Autoconhecimento Comportamento Comunicação Não-Violenta

A problemática da homofobia internalizada

Viver em uma sociedade homofóbica não é apenas externamente perigoso. Muitas pessoas ainda têm que lidar com a própria homofobia internalizada. E, quando falta autoaceitação, fica ainda mais inviável viver sua sexualidade plenamente. Descubra como ocorre esse processo com o conteúdo a seguir.

Muitos fatores problemáticos na sociedade heterossexista contribuem para que as pessoas tenham medo de performar – e, muitas vezes, aceitar – sua sexualidade. Um dos principais fatores é, claro, o preconceito que cria um ambiente hostil e discriminatório, no qual indivíduos LGBTQ+ enfrentam o medo de serem rejeitados, discriminados ou até mesmo agredidos física e verbalmente.

Esse preconceito é reforçado por outros estigmas persistentes no nosso campo social e é capaz de criar uma homofobia internalizada nos próprios indivíduos. Acompanhe o artigo e descubra quais fatores causam esse problema e como combatê-los!

O que é a homofobia internalizada?

Casal LGBTQIA+.
Vanessa Marino de diversifylens no Canva

Em 2022, foi a primeira vez em que a pergunta sobre orientação sexual foi incluída no censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados do censo revelam que 94,8% da população adulta se identifica como heterossexual, ao passo que 1,2% (ou 1,8 milhão) declara-se homossexual; já 0,7% (1,1 milhão) declara-se bissexual.

Após a divulgação dos dados, a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT) percebeu uma divergência e projetou que o número de declarantes poderia ser sete vezes maior do que o número oficial, indicando que o problema de pessoas que ainda não conseguem declarar sua identidade de gênero e orientação sexual ainda persiste em nosso país.

A falta de aceitação pessoal também tem um impacto negativo na comunidade LGBTQIA+ como um todo. A falta de aceitação coletiva pode acabar contribuindo para a perpetuação de estereótipos e preconceitos, reforçando uma cultura de invisibilidade e silenciamento. Isso torna mais difícil a luta pelos direitos e pela igualdade, além de limitar as oportunidades de representação e visibilidade.

Quando alguém não aceita sua própria sexualidade, pode enfrentar uma intensa luta interna, sentimentos de vergonha, culpa e inadequação. Esses sentimentos podem levar à ansiedade, depressão, baixa autoestima e até mesmo pensamentos suicidas.

Confira os sintomas da homofobia internalizada:

  • Baixa autoestima e imagem corporal negativa;
  • Autoaversão e autodesprezo;
  • Transtornos mentais, como depressão, hiper-reatividade, ansiedade e outros;
  • Adoção de atitudes preconceituosas contra indivíduos assumidos;
  • Desejo velado por pessoas do mesmo sexo;
  • Visão estigmatizada e intolerante da homossexualidade;
  • Reações exageradas diante de manifestações públicas de afeto entre homossexuais;
  • Tentativas de mudar a própria orientação sexual;
  • Dificuldade em estabelecer relacionamentos saudáveis.

Como lidar com a homofobia internalizada?

Pessoas em terapia.
FatCamera de Getty Images Signature no Canva

É importante destacar que indivíduos que enfrentam a homofobia internalizada não podem ser considerados culpados pela condição, afinal, isso pode acabar tornando o problema maior do que já é. A boa notícia é que existem formas de superar essa fase tão difícil. Confira algumas delas:

  • Autoconhecimento e educação: Informe-se sobre a diversidade sexual, a história e os desafios da comunidade LGBTQIA+. Aprofundar o seu conhecimento pode ajudar a desafiar estereótipos prejudiciais e a compreender melhor sua própria identidade.
  • Busque uma rede de apoio: Normalmente, pessoas LGBTQIA+ encontram apoio na própria comunidade, se conectando com pessoas que compartilham das mesmas vivências e experiências. Esse pode ser um ambiente acolhedor e fortalecedor.
  • Terapia e aconselhamento: Considere buscar a ajuda de um profissional de saúde mental qualificado, como um psicólogo ou terapeuta, especializado em questões relacionadas à sexualidade e identidade de gênero. Eles podem fornecer um espaço seguro para explorar os desafios da homofobia internalizada e oferecer orientação e estratégias para superá-la.
  • Desafie crenças negativas internalizadas: Identifique e questione as crenças negativas que você possa ter sobre sua orientação sexual. Desafiar pensamentos autodepreciativos e substituí-los por afirmações positivas e construtivas pode ajudar a promover a autocompaixão e o amor próprio.

Como cada indivíduo pode ajudar a combater a homofobia?

Protesto anti homofobia.
Antonio Herrera Palacios de Pexels no Canva

Sendo você parte da minoria ou não, preconceitos devem ser combatidos por todos. Confira algumas formas de fazer isso:

  • Eduque-se: Busque conhecimento sobre questões relacionadas à diversidade sexual e de gênero. Esteja aberto a aprender sobre diferentes identidades e experiências da comunidade LGBTQIA+. Isso ajudará a desafiar estereótipos e preconceitos, bem como a entender as lutas enfrentadas por essa população.
  • Desafie a homofobia: Não fique em silêncio diante de comentários homofóbicos, piadas discriminatórias ou comportamentos preconceituosos. Tenha coragem para intervir de forma respeitosa, explicando por que essas atitudes são prejudiciais e promovendo a inclusão e o respeito.
  • Utilize sua voz e privilégio: Se você é uma pessoa heterossexual ou cisgênero, reconheça o privilégio que possui e use sua voz para defender a igualdade e combater a homofobia. Aproveite suas plataformas, redes sociais e espaços de influência para ampliar vozes marginalizadas e promover a inclusão.
  • Defenda políticas inclusivas: Informe-se sobre as políticas e legislações que afetam os direitos da comunidade. Promova e apoie a implementação de leis inclusivas e de políticas de igualdade, visando garantir a proteção e a igualdade de direitos para todas as pessoas, independentemente de sua orientação sexual ou identidade de gênero. Atente-se, também, às figuras políticas que promovem a exclusão e o apagamento dessa população.

Você também pode gostar:

Aceitação, apoio e encorajamento

É crucial oferecer apoio, compreensão e recursos para ajudar as pessoas a enfrentarem a homofobia internalizada e desenvolverem uma aceitação saudável de sua orientação sexual. Cada pequena ação conta, e juntos podemos criar um ambiente mais inclusivo e respeitoso para que nenhum indivíduo da comunidade LGBTQIA+ sinta a necessidade de se esconder.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br