Convivendo

Os riscos da superproteção

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Quando crianças, os filhos precisam dos pais para quase tudo. Protegê-los é uma obrigação enquanto são indefesos, mas isso precisa diminuir conforme o tempo passa para que eles se tornem adultos independentes e felizes.

A superproteção é perigosa, pode causar danos irreversíveis na vida de alguém. Assim como os animais preparam seus filhos para a natureza, precisamos preparar os nossos para a vida. E é por isso que esse assunto é tão delicado de se tratar.

Embora seres humanos levem mais tempo que os animais para manter seus filhos seguros, é importante que isso não prejudique a saúde mental da criança. Qualquer excesso pode ser nocivo e mudar o rumo da vida adulta de alguém.

Superproteger vai muito além da necessidade de cuidar de uma pessoa, é pensar pelo outro, tomar decisões por ele e querer resolver todos os seus problemas, sem dar a chance dele pensar por si mesmo.

Viver por outra pessoa não é algo bom, cada um precisa desenvolver suas próprias habilidades para sobreviver nesse mundo. Já parou para pensar no que será da vida de uma pessoa superprotegida desde criança pela mãe quando ela morrer? Com certeza, não saberá se virar sozinha e seguir em frente.

Os seres humanos precisam saber viver independente do outro. Tomar decisões pelo filho é muito perigoso, a pessoa que é criada dessa forma pode entender que sempre terá alguém por perto para resolver os seus problemas e sabemos que não é bem assim.

Conheça alguns riscos que a superproteção pode trazer para os seus filhos:

Medo

Alertar sobre os males da vida é uma coisa, assustar a criança dizendo que as coisas são mais assustadoras do que realmente são é outra. Não crie uma pessoa medrosa, que terá medo de tudo que pode acontecer, sem nem ter vivido para comprovar.

Dependência emocional

Ensine seu filho a resolver os problemas ou eles serão incapazes de fazer isso na vida adulta. É importante saber fazer as coisas sozinho, isso alimenta a autoestima e nos faz sentir úteis no mundo. Se a criança não consegue fazer nada sem alguém do seu lado, pode apostar que na vida adulta terá medo de se arriscar quando necessário e ser dependente das pessoas ao seu redor.

Decisões importantes

O excesso de cuidado, muitas vezes, vem na forma de um “não”. Que pode ser necessário em algumas ocasiões, mas é preciso confiar que seu filho é capaz de tomar boas decisões com ou sem a sua presença. Ao mesmo tempo que o não é perigoso, a permissividade também é. Pais que resolvem tudo pelos filhos, sem estabelecer regras ou fazer eles entenderem que problemas existem para serem resolvidos, acabam tornando a criança desprotegida por si mesma. Ou seja, o excesso de cuidado atrapalha na independência e evolução da criança.

Pressão

Uma criança que não precisa lidar com seus próprios erros e acertos, com certeza, vai ser intolerante às frustrações da vida. Quando pressionadas, não saberão lidar com as coisas e acharão que não são capazes de fazer nada para melhorar. Quando os pais se tornam servos do filho, estando ali para tudo que eles precisam, a criança não se desenvolve e reage com agressividade na vida adulta, tornando bem mais difícil o convívio social e desencadeando problemas psicológicos graves.

Desenvolvimento

Deixe seu filho aprender sozinho, isso é mais que necessário. Antecipar o fracasso da criança pode frustrá-la e anular a sua capacidade de aprender com seus próprios erros. É só caindo que aprendemos a levantar.

Por isso, é tão necessário que cada um tenha as suas próprias experiências de mundo para lidar com a vida real.

A superproteção danifica a autoestima, saúde mental, segurança e frustra a criança, porque ela não tem necessidade de fazer nada por ela mesma. Sem contar nos inúmeros casos de abuso emocional que ela pode encontrar durante a sua vida adulta, precisando que alguém faça sempre tudo por ela ou permitindo que as pessoas tomem suas decisões.

Se você costuma superproteger seus filhos, mude a sua mente e comece a pensar no futuro deles. Não precisa deixar de cuidar, apenas não sufoque a criança pelos medos ocultos que você tem dela fracassar. Isso é perigoso para ela e para si mesmo.

Se você foi superprotegido durante a infância, é possível desaprender tudo o que lhe foi ensinado. Reeduque-se e cresça como ser humano, nunca é tarde para evoluir e procurar ajuda psicológica.

Ser ou criar uma pessoa independente e feliz não tem preço. Experimente!


Escrito por Juliane Rodrigues da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]