Saúde Integral

Tenha um cachorro e diminua o seu estress

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Ele é o melhor amigo do homem. O clichê é uma realidade. O cão é o que se pode chamar de “pau para toda obra”, ele sempre está ao lado do seu dono. Para o animal, não importa qual a situação econômica, mesmo debaixo da ponte, o cão não larga seu dono por nada. Para o cachorro, estar ao lado de quem ama é o mais importante. Os peludos ficam super contentes ao lado do seu dono, a alegria é tanta, que eles correm para abraçar a pessoa e acabam derrubando. Se você tem ou já teve um amigo de quatro patas, sabe que isso é verdade.

É como diz a propaganda: “Cachorro é tudo de bom”. Mas é preciso pensar muito antes de comprar um. Ter um animal em casa, seja qual for, impacta a vida da família. Quer uma dica? Procure feiras de adoção realizadas por ONGs especializadas. O que não falta são peludos abandonados loucos para encontrar uma nova família. Nesses eventos, voluntários e veterinários esclarecem todas as dúvidas para os futuros “papais” e “mamães” adotarem conscientemente. Os cachorros das feiras de adoção já estão castrados e vermifugados. Antes de adotar ou comprar, veja o que você precisa saber:

Realmente quero ter um cachorro?

Seu amigo tem cachorro e você se derrete todo quando vê o bicho? Brinca e pensa como seria bom ter um cãozinho em casa? Mas, depois de algumas horas, você se despede e fica com boas lembranças. Você não vê o trabalho que seu amigo tem. Sim, cuidar de um animal dá muito trabalho. Você terá espaço, tempo e dinheiro? Ficar o dia todo numa kitchenet é sufocante para uma pessoa, imagine para um cachorro. O animal precisa fazer exames de rotina, ser vacinado e vermifugado. Banho e tosa também custam dinheiro. Leve tudo isso em consideração antes de comprar ou adotar.

– Características da raça

Você fica encantado pelo filhote. Tão pequeninho, parece até um ursinho de pelúcia. Mas, depois de alguns meses, você descobre que o filhotinho é um Fila Brasileiro. Esse cachorro é muito grande e forte (75 centímetros e 70 quilos). O Fila ainda é cheio de energia. Esse é um dos grandes erros de quem compra ou adota. Busque informações sobre a raça na internet e pergunte mais características na loja ou feira.

Dica: Buldogue Francês, Boston Terrier, Pug e o Poodle Toy são os mais indicados para apartamentos.

– Como preparar o território?

Leve ao veterinário para uma avaliação. Na primeira consulta, o profissional pesa, dá dicas sobre alimentação e cuidados com os dentes. O veterinário faz perguntas sobre o cachorro e estilo de vida do dono. É a hora para tirar suas dúvidas. O pet ainda é filhote? Assim como recém nascidos, os cachorrinhos querem por tudo na boca. Você vai precisar fazer o seguinte:

  • Colocar telas nas janelas, especialmente as mais baixas
  • Esconder produtos de limpeza, remédios e objetos perigosos
  • Adquirir uma lixeira alta

– Escolher o veterinário

Peça indicações para amigos e parentes. Vá aos consultórios e converse com o profissional. Veja se o local é limpo e equipado.

– Chegando em casa

No primeiro dia, o cãozinho deve dormir no quarto do dono. Isso é para o animal se acostumar e sentir que será protegido.

– Atenção com as crianças

Tem bebê em casa? Muita atenção com ele e com o cão. Um pode machucar o outro.

– Kit Cão

Quando chegar com o cachorro, ele já precisa ter:

  • Ração e tigelas para comida e água
  • Caminhas
  • Coleira com nome e número de telefone
  • Escova de dente e pelos
  • Brinquedinhos

– Escolher a comida

Os cães precisam de alimentação específica. Ração molinha, por exemplo, é para filhotes. Durante a fase de crescimento, o cachorro precisa de maior quantidade de proteínas e calorias. Você precisa ter cuidado com alguns alimentos. Chocolate, uva, alho, cebola e sal são proibidos. O chocolate, por exemplo, tem teobromina, substância que provoca tremores musculares, ataques cardíacos e hemorragias internas. A ingestão de teobromina pode ser fatal. Se quiser dar um chocolate, procure as versões especiais para cães.

– Quantas vezes por dia?

Depende do tamanho, da idade e se pratica atividade física. Filhotes de dois meses precisam comer quatro vezes ao dia. Aos quatro anos, o ideal é três vezes por dia. Após os oito meses, duas vezes por dia, segundo orientação médica. A quantidade das porções diminui se a ração for premium. Atenção: não deixe a comida à disposição o tempo todo.  Tire a tigela após dez minutos, mesmo se o animal não tiver comido. Aumente para vinte minutos caso ele coma devagar. Alimente seu cão sempre no mesmo horário. Confira a tabela abaixo sobre quantidade de comida:

  • Até 5 kg: 200 gramas
  • De 5 kg a 15 kg: de 200 a 525 gramas
  • De 15 kg a 25 kg: de 525 a 750 gramas
  • Acima de 25 kg: em torno de 750 gramas

– Identificar sinais de doença

Leve ao veterinário se o animal comer pouco ou não comer, dormir demais e tiver diarreia, vômito e febre.

– Pentear os pelos e cortar unhas

Deve ser feito todos os dias. Assim, o animal se acostuma ao seu toque. Cada raça pede um pente. O cachorro precisa ter as unhas cortadas para não machucar a si e aos demais.

– Adestramento

Um bom profissional ensina comandos e como se comportar com outros cães. O treinamento deve continuar em casa.

– Local das necessidades

Farejar o chão ou correr para lá e cá indicam que o cão precisa ir ao banheiro. Pegue o animal e leve a lavanderia ou o cantinho reservado no quintal. O animal fez direitinho? Então comemore. O cachorro ficará feliz por saber que progrediu.

– Passeie e brinque

Caminhadas são boas para a saúde física e mental. Reserve todos os dias 60 minutos. Divida esse tempo em dois ou três passeios. Já as brincadeiras fazem os cachorros extravasarem a energia e trabalhar a coordenação motora. Nessa hora, sempre utilize os brinquedos.

– Vacinas, pulgas, vermes e castração

Confira abaixo quais vacinas devem ser tomadas de acordo com a idade do filhote, e outras informações importante sobre os cuidados com a saúde do cão:

  • 6 e 9 semanas: hepatite canina, cinomose, parainfluenza, etc
  • 12 e 16 semanas: primeira dose da vacina antirrábica
  • Aplique um medicamento para pulgas específico para a raça, ou medicamento especialmente preparado para o animal. Se houver outros cães, estes também deverão ser tratados
  • O animal toma medicamento para vermes na primeira ida ao veterinário
  • Veterinários aconselham que a castração deve ser feita entre quatro e seis meses

Fêmeas são mais legais que machos?

É o que dizem os pesquisadores suecos. O estudo feito com 400 cachorros Bealges foi conduzido pelo professor Jensen, da Universidade de Linkoping. Um dos testes foi colocar os animais atrás de duas portas fáceis de abrir, uma estava trancada com chave. Atrás das portas, tinham aperitivos. As fêmeas não pestanejaram em pedir ajuda aos donos. A pesquisa comprovou ainda que as fêmeas cooperam e respeitam mais os donos. O condutor do estudo aponta que este comportamento pode ser atribuído aos instintos.

Cachorro dá trabalho, mas anima a casa. Quer saber mais? Ter um cão faz bem a saúde física e mental. Pessoas com o animal em casa são menos estressadas. Exagero? Nada disso. Cada vez mais, pesquisas comprovam que, de fato, o cachorro é o melhor amigo do homem.  Vamos provar que ter um cachorro é ter saúde.

Bom humor e mais saúde

Quem tem cachorro é abordado na rua. Dessa interação com curiosos ou donos de outros cães, podem nascer amizades e até casamento. Existem grupos de discussão em redes sociais. O Buldogue Francês – São Paulo reúne 3 mil membros no Facebook. Este é o maior grupo na rede social sobre a raça. A conversa não fica só no virtual, não. Os administradores dos grupos marcam encontros entre os participantes. De uma forma ou de outra, ter cachorro é uma ótima maneira de fazer amizades. Donos de animais de estimação são mais felizes, mais confiantes e ficam menos doentes.

Coração saudável

Caminhar com o cachorro é de lei. O exercício reduz a pressão sanguínea do dono. Pessoas que têm animais de estimação e sobreviveram a um ataque cardíaco vivem mais tempo.

Xô, estresse!

Uma pesquisa americana analisou 643 crianças, entre quatro e dez anos. Dessas, 58% tinham um cachorro em casa e 42% não. Foram analisados fatores como índice de massa corporal, atividades físicas, tempo em frente ao computador/TV e saúde mental. Entre as crianças que tinham cachorro, 12% eram estressadas e tinham ansiedade. No grupo sem o animal de estimação, 21% apresentavam esses sintomas. O contato com animais de estimação faz o corpo liberar o hormônio do relaxamento (ocitocina) e diminui a liberação do hormônio do estresse (cortisol). Essa interação também faz bem aos cachorros, pois aumenta os níveis de ocitocina tanto no humano quanto no cachorro. O animal fica mais relaxado.

Fortalece o sistema imunológico dos bebês

Bebês que crescem ao lado de cachorros têm menos resfriados e infecções de ouvido no primeiro ano. As crianças com problemas respiratórios têm menos alergias e crises de asma.

Socializa crianças autistas

Os cães ajudam crianças autistas a se relacionarem com outras crianças. O rendimento delas na escola também é beneficiado. O cachorro ajuda a reduzir os níveis de cortisol.

Viu só como os cachorros fazem bem? E ainda existem outras razões. Descobrimos mais alguns motivos para mostrar que os cães são super especiais:

Eles sabem quando estamos tristes

Quando você está triste, o cachorro logo vem lamber seu rosto e suas mãos.

Identifica alimentos que causam alergia

Caso o dono seja alérgico a alguma comida, o cão pode ser treinado para impedir que a pessoa coma este alimento.

Fazem idosos irem menos ao médico

Idosos com cães em casa ficam mais alegres e confiantes. Esse bem estar diminui as visitas ao médico.

Diminuem o estresse antes das provas

Brincar com cachorros durante o período de provas deixa o estudante mais relaxado. A tranquilidade pode aumentar o rendimento do aluno.

Reduzem o estresse no trabalho

Cada vez mais empresas permitem que os funcionários levem o cachorro para o trabalho. Os trabalhadores que desempenham suas funções ao lado do cão apresentam resultados melhores.

Ajudam a superar TEPT

Cachorros amenizam os efeitos do Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) em soldados. O bem estar transmitido pelo carinho e companheirismo dos animais resgatam a alegria dos pacientes.

Cicatrizam feridas

Quando o cachorro beija (lambe) alguém, não está apenas demonstrando carinho. Assim como a saliva humana, a saliva canina estimula nervos e músculos, o que melhora a circulação de oxigênio no corpo

Detectam baixo índice de açúcar no sangue

O olfato ajuda a identificar quando o dono está com pouco açúcar no sangue.

Previnem convulsões

Algumas raças podem prever convulsões com horas de antecedência. Os pesquisadores ainda não descobriram como e por que isso acontece.

Podem detectar câncer

Cachorros detectam câncer de pulmão com precisão de 70% a 99%.

Tornam melhor a vida de doentes mentais

A companhia de um cão traz bem-estar ao doente. Como o animal sempre faz tudo para seu dono se sentir bem, o paciente fica feliz, pois sabe que alguém se importa.

Ajudam portadores de fibromialgia

Quem tem fibromialgia sente muitas dores. Porém, os pacientes que vivem ao lado de cães da raça Xolo têm os sintomas amenizados. A temperatura desse cão raro e sem pelos conforta o paciente.

Podem prevenir bullying

Algumas escolas utilizam cachorros para combater o bullying. A moral dessa história é: não trate mal as pessoas, pois você não trataria mal um cão. As instituições colhem resultados positivos.

Ter um cachorro é maravilhoso. É um parceiro para todas as horas. Todas as horas mesmo. Ele percebe nossa tristeza e faz tudo para consolar. Esse amigão só quer ver o dono feliz e não pede nada em troca. O compositor Vinícius de Moraes tinha uma visão engraçada sobre a amizade canina: “O uísque é o melhor amigo do homem, ele é o cachorro engarrafado.” Mas a grande definição sobre o amor desinteressado de um cão por seu dono é de John Grogan. O jornalista e escritor americano é o autor de Marley & Eu, best seller adaptado para o cinema. Veja o que ele disse:

“Cães não precisam de carros luxuosos, casas grandes ou de roupas chiques. Água e alimento já são o suficiente. Um cachorro não liga se você é rico ou pobre. Esperto ou não. Inteligente ou não. Entregue o seu coração e ele dará o dele. De quantas pessoas podemos dizer o mesmo? Quantas pessoas fazem você se sentir raro, puro e especial? Quantas pessoas nos fazem sentir extraordinários?”.

E não é verdade?


  • Escrito por Sumaia Santana da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]