Saúde Integral

Por que sentimos calafrios?

Moça em uma sala sentindo frio e tentando se aquecer com as próprias mãos
Paulus Rusyanto / Pexels
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Provavelmente você já ouviu alguém dizer que sentiu um calafrio quando passou por uma situação de estresse, de medo ou de gripe. Da mesma forma, pode ter ouvido sobre alguém que diz sentir um calafrio como um sinal ou uma comunicação de quem não está mais nessa vida.

Assim, torna-se uma curiosidade saber qual é a causa dessa sensação que eventualmente pessoas de todas as idades podem perceber em algum momento da vida. Além disso, há explicações científicas sobre esse assunto, assim como aquelas referentes à espiritualidade.

Entender por que sentimos calafrio é o motivo deste artigo que aborda os conceitos e as interpretações para que ele seja compreendido em todos os seus aspectos. Leia a seguir e perceba a complexidade espetacular dessa resposta que o cérebro humano envia ao organismo para restaurar o equilíbrio.

O que é um calafrio?

Segundo o dicionário Oxford Languages, o calafrio é um “conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo etc. Além disso, é descrito como “sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.”

Assim, aquele arrepio que se sente ou se percebe na pele quando os pelos ficam eriçados é o chamado calafrio, que qualquer pessoa pode ter, em qualquer idade e por várias razões. Normalmente, ele passa rapidamente, mas também é um indicador de inflamações e infecções que devem ser prontamente tratadas por um médico.

Os calafrios segundo a ciência

A temperatura normal do corpo humano é de 36,5º C. Se houver perda de calor corporal, essa temperatura cai e ocorre a sensação de frio. Porém o cérebro protege todo o organismo e, ao receber essa sensação por meio do hipotálamo, comanda a contração dos músculos, provoca arrepios, levanta os pelos e causa tremor em toda a extensão do corpo, com o objetivo de restaurar a temperatura normal do organismo.

Logo, os calafrios são uma tática do cérebro, com reação corporal, para amenizar a sensação de frio e equilibrar a temperatura necessária para o corpo se manter bem. Com os pelos arrepiados em conjunto, por exemplo, eles formam um colchão de ar quente para reter calor. Se para os nossos ancestrais, cujos corpos eram cobertos de pelos, isso fazia sentido, atualmente, em que estamos cada vez mais depilados, essa defesa já não é tão eficaz. Por isso é que o tremor faz mais sentido para aquecer.

Mulher de xale segurando  uma xícara de chá
Burst / Pexels

Além disso, os calafrios podem ser sinais de que o organismo não está bem fisiologicamente e pode estar se defendendo de uma disfunção ou de uma enfermidade. Eles podem se manifestar em decorrência de:

  • Febre;
  • Resfriado;
  • Gripe;
  • Mononucleose (“doença do beijo”, infecção causada pelo vírus Epstein-Barr, transmitido através da saliva, que provoca inflamação e placas esbranquiçadas na garganta, febre e ínguas no pescoço);
  • Pielonefrite (inflamação do parênquima renal e da pelve causada por infecção bacteriana);
  • Meningite;
  • Infecção urinária;
  • Hipoglicemia, principalmente em diabéticos;
  • Hipotireoidismo;
  • Anemia;
  • Inflamação da próstata.

É importante prestar atenção aos calafrios e buscar entender a causa, pois caso perdurem 24 horas ou mais, sejam constantes ou se perceba algum outro sintoma concomitante, esse tempo deve ser desconsiderado, sendo indicado buscar diagnóstico médico para solucionar a causa deles o quanto antes. O calafrio é comum em mulheres grávidas.

Além disso, os calafrios podem ter causa emocional, principalmente quando nos sentimos ameaçados. Assim como um gato, por exemplo, reage levantando os pelos e enrijecendo os músculos, nosso organismo tem a mesma reação, muito embora funcione mais para ele afugentar aquele que o ameaça do que para nós.

Mulher deitada se aquecendo com cachecol em seu rosto
Pixabay / Pexels

Igualmente, quando assistimos a um filme de terror, o corpo também pode manifestar calafrios. Contudo sabemos que tudo é ficção e estamos seguros. Assim, eles seriam um falso alarme de ameaça, sendo até prazerosos por gerar adrenalina. Enquanto uma parte do cérebro avisa sobre o “perigo”, outra, bastante consciente, alerta que está tudo bem.

Além do mais, o corpo pode manifestar calafrios em situações de carinho físico: um beijo na nuca, por exemplo. Isso ocorre porque o cérebro, diante de variados estímulos, pode ter o mesmo tipo de resposta. Ainda, eles podem surgir diante de uma surpresa ou de uma emoção intensa, como ao ouvir uma música, conforme destacou o neurocientista e psicobiólogo Jaak Panksepp (1943-2017), da Washington State University (Washington, Estados Unidos).

Dessa forma, o cérebro, que é o responsável por provocar os calafrios, pode apresentar essa resposta por diversas vezes tanto entendendo e tolerando os falsos alarmes como alertando sobre eventuais problemas e perigos, no sentido de prepará-lo para reagir satisfatoriamente ou nos fazer compreender a necessidade de ajuda.

Os calafrios como sintoma da Covid-19

A pandemia da Covid-19 trouxe a ação conjunta de diversas instituições para identificar os sintomas e alertar diferentes populações sobre essa grave doença, com o objetivo de que as pessoas busquem atendimento hospitalar. A partir das observações de médicos de diversos países e de estudos internacionais preliminares, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, incluíram no primeiro semestre de 2020 alguns sintomas na lista de indicativos dessa enfermidade.

Mulher sentada no chão, enrolada em uma manta vermelha enquanto assoa o nariz
Andrea Piacquadio / Pexels

Assim, estão entre eles: febre, fadiga, tosse seca, perda do olfato e do paladar, falta de ar, entre outros, como calafrios constantes e persistentes, combinados ou não com outros indícios. Aliás, esses últimos foram relatados por pessoas com teste positivo para Covid-19 de várias idades no Reino Unido, conforme pesquisa “COVID-19 linked with wider set of symptoms than previously thought – REACT study”, promovida pelo Imperial College London entre os meses de junho de 2020 e janeiro de 2021 e divulgada em fevereiro de 2021 no site da universidade. Portanto, excluindo os calafrios decorrentes de respostas emocionais ou falsos alarmes de medo, procurar apoio médico é fundamental.

Qual o significado espiritual dos calafrios?

Como explicar os calafrios que não se relacionam com sensação de frio, sintomas de doenças ou decorrentes de emoções fortes de susto, medo ou prazer? Considerando que o nosso corpo é resultado de uma ligação energética e que trocamos energia com tudo o que está à nossa volta, ainda que de forma inconsciente, os calafrios podem acontecer quando se entra em contato com campos energéticos de densidade diferente da nossa, uma explicação espiritual.

Assim, o fluxo de energia que circula em nosso corpo é interrompido de forma abrupta na troca energética entre densidades diferentes, provocando calafrio ou arrepio de forma rápida, que acaba tão logo o equilíbrio é ajustado. As pessoas mais sensíveis são capazes de percebê-los mais frequentemente, principalmente se tiverem uma densidade de energia pouco convencional, com frequência mais alta ou mais baixa do que os locais que frequentam ou em relação às pessoas com as quais convivem.

Sob o mesmo ponto de vista, podem ser recebidas ou oferecidas energias positivas ou negativas. Assim, quando se sente calafrios seguidos de uma sensação de mal-estar, isso significa que a pessoa está recebendo uma energia negativa. Nesse caso, é melhor se afastar e mudar de campo energético. É importante ter pensamentos otimistas, boas memórias e fazer coisas que tragam felicidade.

Silhueta de uma mulher pensativa enquanto está sentada em um balanço
Pixabay / Pexels

No entanto, quando os calafrios são acompanhados de uma sensação de bem-estar, de paz, de felicidade e de bondade, muito provavelmente se está recebendo uma energia positiva muito benéfica para o corpo espiritual. Neste caso, é importante receber esse momento com a mente e o coração abertos, pois ele pode representar a bênção de um ser de luz.

Também há bastante troca energética entre as pessoas durante a relação sexual, sendo mais intensa e positiva quando há envolvimento afetivo. Os calafrios decorrentes dessa situação tanto são causados por neurotransmissores e hormônios liberados no momento quanto resultantes dessa troca. Inclusive, há pessoas que não praticam sexo sem amor, por entenderem que a ligação entre as energias é física e espiritual.

Às vezes encontramos pessoas que se referem aos calafrios como sinais de espíritos ou de uma atividade espiritual. Alguns que acreditam em anjos ou seres iluminados também entendem essas sensações como um toque físico que eles emanam, sendo alertas para que as pessoas prestem atenção, reflitam ou ponderem sobre algo que está acontecendo. Por isso, quando sentem esse toque, param momentaneamente para reavaliar o “rumo”, agradecer e orar.

Ainda do ponto de vista da espiritualidade, os calafrios podem surgir como confirmação, nos momentos em que a pessoa está em meditação ou num estado de felicidade, indicando algo sobre o que ela ama, deseja ou sonha. Mas também podem ocorrer quando alguém está numa situação estressante, numa discussão ou num ambiente desconhecido e inóspito, sendo, nesses casos, um aviso para evitar essa vibração ou deixar o local.

Segundo o espiritismo, quando um médium percebe uma entidade se aproximando, ele pode identificar se ela é espiritualmente elevada e de bons sentimentos quando os calafrios provocam sensação de frescor. Entretanto, com sensação desagradável ou de calor, esse espírito é percebido como involuído.

Nesse sentido, a passagem de um espírito será para o médium uma descarga nos nervos epidérmicos, principalmente na extensão da coluna vertebral, subindo do cóccix ao occipital, tal qual ocorre quando alguém tem calafrios numa situação repentina de medo ou de susto intenso. Aliás, se eles forem frequentes e não decorrentes de enfermidades, eles são compreendidos como um indício de mediunidade ou sensibilidade ao mundo dos espíritos.

Por último, entender os calafrios como sinais é muito sensato, pois eles podem representar apenas uma sensação de frio que indica que o organismo precisa se equilibrar e ajustar a temperatura, preservando calor. Podem significar uma enfermidade já instalada, um sintoma de Covid-19, uma manifestação física de uma forte emoção de prazer ou estresse, um sinal de diferenças energéticas durante as trocas que normalmente ocorrem entre os corpos ou ainda um sinal de mediunidade e de alerta de anjos, seres de luz ou espíritos. Independentemente de sua conclusão e de sua crença, mantenha-se alerta sobre essas sensações e busque sempre o seu bem-estar em todos os sentidos. Viva melhor! Entenda os indicativos do seu corpo e do seu espírito.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]