Autoconhecimento Comportamento

Quando a tristeza é parte da vida e quando é preocupante para a saúde?

Imagem de fundo azul trazendo a figura de um homem sentado no chão. Ele segura entre as suas mãos e na frente do rosto uma placa vermelha onde está desenhando uma carinha triste.
PDPics / Pixabay
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Você já deve ter ouvido a pequena frase: “Está tudo bem em não estar bem”, que costuma estar estampada em redes sociais como forma de expor que ninguém tem que estar feliz o tempo todo. De fato, ninguém precisa estar sorridente 24 horas por dia. E mesmo se precisasse, nem sempre isso seria possível.

Às vezes, simplesmente nos sentimos tristes, seja por motivos concretos, seja por termos acordado “com o pé esquerdo”, por exemplo. Mas até onde será que essa tristeza pode ser considerada normal? Você sabe distinguir o que faz parte da sua vida e o que precisa de mais atenção? A vida humana muitas vezes é comparada a uma roda gigante: em um momento, estamos em cima; em outro, embaixo. Como somos seres humanos, não sabemos lidar de forma adequada com todas as situações que vivemos.

Não somos super-heróis e não temos superpoderes para afastar todas as coisas ruins que nos cercam. Em alguns casos, esmorecemos, desanimamos… até conseguirmos novamente recuperar o fôlego para prosseguirmos. Mas a linha entre a tristeza normal e a que pode afetar a nossa saúde é tênue, e antes de rotular qualquer coisa, é necessário ressaltar que cada pessoa é de um jeito, funciona de um jeito e lida de formas diferentes com as situações da vida.

O diálogo sempre será a melhor opção; por isso, ter acompanhamento com um profissional – como fazer terapia, por exemplo – pode ajudar você a entender um pouco mais sobre o que está sentindo.

Como saber se a tristeza que você sente é preocupante?

Já citamos anteriormente que ninguém é feliz o tempo todo. Você pode brigar com um amigo e ficar arrasado, pode sofrer o luto do final de um relacionamento, perder um ente querido ou até mesmo rodar na faculdade – você é de carne e osso, tem sentimentos e, por isso, obviamente se sentirá triste. Quando um namoro termina, geralmente temos a sensação de que nunca superaremos tal rompimento. Até que o tempo passa, e nós nos cercamos de pessoas amigas, recuperamos nossas forças e seguimos em frente, não é mesmo?

Imagem de fundo preto e nela a figura de um homem de cabeça baixa e com as duas mãos sobre o rosto. Ele está triste.
StockSnap / Pixabay

A tristeza é comum, sim! Se você sente tristeza após acontecimentos precisos, saiba que ela simplesmente faz parte da vida humana e estará presente na sua rotina por motivos mínimos – mas também passará sem que ao menos você perceba. É como se você estivesse triste agora, ficasse feliz em minutos e nem se lembrasse da sensação negativa que estava tendo. Enquanto o “estar triste” não atrapalhar a sua produtividade, tudo está sob controle!

Quando você deve ficar alerta?

Um dos principais indícios de que você precisa de mais atenção com a sua saúde é quando a tristeza afeta diretamente a sua produtividade. Sabe quando você deixa de fazer coisas constantemente, afasta-se dos amigos, da família e prefere se isolar em decorrência tristeza que está sentindo? É nessas horas que você necessita de cuidados.

Sentir-se triste por um tempo que não passa pode até mesmo ser considerado depressão! Sua atenção deve ser redobrada se as causas desse sentimento não forem concretas. Se você simplesmente se sente triste sem nenhuma causa aparente, isso é um provável sinal de que você pode ter alguma desordem na produção de determinadas substâncias cerebrais ou até mesmo alguma herança genética.

Imagem de um menino triste e debruçado no para peito de uma janela de vidro. A janela está fechada e nela constam pingos de chuva.
Shlomaster / Pixabay

Qual a diferença entre tristeza e depressão?

Resumidamente, a tristeza dura pouco tempo: minutos, horas ou menos de duas semanas. Enquanto a depressão, quando não tratada, pode durar alguns meses ou até mesmo anos. A tristeza normal não nos incapacita, a depressão já afeta diversas áreas da nossa vida, como trabalho, família, relação com amigos etc. – em casos mais sérios, pessoas depressivas podem ter tendências suicidas. Uma outra diferença entre ambas é que a tristeza é o resultado de algum acontecimento, ao passo que a depressão pode ser desencadeada por fatores pessoais, genéticos ou ambientais. É de extrema importância deixar claro que a tristeza não tratada somada a outros fatores pode, sim, desenvolver uma depressão. Cuide sempre da sua saúde mental!

Indícios de que a tristeza está afetando a sua vida

Quando nos sentimos tristes, vamos deixando tudo para depois, até criarmos aquela “bola de neve” de problemas e questões que precisam de resolução. Mas há alguns sinais que podem chamar a sua atenção e indicarem que você precisa olhar mais para si mesmo. Confira:

– Desprazer ou falta de interesse em coisas que antes lhe faziam bem.
– Dormir pouco ou muito.
– Perder ou ganhar peso de forma involuntária.
– Ter dificuldade de concentração.
– Não conseguir tomar decisões.
– Sentir-se sempre culpado ou inútil.
– Ter episódios de raiva.
– Sentir que está sempre cansado ou com vontade de sumir.
– Não ter ânimo para nada.

Imagem de um senhor triste, cabisbaixo. Ele está com uma de suas mãos segurando um do lado do seu rosto. Ele usa bigodes e uma boina sobre a cabeça.
Pexels / Pixabay

O que fazer com a tristeza?

O primeiro passo é olhar para ela. Quando fugimos do que sentimos, automaticamente adiamos o que precisamos resolver. Ignorar o sentimento de tristeza ou mascará-lo é a pior coisa que você pode fazer! Admita que se sente triste e que, sim, precisa de ajuda – seja da família, seja dos amigos. E, claro, se você puder procurar por um psicólogo, melhor!

Doenças como ansiedade, depressão, pânico e fobias vêm sendo cada vez mais mencionadas em todos os veículos de informação. Não existe mais tabu e muito menos vergonha: todas as pessoas estão falando sobre esses assuntos e criando uma rede de apoio. Se você se sente triste constantemente, busque tratamento médico e aproxime-se mais de quem você gosta. Para tudo há um jeito!

Como tratar a tristeza e a depressão?

Quando a tristeza se torna patologia, devemos imediatamente buscar ajuda médica. Consultar um psicólogo e um psiquiatra é o mais indicado. O tratamento é feito com terapia e medicamentos – mas, junto a isso, você pode praticar a atividade física de que mais gosta, ouvir música, praticar meditação, frequentar lugares que lhe proporcionem sensações positivas. Tudo depende do que lhe dá um pinguinho de felicidade!

Nem sempre as pessoas entenderão os seus sentimentos ou terão empatia. Mesmo assim, não desista! Acredite: você pode sentir, sim, felicidade, mesmo que a tristeza seja desconfortável e te tire um pouquinho do prumo. Todas as fases ruins da nossa vida passam e se tornam aprendizados. Assim como a felicidade dá espaço para a tristeza em alguns momentos, a tristeza também dará lugar à felicidade.

Imagem de uma garota usando shorts e camiseta sentada no chão de um pier e na frente do mar. Ela está triste, com a cabeça baixa.
Sasin Tipchai / Pixabay

Você também pode gostar

Se você não tem com quem conversar e está sentindo uma tristeza intensa, ligue para o Centro de Valorização da Vida (número 188). Nesse canal, você conseguirá falar com pessoas que estão dispostas a te ouvir, sem julgamentos! A ligação é gratuita e trará algum alívio para a sua dor. Não hesite em acreditar que a dor passará e que você sorrirá novamente!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]