a assexualidade

Cubos de madeira com os escritos "asexual" vistos de cima.
lightfieldstudios / 123rf
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Você certamente já deve ter topado com palavras como heterossexual, homossexual e bissexual, por exemplo. Essas palavras definem a nossa orientação sexual, ou seja, o que faz com que nos sintamos sexualmente atraídos e excitados e como (e com quem) realizamos nossos desejos.

Os estudos iniciais sobre sexualidade dividiam nossa orientação sexual em apenas dois espectros: ou seríamos heterossexuais (aqueles que sentem atração por pessoas do sexo oposto) ou seríamos homossexuais (aqueles que sentem atração por pessoas do mesmo sexo). Alguns autores até mesmo admitiam a existência da bissexualidade, ou seja, pessoas que se sentiam atraídas por ambos os sexos.

Foi somente no final da década de 1940 que um biólogo norte-americano chamado Alfred Kinsey desenvolveu uma escala que mudou o modo como a sexualidade era entendida. A Escala Kinsey subdividia o comportamento sexual em sete níveis: o nível 0 era dedicado a pessoas “exclusivamente heterossexuais” e o nível 6 era dedicado a pessoas “exclusivamente homossexuais”. Entre esses níveis, havia definições como “bissexual”, “predominantemente heterossexual, apenas eventualmente homossexual” ou “predominantemente homossexual, apenas eventualmente heterossexual”.

Mas o que Kinsey realmente trouxe de novo foi uma definição inédita até então, definida pelo nível X na escala que desenvolveu: pessoas assexuais, que, segundo o especialista, eram cerca de 1% da população mundial.

Afinal, o que é uma pessoa assexual?

A assexualidade é uma orientação sexual, ou seja, está na mesma “categoria” que definições como heterossexualidade (interesse sexual por pessoas do gênero oposto), homossexualidade (interesse sexual por pessoas do mesmo gênero) e bissexualidade (interesse sexual por pessoas de ambos os gêneros).

Mas o que significa a palavra “assexual”? O que define uma pessoa assexual é a ausência de interesse e vontade de sexo envolvendo penetração, apesar de sexo oral e masturbação possivelmente fazerem parte da vida sexual. Apesar dessa falta de interesse, as pessoas assexuais têm desejo de cultivarem intimidade e relacionamentos, apenas não gostam da penetração.

Há alguma confusão entre os termos “assexual” e “assexuado”, então é importante notar que a segunda palavra não pode ser usada para se referir a essa orientação sexual, porque assexuado é o ser vivo que se reproduz sem troca de gametas, portanto é algo completamente diferente de uma orientação sexual.

Apesar da definição explicada neste tópico, há tipos diferentes de assexualidade, e muitas pessoas não se encaixam em nenhum rótulo.

Os tipos de assexualidade

Cada pessoa manifesta sua sexualidade de uma forma única e individual, então rótulos não são muito funcionais quando falamos sobre sexo. Apesar de a assexualidade ser definida como ausência de interesse em relação sexual, mesmo havendo interesse em relações amorosas, há níveis ou tipos diferentes de assexualidade.

Bandeira que representa a assexualidade
Millenius / 123rf

A escala mais conhecida dos tipos de assexualidade foi criada por David Jay, que fundou a Rede de Visibilidade e Educação Assexual (AVEN, em inglês). Segundo ele, há quatro tipos de assexualidade: os assexuais tipo A, que sentem atração romântica, mas não sexual, por pessoas do gênero oposto (heterorromânticos); os assexuais tipo B, que sentem atração romântica, mas não sexual, por pessoas do mesmo gênero (homorromânticos); os assexuais tipo C, que sentem atração romântica, mas não sexual, por pessoas de ambos os gêneros (birromânticos); e os assexuais tipo D, que não sentem nenhuma atração romântica ou sexual por pessoas de nenhum gênero.

Como não há uma definição exata a respeito do que é assexualidade, há outros espectros de sexualidade que geralmente são associados à assexualidade. Conheça alguns deles:

  • Demissexual: é a pessoa que só se sente à vontade para praticar qualquer ato sexual se houver, antes do tesão e dos desejos sexuais, alguma conexão emocional com a pessoa com quem está se relacionando. Então leva pouco em conta coisas como atração física e sexual.
  • Demirromântica: um pouco semelhante ao demissexual, com a diferença de que não manifesta sequer um sentimento afetivo ou romântico até que exista alguma conexão emocional com a pessoa com quem está se relacionando.
  • Grayssexual (ou Gray-A): é aquela pessoa que não se considera assexual ou sexual, pois sua libido varia de acordo com a pessoa com quem se relaciona, com as condições de sua vida e muitas outras variáveis.
  • Assexual romântico: ainda que não sinta desejo ou atração sexual, tem vontade de manter um relacionamento afetivo por causa de todos os outros benefícios de uma relação.
  • Assexual estrito: pessoa que não tem nenhum desejo de fazer sexo com alguém, sob nenhuma circunstância.
  • Litossexual: é aquele que sente atração sexual por outras pessoas, mas não deseja que ela seja recíproca. Então a atração que sente “desaparece” quando percebe reciprocidade.

Assexualidade não é celibato

Você conhece a palavra celibato? Celibatário é a pessoa que escolhe, voluntariamente, abster-se de manter relações sexuais com qualquer pessoa. Apesar de essa decisão poder ser tomada em qualquer contexto, levando em conta apenas a vontade da pessoa, é mais comum que seja pré-requisito de religiões e ordens espirituais, como no catolicismo, em que padres não podem manter relações amorosas ou sexuais com ninguém.

A diferença entre assexualidade e celibato é que o celibato não pressupõe que a pessoa não tenha vontade de fazer sexo ou não sinta atração sexual por alguém; ela apenas não fará o ato sexual porque escolheu não fazê-lo, mas pode ter esse desejo. Já na assexualidade, não há o interesse em fazer sexo envolvendo penetração, ainda que masturbação e sexo oral possam ser praticados, como explicado anteriormente.

Você também pode gostar:

Pessoas assexuais podem namorar!

Quando pensamos em um namoro ou em um casamento, é natural que o sexo esteja entre as primeiras coisas que vêm à nossa cabeça, porque muitos relacionamentos nascem justamente a partir do interesse sexual ou das relações sexuais que as pessoas mantêm. Por isso, é estranho, para muita gente, pensar em um relacionamento sem sexo, mas existe e é saudável, e não há nada de estranho nisso.

Ainda que não tenham desejo por sexo, muitos assexuais sentem vontade de manter uma relação com carinho, amor, companheirismo e intimidade, ou seja, não é uma simples amizade, e sim um relacionamento amoroso em que pode até haver beijos, masturbação e sexo oral, não estando presente apenas a penetração.

Silhueta de uma pessoa encostando a cabeça no ombro de outra pessoa
Pressmaster / Canva

Em resumo, assexualidade não é a ausência de interesse em se envolver romanticamente com outras pessoas, é apenas a ausência de interesse em se envolver sexualmente. Apesar de termos nos acostumado a pensar nas duas coisas, interesse romântico e interesse sexual, como uma coisa só, são vontades diferentes, e não há nada de errado nisso.

Como saber se sou assexual?


Essa é uma pergunta sem resposta definitiva! O que você pode fazer é observar o seu próprio comportamento e como se manifestam o seu desejo e as suas vontades sexuais. Se você percebe em si uma vontade de manter relacionamentos amorosos (ou até de não manter nenhum), mas nota que não sente desejo por sexo ou por manter relações sexuais tradicionais, com penetração, é possível que você seja assexual.

Mas lembre-se de que a sexualidade é uma coisa fluida. Você já deve ter visto casos de pessoas que mantiveram relações heterossexuais por um bom tempo, mas descobriram interesses homossexuais ou bissexuais em determinado ponto da vida, certo? Isso acontece porque, ao contrário do nosso sexo, que é algo biológico, a sexualidade é um interesse que pode mudar ao longo de nossa existência e da maneira como manifestamos nossos desejos.

Então, se você se considera assexual, e ter essa definição em mente parece importante para você, faça isso. Mas não se preocupe tanto em se rotular, porque você pode, por exemplo, viver boa parte da vida sem interesse sexual, mas descobri-lo numa relação com uma pessoa específica, por exemplo. Ou seja, nada é muito permanente quando falamos de orientação sexual.

Agora que você conheceu tudo sobre a assexualidade, o que acha sobre essa orientação sexual? Apesar de ainda ser um pouco desconhecida, esse é um comportamento normal, e não há nada de errado com ele. Em nossa sociedade, estamos habituados a associar a satisfação de alguém a uma vida sexual ativa e à manutenção de relacionamentos, mas isso não é verdade, e a felicidade sexual e romântica pode vir de diferentes maneiras, inclusive não existir. Se você se considera assexual, saiba que não há nada de errado com você!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br