Saúde Integral

Como o corpo transforma rancor em doença?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Muitos se perguntam como o emocional pode acarretar uma doença. Mas, acreditem, há uma relação nisso. A medicina chinesa acredita nesta relação entre um desequilíbrio emocional e o desencadeamento de doenças psicossomatórias. A isso ela chama de “Sete Emoções”, que são as seguintes: raiva, medo, choque, amargura, alegria, tristeza e preocupação.

A explicação pra isso é que, quando temos um desequilíbrio emocional, ele pode estimular alguns sistemas e inibir outros. Quando isso leva um tempo, o que ocorre é uma danificação destes órgãos, o que os torna mais vulneráveis para doenças. Conheça a lista das sete emoções e seus órgãos associados:

  • Ira fígado
  • Medo rins
  • Choque / susto (doença aguda) rins e coração
  • Alegria coração
  • Amargura (pensamento excessivo e estimulação mental) baço
  • Preocupação baço e pulmões
  • Tristeza pulmões

Estas relações mostram como é importante tratarmos por completo qualquer doença — e não só por partes como a medicina tradicional faz. E é fácil entender o porquê. Quantas doenças foram tratadas e logo desencadearam outra? Por que não foram tratadas de forma holística, ou seja, no todo?

Aqui não estamos querendo falar mal da medicina tradicional, pois sabemos a importância de seu avanço científico, que pode ajudar a curar doenças que muitas vezes a medicina chinesa não consegue. O alerta é para prestar atenção em sinais do corpo e do emocional e começar a se questionar.

Reflita: por quê aquela dor no baço quando vai encontrar alguém que não gosta? Ou quando as coisas não andam bem? Será que não há uma interligação? Por que, quando estamos mais tristes, estamos mais passíveis de ficar doentes? E por que pessoas depressivas também estão mais propensas a doenças? Não há aí uma ligação? Essas são algumas das reflexões que você pode fazer.

Sociedade medicada

Estamos numa sociedade tão medicada que não refletimos sobre dores e anseios. Isso porque acreditamos que tudo será resolvido com um medicamento. É incrível como muitas pessoas, antes mesmo de sentirem uma dor, já se medicam. E como crianças hiperativas estão sendo tratadas como doentes e submetidas à ritalina. É essa a sociedade que queremos? Medicada, que não procura ver outras saídas nem refletir sobre a dor?

Claro, não podemos ignorar o câncer, por exemplo. Mas não podemos continuar acreditando que o remédio vá salvar a população de tudo. Por que, antes de tomar aquele seu remédio pra dor de cabeça, você não experimenta um chá? Eles são saudáveis, aconchegantes e criam uma conexão com o nosso eu. E você pode ainda plantar em casa mesmo, num vaso. Ações como essa trazem outra conexão com o nosso corpo.

Precisamos parar de achar que o remédio vai resolver tudo. Às vezes, parar, sentar, chorar e conversar pode espantar uma tristeza e uma dor na barriga. Diga a quem ama que não está bem, isso já é uma forma de tratar. Compreendeu porque nosso corpo transforma rancor em doença? E comece cultivando bons sentimentos. Pense em coisas boas, perdoe e não tenha raiva. Sentimentos bons ajudam a construir um organismo mais forte.


Texto escrito por Angélica Fabiane Weise da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]