Espiritualidade

Termo budista: Bons amigos e maus amigos (zentishiki e akutishiki)

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Esse princípio do budismo nitiren retrata sobre as pessoas com quem convivemos diariamente, as que de alguma maneira não fazem mais parte da nossa vida e as pessoas que ainda iremos conhecer.

No budismo, uma pessoa que ajuda outra a atingir a sua iluminação – o qual é denominado estado de buda – ensinando-lhe sobre o budismo, as boas ações e encorajando a pessoa a vencer com base na fé, é chamada de “bom amigo” ou “influência positiva” (zentishiki, em japonês). Por outro lado, uma pessoa que impede o desenvolvimento de seus amigos e não encoraja-os a vencerem é chamada de “influência negativa” ou “mau amigo” (akutishiki).

Nossa vida é permeada de inúmeros acontecimentos diariamente, sejam eles causados por nós mesmos ou não. E isso retrata também na maneira que vivemos, em nossas ações, inclusive as pessoas que atraímos para nosso convívio. Em alguns momentos, nós que escolhemos nossas amizades, em outras não. Ela simplesmente acontece. No entanto, é natural que nos deparemos com bons amigos e maus amigos, e até amigos que imaginamos ser bons mas que na realidade nos desviam do caminho correto em nossa vida: a nossa felicidade absoluta, e vice-versa.

No 27º capítulo do Sutra de Lótus, Myoshogonno (Os feitos anteriores do Rei Adorno Maravilhoso), consta: “Um bom amigo é uma grande causa e circunstância. Em outras palavras, é aquele que ensina e guia outros, capacitando-os a adquirir a sabedoria do Buda e despertando-os para a iluminação”. Na escritura “Três mestres tripitaka oram por chuva”, Daishonin afirma: “Quando se transplanta uma árvore, mesmo que soprem ventos violentos, ela não tombará se tiver uma firme estaca para mantê-la em pé. Porém, mesmo uma árvore que cresceu em um lugar adequado pode cair se suas raízes forem fracas. Uma pessoa fraca não sucumbirá se aqueles que a apoiam forem fortes, mas uma pessoa de considerável força, quando só, poderá tropeçar num terreno irregular (…). 

“Portanto, o melhor modo de atingir o estado de Buda é encontrar um zentishiki, ou um bom amigo. Até onde a sabedoria de uma pessoa pode levá-la? Se essa pessoa possui sabedoria suficiente pelo menos para distinguir o quente do frio, deve procurar um bom amigo.

“Contudo, encontrar um bom amigo é algo muito difícil. Assim, o Buda comparou esse feito à raridade de uma tartaruga de um olho só achar um tronco de sândalo flutuante com uma cavidade com tamanho certo para comportá-la, ou à dificuldade de puxar uma linha do Céu Brahma e passá-la pelo orifício de uma agulha na Terra. Além do mais, nestes maléficos Últimos Dias, os maus companheiros são mais numerosos do que partículas de pó que compõem a terra, ao passo que a quantidade de bons amigos é menor do que a de grãos de poeira que se consegue amontoar sobre a unha de um dos dedos da mão”.

É importante sabermos que a verdadeira alegria em termos os verdadeiros e bons amigos quando estes nos apoiam e nos direcionam para a nossa felicidade absoluta, sem interesses muitos menos “vírgulas”. Também é de suma importância sermos esses zentishikis na vida de nossos amigos.

Quando nossos amigos sofrem, devemos nos munir de fé e incentivá-los com todo o coração, encorajando-os a vencerem em suas vidas.

Não é uma tarefa fácil ser um zentishiki, ao passo de que não é fácil estarmos sempre rodeados de zentishikis, por isso é importante analisarmos quais causas estamos fazendo em nossa vida, sejam elas por meio de palavras, ações ou pensamentos.

Um akutishiki pode ser também aquele suposto amigo, que mesmo sabendo que estamos cometendo erros em nossa vida, não nos alerta e até concorda com o que estamos fazendo. A oração com profundo senso de discernimento é muito importante para sabermos quem são nossos bons e nossos maus amigos.

Além disso, é preciso buscar o próprio desenvolvimento e amadurecimento como ser humano, para que assim estejamos sempre rodeados de bons amigos, de pessoas que nos impulsionam para nossos objetivos. Sócrates disse certa vez:

“Para conseguir a amizade de uma pessoa digna é preciso desenvolvermos em nós mesmos as qualidades que naquela admiramos”.

Sejamos os zentishikis na vida das pessoas ao nosso redor. Afinal, ser zentishiki é ser muito chique.


Texto escrito por Bruno da Silva Melo da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]