Espiritualidade

A importância do tripé: fé, prática e estudo

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Obuda Nitiren Daishonin elucidou a importância do tripé fé, prática e estudo no século XIII, afirmando que esses fatores são importantes para viver de forma inabalável, usufruindo dos benefícios mediante à prática do budismo.

Daishonin sobre a questão da fé: “O mais importante é recitar o Nam-myoho-rengue-kyo de tal modo que possa alcançar o estado de Buda. Tudo depende da força de sua fé. O budismo toma a fé como a fonte fundamental da iluminação Conhecimento sem fé é uma descrição daqueles que são versados, mas não acreditam na doutrina. Essas pessoas jamais atingirão o estado de Buda [felicidade absoluta]. Aqueles que têm fé sem conhecimento podem estar privados do conhecimento sobre a doutrina, mas, uma vez que nela acreditam, podem atingir o estado de Buda.”

Fé nada mais é que acreditar veementemente em algo ou alguém. “A fé move montanhas”. NItiren Daishonin deixa claro que é extremamente importante acreditar naquilo que se pratica, se não, será uma fé dissolúvel e sem força.

Prática

Man reading from the holy bible, close up

Para um esportista, é importante praticar seus exercícios e fortalecer-se diariamente, para que possa competir nos campeonatos e concursos. O mesmo vale para músicos, artistas, escritores e demais profissionais. No mundo espiritual, não é diferente. Para que se possa acreditar e fortalecer a fé mediante sua religião, é necessário praticá-la.

A prática individual refere-se a praticar a religião individualmente, normalmente em sua residência. E a prática altruística trata-se de participar de reuniões e atividades religiosas junto a outras pessoas, e, além disso, propagar seus ensinos para os amigos e familiares.

Estudo

O estudo consiste em aprender os conceitos filosóficos da religião a qual se pratica. É entender a própria teoria dela, seus princípios e termos.

O filósofo e pacifista Dr. Daisaku Ikeda sintetiza as finalidades do estudo do budismo nos seguintes itens:

(1) Estuda-se a religião para adquirir uma correta visão da vida, da sociedade e dos objetivos.
(2) Estuda-se a religião para nutrir a prática da fé e o empenho nas atividades.
(3) Estuda-se a religião para avançar e crescer dia após dia.
(4) Estuda-se a religião para cultivar a capacidade de orientação e para prestar incentivos a todos os companheiros.

Esse tripé é a base que sustenta a vida das pessoas que praticam alguma religião assiduamente. Para fortalecer a fé, é necessário estudar os escritos, aprender, debater com outras pessoas acerca dos sonhos e objetivos na religião que se pratica. Assim, fortalecendo a fé e a prática, as orações se intensificam, abrindo a mente e a própria vida, para sempre buscar entender cada vez mais, ou seja, estudar. Assim como um tripé, se estiver faltando uma das bases, a vida não se sustentará.

Fé, prática e estudo é o modo ideal de se praticar uma religião.


Texto escrito por Bruno da Silva Melo da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]