Psicologia Saúde Mental

Como posso ajudar uma pessoa com ansiedade?

Mulher e amiga de mãos dadas sentada uma dando apoio a outra
eggeeggjiew / 123RF
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Quando falamos em ansiedade, muitas coisas podem vir à nossa mente: a ansiedade é um traço da personalidade, uma emoção com a qual lidamos, pode representar uma crise de ansiedade ou um transtorno psicológico, o transtorno de ansiedade generalizada, também conhecido como TAG.

Apenas para conceituar e contextualizar, neste artigo estamos falando especificamente do TAG, o transtorno de ansiedade generalizado, então não traremos dicas para lidar com uma pessoa que está em crise, por exemplo. Em resumo, a ideia é apresentar conselhos que o ajudarão a lidar com quem está enfrentando essa doença.

Antes de seguir com as dicas, é importante entender o que é esse transtorno e de que forma ele pode afetar aqueles que estão passando por isso. Compreenda!

O que é TAG?

O transtorno de ansiedade generalizada (TAG) é caracterizado como um estado de ansiedade excessiva, persistente e que nem sempre tem um gatilho específico ou um contexto. Ou seja, a pessoa que sofre com esse problema normalmente se sente ansiosa sem que haja necessariamente um motivo específico para isso.

De acordo com uma estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) publicada em 2020, no Brasil, 9.3% da população tem algum transtorno de ansiedade. Como nossa população é de mais de 210 milhões de pessoas, isso representa cerca de 19 milhões de pessoas, 7 milhões de pessoas a mais do que os habitantes da cidade de São Paulo.

Entre os principais sintomas da TAG estão incapacidade de se sentir relaxado, sensação de fadiga e cansaço, inquietação ou incapacidade de se acalmar, dificuldade de concentração, perda de memória, dificuldade de tomar decisões, sensação de estar “no limite”, irritabilidade, tensão emocional e muscular e alterações no sono.

O tratamento pode ser feito com psicoterapia e também com auxílio psiquiátrico, por meio do uso de antidepressivos e de benzodiazepinas. O diagnóstico só pode ser feito por médicos e não é recomendado iniciar nenhum tratamento sem o acompanhamento médico adequado.

Como ajudar uma pessoa com TAG

Como são mais de 19 milhões de pessoas com TAG em nosso país, é provável que você conheça alguém que está enfrentando esse transtorno. Então saiba que pode fazer a diferença ajudando a construir uma rede de apoio para que essa pessoa lide com esse problema e, no fim das contas, consiga superá-lo.

Portanto preparamos uma lista com 8 dicas que vão ajudar você a entender como se portar diante de uma pessoa com TAG e de que forma é possível ajudar. Isso vai ser mais bem abordado na dica de número 8, mas lembre-se: sempre estimule a pessoa a procurar tratamento médico!

Mulher deitada com os punhos cerrados tampando os olhos
Aris Leoven / capturenow / Canva

1 – Aprenda a reconhecer crises

Ainda que o TAG se caracterize por um estado de ansiedade persistente, excessivo e muitas vezes ininterrupto, crises acontecem. Nessas crises, é comum que a pessoa tenha dificuldade de respirar, comece a hiperventilar, se desespere, não fale “nada com nada”, entre outros sintomas, como choro, problemas intestinais, suor excessivo etc.

Quanto mais você conviver com uma pessoa que sofre com TAG, mais facilmente conseguirá identificar os momentos de crise. Quando observar que isso está acontecendo, mantenha a calma. O ideal é tentar ajudar a pessoa a controlar sua respiração, mas não force nada: se ela deseja falar sem parar, esteja ao lado e permita.

Caso perceba que as coisas estão saindo do controle, o melhor é procurar ajuda médica. Em resumo, o essencial é se manter calmo e não ficar nervoso e ansioso junto com a pessoa, o que só vai desesperá-la ainda mais. Seja um porto seguro, mantenha a voz firme e tranquila, mostre que está ali e que aquilo vai passar.

2 – Tenha ouvidos atentos

Às vezes, pessoas com TAG podem ser repetitivas, remoendo sempre os mesmos problemas e até mesmo situações hipotéticas ou impossíveis. Mesmo nesses casos, é ideal que você ofereça ouvidos atentos e tente, ao máximo, não julgar a pessoa ou mostrar que ela está errada de maneira violenta, agressiva ou impositiva.

Acima de tudo, escute. Mais do que falar, é preciso que ela se sinta ouvida, acolhida e cuidada. Se possível, faça intervenções, mostre que a situação não é tão ruim assim, que aquilo não é bem assim, que vai passar, entre outros argumentos. Porém lembre de ser suave, de não transformar os ouvidos atentos numa boca teimosa.

Duas amigas sentadas na cama conversando e rindo
Eliza Alves / capturenow / Canva

3 – Não ofereça positividade tóxica

“A vida é bela, é preciso sorrir mais”. “Você já tentou olhar para isso de maneira mais positiva?”. “Deixa isso pra lá, é preciso ser feliz!”. Frases como essas simplesmente não ajudam nem um pouco uma pessoa que tem TAG. Além disso, chegam a atrapalhar e fazer com que ela se sinta incapaz e “surtada”.

Você acha que uma pessoa ansiosa gosta de ser assim? Que ela não tenta ser positiva? Não tenta deixar pra lá o que incomoda e ser feliz? É claro que sim! Ela está travando uma guerra emocional e, muitas vezes, a ansiedade vence uma batalha. Se não for possível comentar algo que faça bem, algo sólido, simplesmente ofereça sua escuta.

4 – Seja empático

Imagine temer tudo e todos o tempo todo, sempre esperar o pior, ter medo da felicidade porque ela pode virar tragédia em dois tempos… Essas são algumas das sensações que pessoas com TAG enfrentam. Por isso é essencial não apenas ouvir, mas se colocar no lugar dela.

Quando você tenta compreender a maneira como ela se sente, consegue entender como uma crise ou lidar com a ansiedade a longo prazo pode ser exaustivo. Então, a partir disso, consegue ser mais solidário e empático com quem enfrenta esse problema.

5 – Evite deixar a pessoa isolada

É comum que pessoas que enfrentam problemas como TAG e depressão se sintam um peso na vida dos outros. Elas se sentem repetitivas falando sobre seus problemas, têm a sensação de que todos pensam que elas estão exagerando e por aí vai. Por isso às vezes elas preferem se isolar.

É essencial impedir que isso aconteça. Esses momentos de isolamento fazem muito mal para a autoestima de quem passa por um problema como esse. Além disso, podem diminuir a eficácia do tratamento médico e a esperança de melhora. Enfim, faça o possível para estar por perto e inclui-la em tudo o que for possível.

Uma mulher abraçando a outra e sorrindo
RODNAE Productions / Pexels / Canva

6 – Que tal um passeio?

Ainda seguindo a dica anterior, quando perceber que a pessoas está tendo dias ruins ou está passando por uma crise, sugira um encontro ou um passeio, se possível. Mesmo que seja na casa dela, caso ela realmente não esteja se sentindo bem para sair e se expor.

Mais do que dizer palavras de conforto e falar “estou aqui para o que precisar”, é preciso agir. Portanto aja e se mostre presente quando sentir que a pessoa precisa se distrair de seus picos de ansiedade ou de um longo isolamento. Esteja junto!

7 – Não faça mistérios

“Tenho uma coisa para te contar, mas de noite eu te falo”. Não tem coisa mais angustiante para uma pessoa com transtorno de ansiedade do que ouvir algo assim. Como você sabe que ela está passando por esse problema, seja o mais claro e direto possível na comunicação.

Evite esconder situações, sentimentos e problemas, não faça mistérios e, se possível, evite até mesmo surpresas. Uma surpresa pode parecer uma boa ideia, mas pode fazer o ansioso pensar: “Se eu não percebi a surpresa sendo combinada, posso estar ignorando muito mais coisa…”. Portanto seja claro e transparente com a pessoa.

8 – Estimule a buscar tratamento

TAG não é um traço da personalidade, é um transtorno psicológico — e isso significa que existe tratamento e esperança de cura e de dias melhores para pessoas que estejam passando por esse problema.

É parte da sua “função” como rede de apoio estimular a pessoa com TAG a buscar tratamento e também psicoterapia. Conversar e contar com amigos e familiares faz a diferença e é muito bom, mas a ajuda profissional que um psicólogo pode oferecer é essencial no caso de uma pessoa com TAG.

Você também pode gostar:

Agora que você já sabe como ajudar uma pessoa que esteja passando por esse problema, que tal estender a mão para quem está precisando de ajuda? Com poucas palavras e gestos significativos, você realmente pode ajudar alguém a sair dessa situação mais forte, enxergando um futuro brilhante pela frente!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br