Autoconhecimento

Qual é a diferença entre sexo, gênero e orientação sexual?

Sinais de gênero masculino e feminino em fundo azul e rosa.
yuragolub / 123RF
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Se você é LGBTQIA+, é provável que já tenha entendido há muito tempo os conceitos de sexo, gênero e sexualidade, mas muita gente que está conhecendo esses assuntos agora ou que tem várias dúvidas a respeito disso fica confuso na hora de diferenciar essas definições tão diferentes entre si.

E você, sabe diferenciar sexo, gênero e orientação sexual? Se não sabe ou está confuso quanto a isso, você está lugar certo, porque preparamos este artigo com o intuito de explicar todos os detalhes a respeito, confira!

O que é sexo?

Sexo é uma definição biológica, isto é, tem a ver com o nosso corpo e a nossa anatomia. Biologicamente, nascemos com o sexo masculino ou com o sexo feminino; homem, se temos pênis e o aparelho reprodutor masculino, ou mulher, se temos vagina ou aparelho reprodutor feminino. Além disso, características secundárias, como barba, no caso dos homens, e seios, no caso das mulheres, também estão vinculadas às características sexuais e, portanto, biológicas.

Aqueles que, por qualquer motivo, não se sentem à vontade com sexo com o qual nasceram podem optar por cirurgias de readequação/redesignação sexual, que “constroem”, a partir do órgão sexual e do aparelho reprodutor, os mesmos elementos do sexo oposto. Essas operações são chamadas genitoplastias.

O que é orientação sexual?

Orientação sexual é o nome dado ao impulso que faz com que alguém sinta atração física/sexual/romântica por outra pessoa. É um conjunto de estímulos, conceitos, desejos e opiniões (muitas vezes inconscientes) que determinam por qual tipo de pessoa sentimos desejo. A orientação sexual pode depender de aspectos físicos, sexuais, de gênero, de personalidade, entre muitos outros. Ou seja, é o que nos faz sentir desejo e atração por determinadas pessoas.

Há quatro principais orientações sexuais, mas a diversidade entre uma e outra é muito grande. As mais conhecidas são heterossexual (atração por pessoas do sexo/gênero oposto), homossexual (atração por pessoas do mesmo sexo/gênero), bissexual (atração por pessoas de ambos os sexos/gêneros) e assexual (pouca ou nenhuma atração por pessoas de todos os gêneros).

Bandeira LGBT com o escrito "Love is Love"
2 North / Pexels

Atualmente, esses conceitos foram expandidos e há muitos outros tipos de orientação sexual reconhecidos e debatidos, como pansexual (atração por todos os tipos de pessoa, independentemente de gênero/sexo), demissexual (atração física/sexual/romântica por alguém somente após a criação de um vínculo emocional), sapiossexual (atração especialmente pela inteligência e pelas capacidades intelectuais de alguém) ou litossexual (atração somente por pessoas que não correspondem a esse desejo).

É quase consenso, porém, entre psicólogos e sexólogos, que esses rótulos de orientações sexuais não englobam todas as individualidades e especificidades da maneira como manifestamos nosso desejo e o modo como sentimos atração por outras pessoas, então viver sua sexualidade sem se ater a rótulos é, provavelmente, a melhor opção entre todas as possíveis.

O que é identidade de gênero?

Esse é o conceito mais “complicado” entre esses três porque não se baseia em nada biológico ou mais definido, como a orientação sexual. A questão, neste caso, é puramente social e diz respeito ao modo como cada pessoa entende o que representa os gêneros masculino e feminino.

Não existe uma definição do que é masculino e do que é feminino. O que temos é generalização ou opiniões pessoais a respeito de valores, condutas, posturas e comportamentos que são associados aos gêneros feminino e masculino. Enquanto, por exemplo, para uma pessoa, usar roupa rosa pode ser um comportamento feminino, para outra, isso não tem absolutamente nada a ver.

Símbolos do homem e da mulher projetam sombras na forma de um transgênero em fundo azul
adragan8 / 123RF

Portanto cada pessoa, com base em sua vivência, em suas opiniões e em seus conceitos, pode se sentir mais representada por um desses dois gêneros, pelos dois ou até mesmo por nenhum, e essas pessoas são consideradas não-binárias, que é um termo “guarda-chuva” que abriga diversos tipos de pessoas que se distanciam dos gêneros masculino e feminino.

Entre as identidades de gênero possíveis, temos:

• Cisgênero: pessoa que se identifica com o gênero do seu sexo biológico;

• Transgênero binário: pessoa que se identifica com o gênero oposto ao seu sexo biológico;

• Transgênero não-binário: pessoa que não se identifica com nenhum dos gêneros binários ou com apenas algumas características deles (ver exemplos abaixo).

“Dentro” dos transgêneros não-binários temos muitos subgrupos, entre eles:

• Andróginos: gênero que mescla características, especialmente estéticas, dos gêneros masculino e feminino;

• Bigêneros: pessoas que se identificam com ambos os gêneros;

• Pangêneros: pessoas que se identificam com muitas ou todas as identidades de gênero e variações possíveis;

• Agêneros: pessoas que não se identificam com nenhum gênero;

• Entre muitos outros.

Você também pode gostar

Ainda que possam se confundir e parecer características de uma mesma questão, há muitas diferenças entre os conceitos de sexo, identidade de gênero e orientação sexual, alguns que se relacionam mas muitos independentes uns dos outros. Agora que você tirou todas as suas dúvidas a respeito desse tema, explore a sua personalidade, a sua sexualidade e a sua identidade, mas lembre-se: rótulos são só rótulos e jamais vão dar conta de definir nossa individualidade, então não se preocupe com eles e seja você!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br