Homeopatia Saúde Integral

Homeopatia: o que é e o que não é – Parte 2

Dr. Paulo Daruiche
Escrito por Dr. Paulo Daruiche

Vamos continuar conhecendo melhor o que é homeopatia.

Pensando em como tratar a pessoa integralmente, Hahnemann classificou os sofrimentos em dois tipos básicos: “doenças verdadeiras” (que seriam aquelas que precisam de um medicamento para reequilibrar a energia vital), ou “falsas doenças” (que seriam aquelas que necessitam principalmente de mudança de postura, de hábitos de vida – alimentação, higiene, exercícios físicos, boa postura mental e emocional).

Na prática, durante uma consulta, o médico homeopata investiga o que há no relato dos sofrimentos da pessoa que, para ser melhorado ou curado, precise de medicação, e o que precisa de outras abordagens. Quase sempre as duas coisas acontecem juntas (por exemplo, uma pessoa com tendinite crônica que fica muitas horas por dia digitando ou que se submete a esforços repetitivos; ou uma pessoa com depressão que mantém uma postura emocional de não conseguir perdoar a ofensa recebida etc.). Nota-se que a classificação de Hahnemann tem intenção prescritiva (para saber que tipo de abordagem homeopática cada caso precisa). Não há a intenção de desvalorizar qualquer tipo de sofrimento, muito pelo contrário. Por isso as consultas homeopáticas são mais completas e demoradas.

shutterstock_181069166-2

É importante frisar que o objetivo da homeopatia é reequilibrar a energia vital das pessoas.

A homeopatia muitas vezes é confundida com placebo – dizem que as pessoas melhoram porque sentem muita confiança no tratamento, ou porque a consulta integral forma um vínculo mais forte entre médico e paciente. Claro que a confiança é essencial – quem se consulta com alguém em quem não confia? Mas o resultado da homeopatia é bem maior que os 39% de sucesso do placebo. A homeopatia e seus resultados têm sido cada vez mais estudados em artigos acadêmicos, e a matéria está presente nas universidades – eu mesmo desenvolvi minha tese de mestrado na UNIFESP com o tema “Homeopatia nas Epidemias”. E mais outras existem, e têm surgido. Embora muitas vezes alvo de críticas e polêmicas, fato é que, desde o seu surgimento, a homeopatia tem embasamento científico, com um método próprio. E, no Brasil, a homeopatia é oficialmente reconhecida desde 1980, e tornou-se política pública de saúde desde 2006: todo brasileiro deve ter acesso gratuito ao tratamento homeopático no SUS. Além de presente nos postos de saúde, a homeopatia têm sido utilizada no Brasil com sucesso em epidemias (por exemplo, dengue).

Outro ponto – “a homeopatia é lenta” – também não se verifica. A homeopatia não é lenta, e pode ser utilizada para tratamento tanto de quadros agudos como crônicos. Espera-se uma evolução mais rápida com o tratamento homeopático do que com alopáticos; por exemplo, tratar uma pessoa com uma infecção (amigdalite, cistite, pneumonia, etc.) deve sempre ser mais rápido com o uso da homeopatia do que os costumeiros 7, 10 ou 14 dias de antibióticos. O mesmo vale para quaisquer outros quadros agudos – de doenças agudas comuns a queimaduras. Idem para os quadros crônicos (asma, enxaquecas, depressão, hipertensão, etc.).

São muitos exemplos, mas é importante frisar que o objetivo da homeopatia é reequilibrar a energia vital das pessoas. Cada caso, agudo ou crônico, é um caso; e a resposta de cada pessoa depende de muitos fatores. Pode ser mais demorada, ou pode não ter resposta. Pacientes muito desvitalizados dificilmente respondem a qualquer tipo de tratamento, e quanto maior for a dificuldade de harmonizar a energia vital, pior será a resposta do paciente para se restabelecer. Mas de nada serviria a homeopatia se ela fosse insuficiente ou inútil. Geralmente vemos as pessoas conseguindo curas de doenças agudas e crônicas, de menor ou maior gravidade, em menor tempo, e com quase nenhum efeito colateral (que por vezes podem ocorrer, embora os medicamentos homeopáticos sejam muito seguros). E, se a resposta não for adequada, precisamos entender as razões disto: bloqueios que dificultam a ação dos medicamentos homeopáticos, hábitos de vida inadequados que não foram modificados, uso concomitante de antídotos dos medicamentos homeopáticos, ou outros obstáculos ao tratamento. E trabalhar também neste campo.

Portanto, o que é homeopatia? Trata-se de um sistema de tratamento desenvolvido por Hahnemann, e que utiliza a Lei dos Semelhantes para estimular, através de medicamentos diluídos e dinamizados, a resposta positiva da Energia Vital em direção à cura. É natural, pois a resposta curativa do nosso organismo é da nossa natureza, e Hipócrates já a conhecia e a chamava de vis medicatrix naturae (poder curativo da natureza); mas a terapêutica não é baseada apenas nas plantas. Pode ser preventiva ou curativa, e a cura deve ser alcançada (tanto em quadros agudos quanto em crônicos) de forma rápida, segura e duradoura.

Até a próxima!

Confira a parte 1 deste artigo clicando aqui.

Sobre o autor

Dr. Paulo Daruiche

Dr. Paulo Daruiche

Médico Homeopata e Psicanalista, formado em 1994. Mestre pela UNIFESP / Saúde Coletiva, com pesquisa sobre Homeopatia nas Epidemias. Membro do Grupo de Estudos Homeopáticos de São Paulo “Benoit Mure”, onde é professor assistente no curso de pós graduação de Especialização em Homeopatia desde 1999. Membro do Corpo Clínico e Científico do Instituto Hahnemanniano George Galvão ­(IHGG). Membro da Associação Brasileira de Psicanálise Clínica.

Atende adultos e crianças, ministra palestras, cursos e workshops abertos para o público nas áreas de Homeopatia em geral, Saúde Integral, cura e prevenção de doenças, Saúde Mental e Espiritual e Vida Saudável, e em muitos momentos dedica-­se à música, meditação, Yoga, e outras práticas.

E-mail: [email protected]
E-mail Physis Saúde Integral: [email protected]
Site: www.ihgg.com.br
Telefones: (11) 2276-0008 / (11) 98829-8607