Convivendo

Meu cão é um terror!

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Não tem fase mais encantadora dos nossos peludos do que quando são filhotes. É tanta fofura, tanto carisma e tanta energia que parece não ter fim. Mas essa incansável animação é uma das queixas mais frequentes de quem está com um pet pequeno dentro de casa. Eles acabam fazendo uma bagunça inacreditável quando são deixados sozinhos. Se você está passando por esta situação, é muito comum, ao chegar em casa, encontrar objetos espalhados, sapatos comidos, fios destruídos e até pés de bancos ou cadeiras mordiscadas.

A primeira coisa que você precisa saber antes de tomar qualquer providência é que essa é uma fase comum no crescimento da maioria dos cães. Por natureza, eles são animais que vivem de estímulos e precisam de atividades físicas e mentais para sentirem-se bem. As brincadeiras que incentivem a corrida, a audição, o olfato e até o paladar são importantíssimas para o crescimento saudável dos cães. Além disso, quando vivem em ambiente fechado – como os apartamentos – eles acabam tendo menos espaço para explorar e, consequentemente, transformam qualquer objeto em brinquedo. Por isso, existem algumas atividades que você pode proporcionar ao seu melhor amigo para que ele fique menos ansioso e mais relaxado enquanto você não está por perto.

O motivo mais comum da destruição causada pelos filhotinhos é o tédio, pois estão com energia acumulada. Sim, seu pet também fica entediado! A notícia boa é que, com brincadeiras e exercícios físicos, você pode aliviar bastante esses problemas. Portanto, aproveite para brincar bastante com seu bichinho enquanto estiver por perto. Ensine-o a correr atrás de bolinhas e discos, leve-o para passear e promova a interação com outros animas, mas só depois da liberação do veterinário e de todas as vacinas.

Outros exercícios dentro de casa também são ótimos para esses casos. Experimente, por exemplo, ensinar seu filhote a caçar algumas guloseimas caninas ou objetos preferidos dele pela casa. Esconda petiscos pelos cômodos e ensine-o a caçá-los. Desta forma, seu cãozinho terá opções de brincadeiras para aproveitar enquanto você estiver fora e dedicará menos tempo se divertindo com seus pertences pessoais, objetos de decoração ou móveis da casa. Você também pode investir em alguns brinquedos específicos para ansiedade, que prometem ajudar bastante na distração de seu pet. Já ouviu falar da Goodie Ball ou do Buster Cube, por exemplo? Eles são brinquedinhos com espaço para rechearmos de petiscos ou ração, que vão liberando o alimento aos poucos, de acordo com os esforços do cão. Com isso, os nossos mascotes precisam “lutar” para conseguir sua comida, estimulando os instintos de caça e entretendo-os por bastante tempo. Isso sem falar que estes toys interativos foram desenvolvidos especialmente para instigar os instintos naturais dos cães, trabalhando o condicionamento físico e mental de cada um.

Além da energia acumulada, os filhotes têm a necessidade de morder. Isso porque é dessa forma que eles sabem coçar a gengiva — principalmente quando trocam os dentes, iguaizinhos aos humanos — e que limpam os dentinhos. Para eles, esse é um ato instintivo, e não deve ser repreendido, mas sim adaptado às necessidades na nova rotina. Por este motivo, é uma boa opção adquirir os ossinhos, as orelhas de boi defumadas ou qualquer outro brinquedinho que ele possa aproveitar sem restrições. Quando você perceber que seu filhote desviou a atenção para os objetos indevidos, é mais eficaz impedi-lo gentilmente e mostrar que os toys são mais atrativos e divertidos. E lembre-se, sempre, de que devemos agradar e fazer festa quando o cãozinho fizer a coisa certa.

Além desses utensílios, que podem ajudar na educação dos bichinhos de estimação, é importante saber que o dono também é responsável por diminuir a ansiedade e tranquilizar o comportamento dos cães. Por isso, selecionamos algumas dicas básicas que podem ajudar a acalmar os ânimos dos animais estressados enquanto estão em casa.

Mantenha uma rotina de atividades

Essa é a primeira – e talvez a mais importante – dica para os donos de animais de estimação. Assim como os seres humanos, os cachorros têm necessidade de gastar energia. Portanto, organize-se para passear e brincar com o seu pet por algum tempo durante o dia. A intensidade e a duração dessas atividades dependem muito da raça e da estatura do seu cãozinho, por isso, procure um veterinário ou adestrador profissional para receber esse tipo de orientação.  

Não crie expectativa na hora de deixá-lo sozinho

Infelizmente, uma hora ou outra você precisará deixar seu companheiro sozinho em casa, e alguns cachorros acabam ficando com tanto medo deste momento que fazem um escândalo enorme ou destroem a casa toda na hora da despedida. Para evitar este comportamento, procure criar estímulos positivos na sua saída. Você pode deixar um petisco com ele antes de ir embora, pode brincar por algum tempo antes de sua saída ou até usar artifícios para “enganá-lo” enquanto estiver só, como deixar a TV, rádio ou uma luz ligada dentro de casa, por exemplo. O importante é que ele crie associações positivas desse momento, assim ficará menos assustado e nervoso na hora que não tiver companhia.

Tenha paciência no período de adaptação

A chegada de um novo filhote é sempre delicada. Os cães precisam enfrentar a separação da mãe, a mudança drástica de rotina e ainda adaptarem-se a novas pessoas, ambientes e rotina. Pensando nisso, é muito importante ter paciência nessa fase, principalmente na primeira semana dos cães. Pense que ele está assustado e perdido, e precisará – mais do que nunca – sentir-se amado e acolhido em seu novo lar. Assim ficará muito mais fácil ensiná-lo a seguir algumas regrinhas básicas de convivência na casa nova.

Incentive a interação com outros animais

A convivência com outros cães e até com outras pessoas é muito importante para a socialização e ambientação dos mascotes domésticos. No Brasil existem parques e praças espalhados por inúmeras cidades, e algumas delas dispõem de áreas exclusivas para a interação dos animais. Este ambiente, aliás, pode ser uma ótima opção de diversão e distração para a família toda! Mais uma vez, é importante lembrar que os cachorros necessitam de todas as vacinas e liberação veterinária antes de poderem frequentar estes espaços.

Leia bastante e estude sobre seu cão

Existem inúmeros especialistas e livros importantes sobre educação animal e sobre as necessidades específicas de cada raça ou porte de cachorro. Por isso, é muito importante que você entenda como seu cãozinho se comporta em casa, se é enérgico, calmo, se tem alguma propensão a doenças genéticas ou necessita de qualquer atenção especial antes de levá-lo para casa. Isso vai evitar possíveis surpresas e ainda irá ajudá-lo a organizar a sua rotina com seu melhor amigo.

Faça acompanhamento periódico da saúde de seu pet com um veterinário

Essa dica parece bem básica, mas existem muitos donos que acabam se esquecendo de levar seus bichinhos ao veterinário periodicamente. Mesmo que seu companheiro não apresente sintomas ou indícios de alguma doença, diversos problemas podem ser identificados com antecedência e tratados sem transtornos se forem detectados cedo. E muitos também podem causar alteração comportamental ou agitação excessiva no seu peludo. Então, fique atento. Assim como nós, os animais domésticos também precisam de cuidados. Além disso, alguns procedimentos básicos, como vermifugação e prevenção contra pulgas e carrapatos, devem ser feitos regularmente.


Texto escrito por Laís Mori da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]