Autoconhecimento

Precisamos falar sobre família

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Muita gente não gosta de conversar sobre esse assunto tão natural, mas ao mesmo tempo tão impactante e, mesmo que simples, tão difícil: família. Sua família é a sua base. É aquele grupo de pessoas que criam você, dão sua educação, cuidam da sua saúde, integridade, formam sua moral e caráter. Defendem você quando necessário, dão risada com você, assim como também choram junto. Enfim, fazem o que for preciso.

Mas, por que, então, costumamos ter problemas com pessoas tão importantes em nossas vidas? Simples: porque é muito complicado. Por mais que um grupo de pessoas viva na mesma casa, receba a mesma educação e tenha os mesmos costumes, cada ser humano é único, tem seus pensamentos, opiniões, vontades, defeitos e qualidades.

E dependendo da época da vida – principalmente na pré-adolescência e adolescência – nossos gostos e vontades ficam confusas com a explosão hormonal. Essa confusão nos irrita sem que sequer percebamos e isso gera estresse, ansiedade e irritação exacerbada, mesmo em situações mínimas e motivos pífios.

Mas, com o tempo, o amadurecimento chega e você começa a perceber o verdadeiro sentido da vida. Como os momentos simples ao lado de seus pais, avós, tios e primos são importantes. O quanto uma conversa com alguém mais velho pode ensinar tanto quanto uma aula universitária ou aquele filme super cult, sobre o qual você até fez anotações.

Com o tempo, percebemos que foi besteira não aceitar aquele abraço carinhoso da mãe, aquele cuidado do pai, aquele conselho totalmente gratuito do avô e até mesmo aquele bom bate-papo com o irmão mais velho.

Por que deixamos tudo isso passar? Por que só percebemos o valor desses momentos depois da chance de vivê-los? Sorte daqueles que conseguem controlar os hormônios joviais e curtem tudo isso. Pena daqueles que, infelizmente, mesmo aos 40 anos ainda não saíram da adolescência e ainda não perceberam.

Não permita que isso aconteça com você. Valorize sua família e tudo o que ela pode lhe proporcionar. Quer saber como fazer isso? Como amadurecer e como valorizar e curtir cada um desses momentos?

Comece esquecendo-se de qualquer julgamento. Depois, olhe nos olhos de cada um da sua família. Perceba quais são os sentimentos que eles emanam. Ódio, ou amor? Raiva, ou carinho? Desprezo, ou preocupação? As respostas são claras.

Mesmo que seu pai faça você arrumar a cama. Mesmo que sua mãe lhe diga para lavar a louça do almoço e ir ao mercado bem no meio do jogo de futebol. Mesmo quando sua irmã mais nova conta para o seu namorado sobre aquele momento embaraçoso que nunca deveria ter sido dito em voz alta. Mesmo com todos os defeitos, os olhos da família são sempre recheados de sentimentos bons.

Sentimentos bons estão em falta hoje em dia. Então, valorize-os. Porque se um dia você precisar (e você vai precisar, acredite), são eles que estarão ao seu lado. Mesmo com todos os defeitos deles, e mesmo com todos os seus defeitos.

Porque na maioria dos dias você não arruma sua cama. Você mal tira o prato que come de cima da mesa. Você fala que vai ao mercado, mas esquece. Você também é cheio de defeitos. E mesmo assim sua família faria qualquer coisa por você. Como pode, não é? O amor é inexplicável.

Deixe que o seu amor por sua família fale mais alto que qualquer estresse, rancor, ou mágoa. Seja grato, seja amoroso, seja honesto, seja carinhoso. Sua família merece. E você também.


Texto escrito por Giovanna Frugis da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]