Convivendo

Mãe

Mulher segura bebê. Ambos riem.
Noriko Cooper / 123RF
Escrito por Nilton C. Moreira

Mais um Dia das Mães. Este ano, a exemplo do ano passado, muitos filhos estão privados do abraço físico em razão da pandemia. Ainda bem que existe a possibilidade das ligações de vídeo, o que minimiza a sensação de distância. Mas o que vale mesmo é o pensamento, este que é uma energia universal.

Mãe é uma personalidade sublime que recebe a incumbência de receber em seu ventre um filho. Mesmo antes de ser concebido, na Espiritualidade acontece a aproximação entre ambos, ficando ela comprometida a gerar e dar a educação necessária, ocasião que fica sabendo da árdua tarefa que terá pela frente.

Mesmo aquela mãe que não engravida pelo meio natural, já na Espiritualidade sabe do enaltecedor feito que deverá ser realizado.

Não menos importantes são aquelas mães que recebem o filho por uma adoção, pois também a articulação para que o processo legal venha possibilitar a efetividade de uma criança no lar foi fruto de desejo previamente acontecido na Espiritualidade, pois que os benfeitores empreendem intuições na mente de quase todos os entes envolvidos.

Mas esta é a semana das mães e devemos reverenciar todas elas, pois sabemos dos momentos de dificuldades, angústias, ansiedades e lutas que travam e vivenciam por seus filhos amados, mesmo que estes não retribuam a mínima parte do afeto, pois que o amor de mãe é incondicional.

Mulher deitada em cama entre duas crianças.
Ketut Subiyanto / Pexels

Ser mãe é sempre ver o filho como seu protegido, pois, apesar do passar dos anos, para uma mãe o filho é sempre criança. Parece que nunca cresceu. Traz a preocupação mesmo que esteja em segurança.

Ser mãe é prever o futuro quando pede para que ele tenha cuidado ao sair; é ser meteorologista quando pede que leve um agasalho, pois pode o tempo esfriar. Ser mãe é cuidar sem pedir nada em troca.

Chico Xavier sempre disse: “quando uma mãe faz uma prece pelo filho, ela arromba as portas do céu”. Então agora procuremos, num clima de gratidão, elevar o pensamento a Deus, agradecendo pela mãe que nos possibilitou a vinda ao mundo ou aquela que nos criou. Que receba nosso abraço de amor fraterno. E que aquelas Mães que já retornaram ao Plano Espiritual possam receber nossas honrosas energias de amor em forma de pétalas de rosas perfumadas. E que a mãe maior, Maria, mãe do Mestre Jesus, acolha nossos agradecimentos pelas dádivas que recebemos quando proferimos uma súplica em prece visando beneficiar nossos filhos.

Sobre o autor

Nilton C. Moreira

Policial Civil, natural de Pelotas, nascido em 20 de maio de 1952, com formação em Eletrônica, residente em Redentora (RS), religião Espírita, casado.
Email: [email protected]
Facebook: /Nilton-C-Moreira