Saúde da Mulher

Ginecologia Integrativa: abraçando a mulher como um todo!

Flor cor-de-rosa com pétalas ao lado
Yuliia Hurzhos/ 123RF
Silvia Jara
Escrito por Silvia Jara

Acredito que a medicina está finalmente recebendo profissionais que priorizam uma visão integrativa do ser humano. Isso é novo e está surpreendendo a todos, inclusive a mim.

A medicina

Se pensarmos em todo o movimento da medicina e do cuidado com a saúde, podemos constatar que ela nasceu da observação do ser humano como um todo.

Depois, foi compartimentando nosso organismo em órgãos, e assim deu-se início à medicina especializada, que começa a ver com maior profundidade os órgãos separadamente.

Criaram-se especialidades e subespecialidades para compreender melhor como tratar de cada pedacinho do nosso corpo físico. E isso foi positivo na medida que se pode conhecer mais claramente o funcionamento de cada um desses órgãos em seus detalhes.

Acredito que isso seja um movimento natural de todo estudo, de todo aprendizado sobre praticamente todas as ciências.

De certa forma, essa ideia do ser integral já estava presente há muito tempo na homeopatia, mas sempre foi muito mal interpretada e compreendida pela maioria da comunidade médica.

Médico e paciente conversando
archnoi1/ 123RF

Agora, vemos um movimento que retoma a ideia de que somos um organismo que trabalha interligado e não uma diversidade de órgãos que atuam isoladamente e que se relacionam com todas as nossas funções físicas, psíquicas e também espirituais. Essa é a nova medicina, a medicina integrativa.

Vale dizer que chamo de espiritualidade tudo aquilo que nos liga a uma essência que ainda não conhecemos claramente, mas que está presente em nossa vida por meio da fé e de energias que ainda não são classificadas ou aceitas integralmente, mas que existem e são sentidas por todos nós.

“O essencial é invisível aos olhos.”

(do livro “O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry)

O que é uma consulta ginecológica integrativa?

Dra. Ana Nogueira é nossa colunista e é ginecologista integrativa.

E o que vem a ser isso?

É uma profissional que tem toda formação acadêmica dentro da medicina, que segue todos os protocolos médicos, mas não se restringe a isso.

Ela amplia sua visão e atuação com um trabalho que compreende a mulher, tanto no âmbito físico como no emocional e energético/espiritual.

Tive a oportunidade de conhecer seu trabalho porque estava bastante curiosa em saber como seria o atendimento de uma ginecologista que associa a medicina ao trabalho integrativo.

Como a consulta aconteceu?

Logo no começo do atendimento, a dra. Ana me convidou a escolher uma carta de tarot, com o intuito de verificar qual o panorama de vida em que me encontro, ratificando suas próprias percepções (que são muito apuradas) sobre as vibrações e energias que eu carregava naquele momento.

Cartas de tarot
Vyacheslav Volkov/123RF

Escolho a carta e ela faz a leitura trazendo informações sobre qual é a minha situação energética como paciente naquele momento.

Esse é apenas o começo de uma grande surpresa de uma consulta, em que toda a anamnese clássica e necessária é feita, dentro dos padrões exigidos pela medicina, em que todos os questionamentos e todos os procedimentos normais são seguidos.

Pude discorrer sobre os principais desconfortos da saúde, sobre sintomas, sobre o histórico familiar de saúde e todas aquelas coisas que sabemos que bons médicos precisam saber.

A escuta gentil do médico às queixas do paciente, isso é a anamnese.

A doutora segue então com seu trabalho, fazendo agora uso das técnicas integrativas que incorporou em sua prática médica.

O grande diferencial desse trabalho é o grau de sensibilidade, escuta ativa e intuição que a dra. Ana disponibiliza. Uma médica cuja sensibilidade nasceu juntamente com a escolha da medicina.

Cresceu com um pai médico, mas que já era praticante dos estudos herméticos, e uma mãe enfermeira, além de trazer raízes familiares de benzedeiras. Todos na família já traziam em seu campo morfogenético a bagagem do desenvolvimento integrativo, da leitura completa do ser humano.

A radiestesia foi outra técnica da qual a doutora lança mão para as análises vibracionais e energéticas da paciente.

Por meio da radiestesia, ela faz a análise de biorressonância de diversos alimentos e ingredientes constantes em um estojo específico, avaliando quais deles podem nos trazer malefícios e benefícios, e isso é cruzado com as informações que levantou durante a anamnese.

Estojo com os ingredientes testados e aparelho dinamometro
Silvia Jara

O paciente tratado de forma individualizada, sendo avaliado de acordo com as energias de cada composto, de cada alimento, que pode interferir em nosso equilíbrio físico e energético, atacando ou beneficiando órgãos.

Também faz parte de sua consulta a análise de nossas energias sutis, avaliando a situação de nossos chakras, as frequências de cada órgão e, por meio da apometria, a dra. Ana verifica como estão nossas energias e faz uma harmonização de todos elas.

Somos “harmonizados” em nossas energias sutis.

A figura do ginecologista e o aspecto psicológico da mulher

Se considerarmos que, nós, mulheres, sempre tivemos na figura do ginecologista um conselheiro, um clínico-geral, um médico que nos trata de forma global e com quem dividimos nossas maiores intimidades, nada mais natural do que ter uma profissional que possa nos avaliar de maneira ainda mais ampla do que jamais imaginávamos.

Isso é maravilhoso, porque além de considerar nossas questões físicas, aquelas que nos levam a uma consulta, temos ainda observadas nossas questões metafísicas, que bem sabemos o quanto impactam em nosso equilíbrio.

Ao final da consulta, ainda pude receber o tratamento da hidrolinfa, que faz uma desintoxicação por intermédio do escalda-pés, que é complementado ainda com o uso de um outro aparelho que complementa essa desintoxicação do organismo.

Saí da consulta com a impressão de que alguém conseguiu olhar para mim de dentro para fora, como se tivesse passado por um escâner de visão ampla e irrestrita.

A finalização da consulta

A partir de todas essas etapas e em posse de um diagnóstico completo (físico e energético), a dra. Ana indica frequenciais quânticos, medicamentos vibracionais para atender àquilo que nós e nosso organismo precisa.

Acredito que todas nós procuramos algo que seja completo e que integre nosso físico ao nosso campo energético, e a ginecologia integrativa me pareceu um ótimo caminho.

Você também pode gostar

E ainda, para fechar a consulta, a dra. me solicitou que selecionasse, aleatoriamente, uma mensagem dos anjos e que, no meu caso, finalizou com uma mensagem que ratificou a leitura inicial da carta do tarot.

Foi realmente uma experiência sem igual.

Gratidão, Ana Nogueira.

Sobre o autor

Silvia Jara

Silvia Jara

Depois dos dois primeiros anos do Eu Sem Fronteiras, resolvemos atualizar nossas informações e isso foi um belo exercício de reflexão!
Nosso propósito sempre foi ajudar as pessoas na busca do autoconhecimento e eu, pessoalmente, não fiquei isenta disso.

Contato:
[email protected]

Em meu perfil anterior disse: “olhando para trás percebo que, em minha vida, as coisas sempre aconteceram de maneira fluida, sem muito planejamento, embora tenha verdadeira admiração pelo planejamento ‘das coisas'”. Hoje entendo que foi o foco no presente que me fez seguir o fluxo da vida em muitos momentos, sem me preocupar com o ontem ou com o amanhã. As coisas caminharam como deveriam ser.

Minha paixão pela publicidade se transformou na paixão por pessoas, comportamentos, sentimentos, atitudes e, principalmente, na capacidade e necessidade do ser humano de se comunicar, compartilhar e crescer. Minha formação acadêmica em Publicidade não mudou, mas minha formação humana tem sofrido diversas e importantes mudanças no sentido de compreender que sozinhos não chegaremos longe. Somos um sistema e como tal, precisamos uns dos outros.

Minha capacidade analítica e observadora, aplicada à Pesquisa Qualitativa de Mercado que, até então, me serviu para compreender o comportamento de consumo das pessoas e grupos, agora parece muito mais voltada a me compreender, a olhar para dentro de mim e buscar minha essência verdadeira. É praticamente impossível ficar ilesa, isolada e desconsiderar tantas informações e conteúdos com os quais lidamos no dia a dia de nossa redação.

Hoje entendo que o trabalho em áreas comerciais, marketing de empresas, agências de publicidade e a atuação em pesquisa de mercado estavam me preparando para esse mergulho no autoconhecimento. Nada é coincidência!

A curiosidade pelo mundo espiritual, pela meditação, pela metafísica, pela energia vital está se transformando em novos conhecimentos e práticas: Reiki, Apometria, Constelação Familiar, Thetahealing, PNL, EFT, Florais e tantas outras técnicas. Sigo acreditando que o questionamento, a busca de informação e a vivência me levarão a conhecer minha missão de vida, meus caminhos e minha plenitude.

Trabalhando no Eu Sem Fronteiras desde 2014, tenho aprendido muitas coisas, vivenciado outras tantas e não sei onde isso chegará! O que me importa é continuar nessa busca. É um caminho sem volta no qual o grande objetivo é aceitarmos que somos sujeitos de nossa própria vida, os únicos capazes de transformá-la.

Grande abraço e muita luz!