Saúde Integral

Os efeitos da poluição sonora

poluição sonora
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras



A poluição sonora é um dos grandes problemas das grandes cidades. O comprometimento e a até a perda da audição são “apenas” algumas das consequências desse mal. Existem outros efeitos da poluição sonora tão graves e irreversíveis quanto esses. Conheça as alterações sofridas pelo corpo devido à exposição contínua ao barulho.

O que é poluição sonora?

Poluição sonora é a exposição durante 8 horas ininterruptas sem protetor auricular aos sons acima de 90 decibéis, o que equivale a uma sirene de ambulância. Mas, é bom saber que a partir de 50 decibéis (conversa em tom de voz normal) já atrapalha, ruídos a partir de 55 decibéis causam estresse auditivo e com 75 decibéis já existe risco de problemas auditivos. Confira abaixo a tabela de decibéis:

20: sussurro;

30: biblioteca;

40: geladeira;

80: trânsito e campainha;

100: serra elétrica;

110: shows com banda;

120: britadeira e avião decolando;

130: arma de fogo.

O problema da poluição sonora é tão grave que a Organização Mundial de Saúde aponta que 10% da população mundial convive com esse problema. Estima-se que 22 milhões de trabalhadores americanos desempenham suas funções expostos ao barulho, o que explica o fato da perda auditiva ser a doença com maior índice de afastamento profissional dos Estados Unidos. Contudo existem iniciativas para dar qualidade a quem trabalha com ruídos. No Reino Unido, por exemplo, o uso de proteção auricular é obrigatório às pessoas expostas aos ruídos maiores que 85 decibéis. Por aqui, existe o Programa de Conservação Auditiva.

poluição sonora

Efeitos da poluição sonora sobre a saúde física

Saiba os males que a poluição sonora faz ao nosso corpo:

1. Queda da qualidade do sono

Quem vive nos centros urbanos já costuma dormir mal. Soma-se com a correria, o grande número de tarefas profissionais, conciliação de estudo e trabalho, realização de tarefas domésticas, os barulhos comuns das metrópoles e temos uma legião de pessoas dormindo muito mal. O resultado disso é cansaço extremo, diminuição do ritmo e péssima execução das atividades. A irritabilidade e apatia são consequências do sono ruim.

2. Comprometimento do desempenho cognitivo

Principalmente em crianças e adolescentes. Segundo a Organização Mundial da Saúde, o problema é maior neles porque esse público ainda não sabe lidar com o estresse e a irritabilidade. Pesquisa realizada com quase 3 mil crianças entre 9 e 10 anos que estudavam aos redores dos aeroportos de Madri, Amsterdam e Londres mostrou que os alunos ingleses tiveram retardo de 2 meses na leitura e nas holandesas, 1 mês, devido aos 5 decibéis na sala de aula.

3. Problemas cardiovasculares

O estresse causado pelos ruídos aumenta a pressão arterial e eleva a quantidade de açúcar no sangue. Quem possui fatores de risco, sedentarismo, fumo e obesidade, por exemplo, tem na poluição sonora um agravante.

Como se defender da poluição sonora?

Saiba o que é preciso para afastar ou diminuir os impactos da poluição sonora:

Use eletrodomésticos com o selo “Programa Silêncio – SELO RUÍDO” do INMETRO. Implantado em 2014, a iniciativa visa ajudar o consumidor a escolher eletrodomésticos mais silenciosos. O melhor produto é o que tem o menor número, pois faz menos barulho.

Outras dicas importantes:

– Os motoristas podem fechar a janela onde o trânsito for mais caótico;

– Ouvir música no celular, computador, tablet e MP3 com volume baixo e por no máximo 30 minutos;

– Uso de protetores auriculares por quem trabalha em locais com barulho.

Além da poluição sonora, ainda podemos sofrer com o caos da nossa alma. Aprenda como diminuir o excesso de barulho do seu eu interior.


Escrito por Sumaia Santana da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]