Autoconhecimento Coaching Comportamento Sagrado Masculino

Homem que fala

Fabio Manzoli
Escrito por Fabio Manzoli
Sinto uma angústia latente no meu peito. Há 3 anos saí do mundo corporativo para realizar o meu sonho de trabalhar para o mundo, para ajudar no processo de elevação de consciência, ajudando as pessoas a despertarem para a necessidade do trabalho interno e busca espiritual, ou busca por autoconhecimento. Neste caminho percebi que uma das muitas máscaras que eu usava era a do desapegado total, falso humilde, que se manifestava na prática com um “não, estou de boa” para qualquer coisa que alguém me oferecesse, antes mesmo de eu saber o que estavam me oferecendo. Eu estava mandando um “não” para o universo e para a vida, e minha situação financeira se deteriorou para um nível desconhecido, tudo isso para sustentar uma falsa imagem de alguém muito especial. E o problema nem é a questão financeira em si, o problema mesmo ainda é a dificuldade em aceitar as minhas dores internas, minha vulnerabilidade e minhas emoções.

O problema mesmo ainda é a dificuldade em aceitar as minhas dores internas, minha vulnerabilidade e minhas emoções.

Aprendi que homem não pode chorar, e eu sempre tive vontade de chorar, até vendo desenho animado. Aprendi que homem tem que “pegar” todas as mulheres, ser sempre forte, não ter medos, não expressar suas emoções e, por muito tempo, eu não consegui nem expressar o amor pela minha própria mãe. E no mais profundo, lembro de questionar em muitos momentos da minha vida: “O que é o amor?”, como se eu de fato nunca o tivesse sentido, ou nunca tivesse me sentido. Sinto-me como um retrato de muitos outros homens (e quiçá mulheres), que incapazes que somos de lidar, expressar e colocar para fora as nossas emoções, acabamos incapazes de sentir amor. Só que nós somos amor em essência, isso é o que eu SOU e o que você É, e se não conseguimos nos acessar para expressar a nossa essência amorosa, o resultado é uma sociedade violenta e doente, que por renegar e acumular um caminhão de emoções densas, sente raiva. Compartilho os meus processos porque me sinto mais leve e para inspirar outros homens e mulheres a fazerem o mesmo. A felicidade é a nossa essência, e para se manifestar, precisa ter espaço.

Chegou a hora de colocarmos para fora aquilo que não queremos mais carregar, todas as lágrimas não choradas, chegou a hora dos homens saírem da zona de (des)conforto inerente a uma sociedade que o coloca como um ser superior, e que de tão superior, preconiza que deve sofrer calado. O homem paga um preço alto por querer sustentar esse “status quo” machista, o de ter que guardar todas as suas emoções e de usar máscaras para se adequar ao que ele acha que se espera dele. É hora de sairmos das mentiras, acolhermos, aceitarmos e integrarmos as nossas dores, e transitarmos para a nova era que já está se manifestando. Por um mundo com mais homens se questionando, se abrindo, se vulnerabilizando, por um mundo com mais homens humanos e sem máscaras.

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Fabio Manzoli

Fabio Manzoli

Fabio Manzoli cria seu caminho como terapeuta enquanto percorre sua jornada como buscador de si mesmo.

Formado em administração de empresas pela FGV, depois de 12 anos trabalhando no mundo corporativo, Fábio passou por diversos trabalhos internos que o fizeram encontrar uma vida com mais sentido, mais sentir, mais consciência - que ressignificaram as sensações de inadequação, sua sexualidade, o vazio existencial, as constantes crises de ansiedade, raiva e desequilíbrio emocional que regiam suas relações.

Um terapeuta que tem como sua maior medicina o compartilhamento de sua própria história de desconstrução e reconstrução. Um homem que carrega em si a sensibilidade na identificação de padrões mentais/comportamentais e o potencial de abrir espaços sagrados de confiança, irmandade, respeito e compartilhar genuíno entre homens.

Um condutor que guia a lugares internos de revelação; de suas sombras, vergonhas, culpa e rigidez- com a maestria da compaixão, do acolhimento, da empatia, do não julgamento; com intensidade e profundidade, porém mantendo a simplicidade e leveza características de suas manifestações.

Fabio traz para as suas vivências, ferramentas como o Rebirthing, Deeksha, Meditações Sonoras, dinâmicas de Psicoterapia Corporal, o estudo do Patchwork.

Meus contatos:

Instagram: @famanzoli
Facebook: Fábio Manzoli