Autoconhecimento

Estresse: O mal do século

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Oestresse é uma reação natural de sobrevivência, ou seja, quando nos deparamos com uma situação de estresse o corpo libera alguma substância química para provocar reações fisiológicas e enfrentarmos a situação, por exemplo, numa situação de perigo, nosso organismo libera doses de adrenalina, que nos estimula a lutar ou fugir.

Por isso, de acordo com o médico Drauzio Varella a palavra estresse se banalizou nos tempos atuais, o estresse moderno está relacionado a pequenos problemas que se repetem todos os dias e, diferente do que se espera, muitas vezes ao invés da pessoa reagir, acaba se adaptando às situações, onde o corpo começa se manifestar com sinais de cansaço que podem afetar os sistemas imunológico, endócrino, nervoso e o comportamento do dia a dia.

São muitos os sinais iniciais de estresse: indisposição, irritabilidade, ansiedade, desequilíbrio emocional, porém, muitas pessoas só se dão conta do problema quando começam a surgir algumas doenças, isso porque, quando se está estressado não é possível julgar as situações com clareza.

Há pessoas que administram bem os níveis de estresse no corpo e vivem bem com isso, porém, em outros casos isso pode acarretar problemas mais sérios como depressão, asma, queda de cabelo, ganho ou perda de peso, gastrite, infarto e até alguns tipos de câncer.

Nos adultos o estresse pode ser resultado de preocupação excessiva, seja com trabalho ou dinheiro, questões financeiras, relacionamentos e etc. Porém, as crianças não estão livres disso, cobrança nos estudos, excesso de atividades, problemas de amizades também podem acarretar problemas emocionais nos pequenos.

É importante saber reconhecer as mudanças do corpo já nos primeiros sinais, buscando por alternativas que colabore para seu bem estar e, se for o caso, inclusive procurar ajuda médica.

O estresse não é caracterizado como doença, porém está presente no consultório de diversas especialidades: cardiologistas, pneumologistas, endocrinologistas, clínicos gerais e psiquiatras. É comum após diagnósticos e exames ouvir: “não é nada, é emocional”, mas se é emocional é alguma coisa, não é certo esperar a aparição de alguma doença mais séria para iniciar o tratamento.

As reações variam de pessoa para pessoa, assim como ninguém é igual, nossos organismos reagem de forma diferente, mesmo que estejam vivenciando as mesmas coisas, isso está vinculado à genética, ao temperamento, à personalidade, à maneira de perceber e assimilar as situações. Por isso é importante investigar o que está causando o desconforto, encontrar o foco do problema e buscar meios de eliminá-lo.

  • Texto escrito por Carolina Peixoto da Equipe Eu Sem Fronteiras

 

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]