Mitologia grega

Os mitos gregos

Imagem de várias estátuas de deuses gregos: dois sentados com tridentes nas mãos, e dois em pé.
Dimitriosp / 123RF
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Você já deve ter falado sobre mitologia grega, não é mesmo? Em algum momento, seja numa conversa, num livro, num filme ou numa reportagem por aí, os nomes dos deuses gregos, uma metáfora envolvendo personagens da mitologia grega ou variações disso já devem ter cruzado o seu caminho.

Diferentemente das religiões organizadas que temos hoje, como o cristianismo, o judaísmo e o islamismo, a mitologia grega não tinha um livro sagrado que apresentasse seus deuses e seus ensinamentos, até porque estamos falando de histórias que surgiram no século V a.C., quando ainda nem havia meios de registrar por escrito as lendas que eram populares à época.

Como não eram registradas, os mitos, isto é, as lendas que apresentavam as figuras cultuadas e as histórias que moldavam o imaginário do povo da Grécia, sobreviveram ao longo dos anos passando de geração para geração, por meio de pinturas e de cerâmicas, além de ruínas de estátuas e de templos dedicados aos deuses e às figuras da mitologia grega.

Como eram histórias comumente orais e adaptadas pelos grandes poetas da época, como Homero e Hesíodo, os mitos não são histórias definitivas e tinham variações, dependendo do local da Grécia onde fossem contados. Por exemplo: Ares, o deus violento e viril da guerra, era muito admirado na cidade-estado de Esparta, conhecida por seus guerreiros ferozes, enquanto que era praticamente ignorado no restante do território grego, onde a irmã de Ares, Atena, era considerada deusa da guerra e da sabedoria, já que os gregos aplicavam bastante táticas e estratégias de combate em seus conflitos.

É difícil mensurar a influência da mitologia grega na cultura do mundo moderno, mas ela é bem extensa, já que nomes como Minotauro, Medusa, Hércules e Pandora provavelmente dizem algo para você, mesmo que de maneira abstrata. Confira abaixo algumas das principais criaturas dos mitos gregos e, em seguida, alguns dos mais famosos mitos gregos.

Os principais personagens dos mitos gregos (dodecateão)

• Deuses

Figuras imortais e superiores aos homens mortais. Apesar de serem criaturas superiores, apresentam características, sentimentos e personalidade humanas, que ficam expressas na maneira como manifestam suas emoções, que incluem desejo sexual, inveja, ambição, ciúme, violência e por aí vai. Os deuses, segundo a mitologia grega, moravam num palácio no topo do Monte Olimpo.

Estátua de Apolo como um homem segurando uma harpa.
Adrian Balea / Pixabay

Confira uma pequena lista com os doze deuses do Olimpo e suas atribuições: Zeus (deus dos céus e dos trovões, líder dos deuses), Hera (deusa da maternidade, do casamento e das mulheres), Poseidon (deus dos mares, dos terremotos e das tempestades), Atena (deusa da guerra e da sabedoria), Ares (deus da guerra e da virilidade), Deméter (deusa da agricultura e das estações), Apolo (deus do sol, das artes e da justiça), Ártemis (deusa da vida selvagem e da caça), Hefesto (deus do fogo e do metal), Afrodite (deusa do amor, da sexualidade e da beleza), Hermes (mensageiro dos deuses, deus das viagens e da comunicação) e Dionísio (deus das festas e dos vinhos).

• Heróis

Nomes pelos quais são conhecidos os semideuses mortais, que eram filhos dos deuses imortais com humanas mortais. São bastante conhecidos por demonstrações de força e astúcia. Alguns dos mais conhecidos são Perseu (filho de Zeus, conhecido por matar a Medusa), Teseu (conhecido por matar o Minotauro), Hércules (também chamado de Herácles – famoso por ter que realizar doze trabalhos), Aquiles (mais famoso guerreiro da mitologia grega, protagonista da Guerra de Troia), Édipo (decifrou o enigma da esfinge) e Cadmo (derrotou o dragão que atemorizava a cidade de Tebas).

• Musas

Criaturas semidivinas que inspiravam os humanos em relação às artes e ao conhecimento. Eram nove as musas, todas filhas de Zeus e de Mnemósine: Clio (musa da História), Polímnia (musa da comunicação), Urânica (musa da astronomia), Erato (musa da poesia romântica), Euterpe (musa da música), Calíope (musa da poesia épica), Melpomene (musa da poesia trágica), Terpsícore (musa do canto e da dança) e Talia (musa da comédia e do humor).

• Criaturas míticas

Algumas criaturas míticas, normalmente com características físicas humanas, são frequentemente apresentadas nos mitos gregos. Alguns exemplos são o Minotauro (criatura com corpo de homem e cabeça de touro), Sereia (criaturas do mar que têm corpo metade em formato humano, metade em formato de peixe; elas atraem marinheiros com um canto bonito e os matam afogados), Centauro (seres com torso humano e patas de cavalo; são protetores da floresta), Medusa (famosa mulher com poderes de feiticeira e cobras no lugar dos cabelos.

Imagem de um centauro: ser metade homem, metade cavalo, segurando um peixe.
Stefano Ferrario / Pixabay

Essas criaturas, deuses e heróis são protagonistas de boa parte dos mitos mais famosos da mitologia grega:

• A caixa de Pandora

Uma das mais famosas histórias da mitologia grega é o mito da criação da primeira mulher mortal. Segundo a lenda, Pandora foi concebida, a mando de Zeus, por Hefesto. Ela foi enviada à Terra pelo deus dos deuses como um presente para os homens, mas levou consigo uma caixa e a advertência de que jamais deveria abrir essa caixa. Um detalhe era que, até então, o mundo era regido pela paz e não havia guerras e conflitos. Pandora não sabia, mas carregava dentro de sua caixa todos os males possíveis, como guerras, pestes e fome, além de inveja, ciúme e outros sentimentos. Um dia a curiosidade de Pandora falou mais alto e ela abriu a caixa, deixando escapar tudo o que havia lá dentro, causando a deterioração do mundo dos humanos.

• O mito de Prometeu

Prometeu era um titã, um dos deuses menores, que não fazia parte dos deuses do Olimpo. Segundo a lenda, ele roubou o fogo dos deuses, moldou criaturas em barro e colocou nelas o fogo dos deuses, dando origem aos seres humanos. Quando Zeus descobriu o que Prometeu fez, impôs a ele um castigo terrível: todos os dias, uma águia devoraria o fígado dele, enquanto ele viveria acorrentado em uma pedra. Todas as noites, o fígado dele se reconstituiria, então a águia o atacaria no dia seguinte novamente, o que se repetiria até o fim dos tempos.

• Perséfone e as estações do ano

Perséfone, conhecida como deusa das ervas, das flores e dos frutos, era filha de Deméter e de Zeus. A relação de Perséfone com sua mãe era muito boa, elas eram muito próximas. Um dia, Hades, o deus do submundo, viu Perséfone e se apaixonou por ela. Obcecado pela deusa, ele a raptou e a levou ao submundo. Deméter ficou desesperada quando descobriu que sua filha havia desaparecido e investigou todos os lugares possíveis para encontrá-la. Quando a encontrou sob o comando de Hades, ela estabeleceu um acordo com o deus do submundo: Perséfone passaria ¾ do ano com a sua mãe e ¼ do ano com Hades, o que deu origem às estações do ano: primavera e verão quando Perséfone e Deméter estavam felizes e juntas, outono quando a mãe já se preparava para a partida da filha e inverno quando ela estava longe, no submundo, com Hades.

• O mito da Medusa

Medusa era uma sacerdotisa do templo de Atena. Poseidon, que se sentiu atraído pela beleza monumental dela, violou-a, o que quebrou a castidade do templo. Atena, em vez de acertar contas com Poseidon, puniu a vítima, transformando-a num monstro com serpentes no lugar dos cabelos, o que a condenou à solidão. Quem olhava para os olhos de Medusa era transformado em pedra, por isso ninguém poderia chegar perto dela. Desafiado num torneio, o herói semideus Perseu se atreveu a matar Medusa, guiando-se pelo reflexo de seu escudo para que não precisasse olhar nos olhos petrificantes dela.

Estátua de Medusa segurando a cabeça de um homem, Perseu.
Nightowl / Pixabay

• O mito de Narciso

Narciso era filho de uma ninfa, entidade que era guardiã da natureza, e era considerado o mais belo dos rapazes do mundo. Narciso recusou todas as pretendentes que apareceram em sua vida, mesmo aquelas que homem nenhum recusaria. Após algum tempo, descobriu-se que ele havia visto sua imagem refletida em um rio e se apaixonou por si mesmo. Desesperado por não poder consumar o seu amor, ele esmurrou seu próprio peito até morrer, virando flor no final.

Você também pode gostar

• Os doze trabalhos de Hércules

Hércules era filho de Zeus com uma mortal, o que causou ciúme doentio em Hera, esposa de Zeus. Desde o nascimento do menino, Hera tentou enlouquecê-lo e atrapalhar sua vida. Quando já era casado, Hércules teve um acesso de loucura e matou sua própria esposa e seus filhos. Para se redimir dessas mortes, Hércules procurou o Oráculo de Delfos, mais famoso templo de consulta aos deuses, que exigiram que ele realizasse doze trabalhos para receber o perdão: lidar com um leão, uma hidra, um javali, uma corça, aves gigantescas, um touro, éguas e cavalos, bois, entre outros desafios, como tomar o cinto de ouro da rainha das amazonas, o que era extremamente perigoso.

Conclusão

Os mitos gregos são inúmeros e existem muitos outros que provavelmente não sobreviveram ao tempo e sobre os quais nunca saberemos. Se você se interessa por mitologia grega, procure os livros clássicos, como “A Ilíada” e “A Odisseia”, de Homero, entre outros guias e compilados de mitos gregos.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]