Alimentação consciente Nutrição Veganismo Vegetarianismo

Vegetarianismo: Um novo estilo de vida

Foto preta e branca de mulher sorridente, de olhos fechados, segurando um prato de salada.
Anne Moon
Escrito por Anne Moon

São Paulo, 28 de agosto de 2019

Vegetarianismo… Atualmente se tem conversado bastante sobre a ética na venda de produtos de origem animal. Vem aumentando o número de pessoas que não comem carne e o de pessoas que não consomem qualquer produto de origem animal, além de discussões sobre uma alimentação mais saudável. Mas venho percebendo também que as pessoas se confundem muito com os termos: Naturalismo, vegetarianismo e veganismo.

Esse artigo não tem o objetivo de tentar influenciar a alimentação e ninguém além de um nutricionista pode te orientar sobre qualquer dieta, então não caia nessa onda de dietas, muito menos de dietas restritivas!

Então o que é naturalismo, vegetarianismo e veganismo?

Naturalista: pessoa que adere a uma dieta mais natural. Não é muito diferente da dieta dos carnívoros, mas os naturalistas não comem carne vermelha, somente carne branca (peixe, frango…), além de derivados do leite e ovos.

Bol de salada

Vegetariano: pessoa que adere a uma dieta sem qualquer tipo de carne. Mas calma, porque dentro desse grupo dos vegetarianos existe os que não consomem nenhum tipo de produto de origem animal na alimentação (vegetarianismo restrito), há aqueles que aderem a um estilo de vida sem qualquer produto de origem animal, que tenha qualquer envolvimento de animais (veganismo), há as pessoas que não consomem produtos de origem animal, embora consumam ovos na alimentação (ovovegetarianismo), além daqueles que não consomem produtos de origem animal, embora consumam ovos, leite e seus derivados (ovolactovegetarianismo).

Há uns meses, eu venho seguido uma dieta ovolactovegetariana, então achei interessante contar o porquê de eu não comer mais carne, como foram para mim esses meses, os efeitos dessa dieta e como eu venho fazendo a substituição.

Ah, no final desse artigo tenho uma surpresa para você que está lendo! Não estou sozinha nesse artigo. Eu trouxe uma pessoa muito especial comigo, então continue lendo para saber quem é. Entrevistei alguém que está há mais de quarenta anos sem comer carne!

Bom, vocês sabem que a mudança na alimentação é algo que afeta profundamente sua vida. Eu já havia tentado havia vários anos cortar a carne na minha alimentação para testar como seria. Duas pessoas muito próximas são vegetarianas. Me lembro de ter uns 5, 6 anos e já ficar intrigada com essas pessoas, com o modo como se alimentavam.

A verdade é que nunca fui muito fã de carne. Sempre gostei mais de queijo, ovo… Naquela época, poucas vezes eu comia carne; nessas vezes em que eu comia carne (principalmente vermelha), sentia reações alérgicas na pele e o meu estômago não conseguia digerir direito, então era refluxo e gastrite dia após dia.

Você também pode gostar de:

Mas como somos um pouco insistentes, eu continuei com a carne na minha alimentação, mas eu fui diminuindo-a aos poucos, porque já estava enjoada com o sabor. Aliás, no período pós-operatório da minha cirurgia no nariz, fiquei um mês sem comer carne, por recomendação médica, para que a minha recuperação fosse mais rápida. Noutra vez, em que tive um episódio de gastrite muito forte, recebi orientação médica de evitar carne na minha alimentação. Se quisesse continuar, no máximo carne branca. Mais um mês sem carne!

Então tomei a decisão e em seguida conversei com o meu pai, que é ovolactovegetariano, sobre minha decisão. Ele também já havia anos vinha me falando sobre parar de comer carne, por causa dessa reação alérgica.

Pai e filha cozinhando

Então busquei orientação médica para saber se eu poderia aderir a esse tipo de alimentação, então recebi a recomendação de aderir a uma dieta ovolactovegetariana.

Lembrando que esse é o MEU caso e que, antes de aderir a qualquer dieta, é preciso buscar orientação de um nutricionista e de um endocrinologista, para que seja criada uma rotina de alimentação própria para as necessidades do seu corpo.

Assim segui por 7 ou 8 meses, tendo definitivamente parado de comer carne. Não foi uma mudança muito grande na minha alimentação, pois eu já vinha fazendo um tipo de dieta chamada “dieta sanguíneo-metabólica”. Desenvolvida pelo nutricionista, é uma rotina alimentar baseada no seu tipo sanguíneo e no seu metabolismo. O que mudou foi que aumentei o consumo de vegetais e de frutas (por causa das fibras), além do consumo de ovos e derivados do leite (por causa das proteínas), o que já era exigência da minha dieta.

Mas é claro que houve mudanças em mim e no meu corpo. Senti muito mais disposição, principalmente nos exercícios físicos, a digestão passou a funcionar muito melhor, o aspecto da minha pele e do meu cabelo melhorou bastante e não tive mais problemas de digestão ou na pele.

Quando eu falo sobre, ouço muito a pergunta: “E você sente vontade de comer carne?”. Respondo que não. É lógico que quando sinto cheiro de carne, identifico o que é, mas não sinto vontade de comer, mesmo quando sou eu que preparo.

Bom, como estou há pouco tempo nessa dieta ovolactovegetariana, entrevistei uma pessoa com muito mais propriedade no assunto, alguém que tem muito mais tempo de vegetarianismo, exatamente 42 anos!

Essa pessoa é o meu pai, que me apoiou nessa questão e me deu umas dicas de alimentação, e o melhor de tudo é que está dentro do que já era pedido na minha dieta!

Leiam essa entrevista que fiz com ele:

Salada

Anne: Quando você parou de comer carne?

P: Parei de comer carne há 42 anos, quando eu tinha aproximadamente 13 anos.

Anne: Como você descobriu o vegetarianismo?

P: Minha mãe já era vegetariana naquela época e uma vez eu vi uma propaganda sobre saúde com uns jogadores de futebol na TV que tinha como slogan: “Os campeões são vegetarianos”. Então comecei a pesquisar sobre vegetarianismo e busquei orientação médica sobre cortar a carne da alimentação, porque tinha grande vontade de cuidar da saúde. Recebi esse apoio médico e fui orientado a fazer uma substituição que fosse mais saudável para mim.

Anne: Foi “de uma vez” ou foi gradativa essa mudança na alimentação?

P: Foi “de uma vez”. Eu já tinha isso muito forte em mente, mas é claro que antes de parar procurei orientação médica.

Anne: Alguma vez você já teve recaída?

P: Não. Eu sempre tive essa ideia de saúde e de amor-próprio. Já estava com essa ideia bem firme, então perdi a vontade de comer carne.

(Não estava na entrevista, mas o entrevistado havia me dito uma vez que, após 42 anos como vegetariano, o cheiro da carne simplesmente não parece ser de algo comestível)

Anne: O que você sentiu depois disso? Sentiu alguma diferença?

P: Meu peso se estabilizou, senti mais disposição, energia, a digestão melhorou. O resultado dos exames foi acima do esperado. Não tenho carência de vitaminas ou de qualquer nutriente.

Anne: Estando há tanto tempo sem comer carne, como tem feito a substituição?

P: Faço a substituição com derivados do leite, ovos e me alimentando de todos os vegetais.

UM LEMBRETE: Quando se corta a carne da alimentação, não se deve recusar nenhum tipo de vegetal, porque eles suprem a falta dos nutrientes da carne e ainda são muito mais completos nesse aspecto.

Anne: Algum último conselho para quem quer parar de comer carne?

P: Se você tiver em sua mente a vontade de parar de comer carne, procure antes orientação médica, com acompanhamento para definir uma dieta que seja própria para você e que supra o que seu organismo precisa.

Sobre o autor

Anne Moon

Anne Moon

Anne Moon é uma escritora, modelo e estudante de Letras, que nasceu e mora em São Paulo com seus pais e o irmão mais velho. Desde criança adora escrever e contar histórias. Antes dos 10 anos já havia escrito duas histórias de ficção e uma biografia, e aos 14 anos começou a escrever o primeiro volume “The Rise of the Fallen” da série de livros “Dark Wings”

Contatos:
Email: [email protected]
Facebook: realannemoon
Instagram: @ampeixotoo