Autoconhecimento Cidadania Consciência Aplicada Filosofia

A ética da empatia

ética empatia
Escrito por Jaciane Mascarenhas
A ÉTICA, compreendida como um conjunto de regras e preceitos de ordem valorativa e moral  de um indivíduo, de um grupo profissional ou de uma sociedade, sempre foi imprescindível para uma convivência pacífica e para o respeito dos direitos sociais e individuais. Neste sentido, sempre que falamos em ética a primeira ideia que surge em nossa mente é a obediência a regras, códigos de conduta, regulamentos entre outras coisas deste tipo. Mas segundo a opinião do filósofo Ken Wilber, entender a Ética dessa forma convencional, isto é, como um conjunto de regras ou leis às quais devemos uma “obediência infantil” faz parte  de uma visão egocêntrica do mundo, onde impera um egoísmo pouco inteligente, cuja premissa é ser “um bom rapaz” ou “uma boa moça”, alguém politicamente correto, por assim dizer.

Ken Wilber defende a tese de que se nós pudermos elevar nossa consciência, a Ética poderia ser mais inteligente, renovadora e divertida como a vida deve ser, seria uma manifestação consciente da liberdade e de um interesse que vai mais além do interesse por si mesmo. A Ética pensada desse modo seria pós-convencional e basicamente se fundaria na empatia, pois sua premissa principal seria incluir o maior número de perspectivas possível na resolução de conflitos éticos e morais. O indivíduo ético, dessa forma, desenvolveria a capacidade de assumir perspectivas cada vez mais amplas, desde a perspectiva do “EU – Ego” (onde tudo gira em torno de si mesmo), passando a incluir a visão da segunda pessoa “Nós” (onde as coisas giram em torno da nossa família ou do nosso grupo) e por fim chegaria a englobar a visão da terceira pessoa “Todos nós”, na qual estaria incluída a perspectiva de todos os seres humanos e seres vivos do planeta.

Outro ponto interessante da tese de Ken Wilber é o fato de que ele considera a Ética como o exercício da bondade em nossa vida cotidiana que leva em conta todas as formas de sinceridade, autenticidade, respeito e caráter que compõe nossa integridade básica. Noutras palavras, ele propõe uma evolução da Ética para níveis mais elevados de pensamento, onde o indivíduo abandone a visão egocêntrica de mundo, na qual só faz sentido cumprir as regras pelo fato de serem mandamentos coercitivos, para adotar a “visão mundicêntrica”, uma versão mais flexível e sensível, onde o indivíduo seja íntegro em razão da elevação de sua consciência e da aquisição de uma “sensibilidade ética”, ou seja, que ele desenvolva a habilidade de se sintonizar com as exigências do momento de modo que se torne capaz de adotar a perspectiva alheia, através da empatia, o que o levaria a perceber qual deveria ser a ação correta ou incorreta na situação.

Assim, com o desenvolvimento dessa capacidade empática de assumir a perspectiva do outro, ele inclusive sugere que nós ultrapassemos a Regra de Ouro, aquela segundo a qual devemos fazer ao outro aquilo que gostaríamos que fosse feito a nós, e que passemos a adotar em nossa vida a Regra de Platina, um conceito desenvolvido pelo filósofo Karl Popper, que consiste em “tratar os outros como eles gostariam de ser tratados”. Quando concebeu essa regra Karl Popper disse que “Ainda que a regra de ouro seja um bom estandarte, pode ser melhorada se tratarmos os outros, sempre que possível, do modo como eles gostariam de ser tratados”.

Em tempos em que tanto se fala de empatia, e quando tanto se precisa da Ética, pensar numa ÉTICA DA EMPATIA vem muito a calhar, pois se já é louvável que nós sejamos éticos, ainda que em razão de uma visão egocêntrica de mundo e ainda que motivados pelo simples desejo de parecer “politicamente corretos”, seria ainda mais louvável (e desejado) que nós pudéssemos transcender os níveis do nosso próprio Ego para, num nível seguinte, adquirir a capacidade de adotar a perspectiva alheia em qualquer situação de nossa vida cotidiana e, através do exercício da autêntica empatia, pudéssemos tratar os outros como eles gostariam de ser tratados, e não conforme a nossa visão pessoal egocêntrica, na qual nos determinaríamos como o outro deseja ser tratado, segundo a nossa própria perspectiva. É um exercício difícil, eu sei. Já é bem difícil tratar os outros como nós gostaríamos de ser tratados, quiçá como eles gostariam de ser tratados. Mas eu sigo firme na canção de John Lennon.

Imagine….

Se pudéssemos dar este grande salto na evolução de nossas consciências, imagine os tribunais se esvaziando, imagine os conflitos deixando de existir, imagine a atmosfera de paz, cooperação, sintonia e reciprocidade em que viveríamos. Imagine a riqueza dos nossos relacionamentos. Imagine quantas coisas boas aconteceriam. Imagine quão harmônico e feliz seria um mundo de paz…

Todas ideias utópicas, é verdade, mas as melhores ideias o são! Quem sabe um dia chegaremos lá.

Imagine…

 

Você também pode gostar desse artigo da autora: Por um feminismo ético-espiritual

Sobre o autor

Jaciane Mascarenhas

Advogada, Escritora e Coach de vida e espiritualidade. Seu propósito e missão de vida é ajudar as pessoas a despertar para os potenciais mais elevados e altruísticos que possuam. Acredita que o autoconhecimento e a espiritualidade, com ou sem religião, podem ajudar o ser humano a promover uma cultura de paz, harmonia e compaixão no mundo. Meditadora e buscadora espiritual há mais de 10 anos, pensou não poder conciliar sua profissão de advogada com a missão de ajudar as pessoas a viver mais feliz e em paz consigo, mas num profundo processo de autoconhecimento, descobriu uma nova maneira de ser, ressignificou sua trajetória e hoje vive com um propósito maior de servir o próximo com todas as suas potencialidades e dons.

Contatos
Email: [email protected]
Facebook: Jaciane Macarenhas
Instagram: Jaciane Macarenhas
Whatsapp: 011 95832 4962